15 insights da COVID-19 para criação de negócios internacionais

Maio/2020

Estamos em um momento completamente incerto, onde as maiores economias mundiais despencam seus números e desnudam de uma vez por todas seu lado frágil, pouco visto durante décadas.

Para termos uma ideia, de acordo com o FMI, prevê-se uma queda de 3% do PIB mundial, já sendo considerado como o pior desempenho desde 1929, com a Grande Depressão provocada mundialmente pelo colapso da Bolsa de Nova York, nos EUA.

A pandemia agigantou problemas sociais, estruturais e comerciais que antes eram discutidos apenas dentro de grandes cúpulas governamentais.

Para exemplificar bem o que trago neste post, listei abaixo déficits enfrentados pelos países nesse momento da pandemia, veja se concorda:

Problemas em logística internacional

Com a exportação e as relações comerciais estrangeiras comprometidas com a China, projetos bilionários foram afetados na Indonésia, no Camboja, na Malásia, no Sri Lanka, no Paquistão e em diversos outros países, onde equipamentos, suprimentos e mão de obras não conseguem chegar.

A consequência de um modelo econômico de alguns países da África

Com uma forte dependência do comércio exterior, principalmente da venda de matérias-primas, a África, por exemplo, terá que repensar seu modelo econômico em um momento em que as fronteiras com outros países estão fechadas. Como sobreviver e desenvolver sua economia interna e depender menos das grandes potências em um momento como esse?

A deficiência na saúde mundial

Além da grande pobreza que sempre atingiu o país, o continente africano se encontra em um desafio pandêmico. Segundo a ONG Comitê de Resgate Internacional, a Somália tem apenas 15 leitos de UTI para quase 15 milhões de pessoas, o Malauí, 25 para 17 milhões e a Uganda, 55 para 43 milhões.

A falta de saneamento básico nos países

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), na região subsaariana, 63% das pessoas que vivem em áreas urbanas (ou 258 milhões de pessoas) não têm acesso à possibilidade de lavar as mãos. E sabemos bem que isso não é apenas um problema da África, no Brasil, por exemplo, 13 milhões de pessoas vivem em áreas irregulares, segundo dados do IBGE (2016). Sem contar que o acesso à água pela população de rua não existe em diversas partes do mundo.

Turismo global 100% afetado

Países como Espanha, Islândia, Itália e o próprio Brasil já conseguem ver as consequências com a queda do turismo nesses últimos meses e sem previsão para restabelecimento.

Além destes, existem inúmeros outros. Por isso, na tentativa de ajudar no debate, listo abaixo 15 problemas comuns entre países ao redor do mundo que podem inspirar você a identificar oportunidades de negócio e quem sabe criar soluções com impacto internacional. São eles:

 

  1. A saúde pública mundial é precária. Falta de respiradores, leitos, exames;
  2. Não há transparência em dados e informações repassadas à população;
  3. Acesso limitado aos testes e exames dificulta a tomada de decisão de governantes;
  4. Há aumento de pessoas com depressão e crise de ansiedade (segundo a FIFPro, esse número cresce entre atletas do futebol profissional nos países como Inglaterra, França, Austrália e Estados Unidos);
  5. A falta de profissionais de saúde gera a necessidade de uma aceleração massiva do ensino de enfermagem;
  6. A dependência do comércio exterior pelos países de baixa renda;
  7. Más condições de higiene e falta d’água em diversos países ao redor do mundo;
  8. A vulnerabilidade de pessoas que empreendem por necessidade gera uma demanda por soluções eficazes em termos de educação e estrutura de trabalho;
  9. A paralisação das aulas para alunos que vivem em regiões onde não há conexão de internet;
  10. O endividamento das famílias aumentou consideravelmente mostrando também a necessidade de uma educação financeira mais abrangente;
  11. Falta informação da população sobre a pandemia, sobre benefícios e ações estabelecidas pelas autoridades de cada país;
  12. O convívio diário entre pessoas da mesma família evidencia a falta de informação da população sobre Direito de Família;
  13. Empreendedores autônomos perdem receitas e demandam por tecnologia para manter seus trabalhos ativos;
  14. Os cemitérios de todo o mundo apresentam problemas ambientais graves;
  15. Percebe-se uma atuação e criação de redes de solidariedade sociais feitas pela população em geral;

Agora, imagina você, se conseguíssemos suprir essas dores através de empresas com responsabilidade social e com possibilidade de escala. O mundo inteiro pede por soluções efetivas de instituições privadas para o turismo, para a saúde, para a educação, para o comércio, etc.

A COVID-19 só ressaltou a urgente necessidade de enriquecer a força de empresas globais que demonstrem empatia com todos os afetados e que fortaleçam a capacidade de coletar, analisar e agir sobre os problemas de cada mercado.

Além disso, essa pandemia mostrou que somos todos um só e que, mesmo com as fronteiras fechadas, abrem-se muitas possibilidades de empreendedorismo voltado para todo o mundo.

Mel Oliveira

Mel Oliveira

Colunista Convidada

Publicitária, Master em Negócios Internacionais pela Universitat Politècnica de Catalunya, Barcelona. Habilitada em E-Marketing pela Middlesex University, E-Branding pelo Chartered Institute of Marketing – Inglaterra – e Especialista em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas.

Atualmente é Empresária, Professora de Pós-Graduação, Sócia-Fundadora da Agência Converse, Business Agency focada em negócios digitais, Sócia-Fundadora da MChannel.Ad, empresa focada em tecnologia para o mercado de publicidade e Diretora Local do Founder Institute, uma das maiores aceleradoras de startups do mundo com sede no Vale do Silício.

Mais artigos

Linha de chegada invisível

Muita coisa neste ano ocorreu de forma prematura e/ou compulsória, não é verdade? Aderir ao homeoffice; conviver com o companheiro ou companheira dentro de casa 24h; inserir as crianças ao homeschooling; abrir mão dos funcionários domésticos; aumentar as compras...

ler mais

O que você quer ser quando crescer?

“Nunca se deve perguntar a uma criança o que ela vai ser quando crescer. Quando se faz isso, anula-se quem ela é”. Estas sábias palavras são do terapeuta indígena Ubiraci Pataxó. Quando as escutei, literalmente parei para pensar... Bem que eu evito, mas é impossível...

ler mais

40 anos em 4 meses: o que o período da pandemia me revelou

Este mês, completo quatro anos como empreendedor nas áreas de comunicação e marketing e também meus 40 anos de vida.   O número quatro veio com tudo, não apenas para mim, mas também na numerologia - é ele quem rege o ano de 2020. E o que dizem os astrólogos sobre...

ler mais

Uma releitura sobre a importância do branding, pós pandemia

Neste exato momento, protagonizamos um dos maiores acontecimentos globais, vivendo um mundo totalmente inesperado e cheio de incertezas. Situações caóticas em vários níveis de segmentação, que nos deixaram desprevenidos para uma etapa anterior: a preparação para este...

ler mais

junte-se ao mercado