2018 e o desafio da saúde

jan/2018

Começamos o novo ano com um cenário de incertezas para a área da saúde. Por ser um ano de eleições e, sobretudo, em um período de instabilidade política, é difícil fazer previsões. Mesmo após o ano de 2017 ter sido mais positivo em relação ao ano anterior, com tímida recuperação, 2018 apresenta-se desafiador devido ao atual quadro político-econômico. A dúvida sobre a condução da economia, após as eleições, pode prejudicar – ou melhorar (assim espero!) – o cenário da saúde suplementar e pública.

Atualmente acompanhamos, apreensivos, um mercado de saúde que demora em reagir. Presenciamos o modelo de saúde privada em colapso, com os convênios ameaçados e buscando novas formas de manter-se ativos. Se nada for feito, a previsão é que em três anos os planos não se sustentem com o modelo atual. Com este cenário, muitos convênios estão realizando reestruturações significativas e apertando o cerco ao uso indiscriminado de seus serviços, além de renegociações com prestadores de serviços, visando, ainda mais, redução de preços.

Na saúde pública, presenciamos muita dificuldade no financiamento e, ainda, remuneração defasada, prejudicando a oferta de serviços à população. Junte-se a isso, a procura cada vez maior pelos serviços públicos de saúde, seja pelos consumidores que perderam o plano de saúde privado (junto com o emprego fixo) ou por aqueles que não podem continuar pagando por um. O resultado é uma demanda cada vez maior, desproporcional ao financiamento do setor.

O desafio este ano, portanto, é sobreviver com criatividade e, sobretudo, com transparência. E para isso, acredito que o ponto fundamental seja a comunicação. Afinal, a busca pela transparência, esclarecendo e conscientizando os consumidores, oferece a possibilidade de diálogo positivo e de cuidado com a imagem. Hoje, mais do que nunca, é fundamental se comunicar e ouvir cada vez mais o consumidor, dando-o voz ativa, ouvindo as sugestões e propostas, aperfeiçoando sempre o atendimento.

Uma comunicação ativa também é fundamental no reposicionamento para o mercado. Informar quais problemas e situações estão sendo enfrentados e debatê-los não faz o negócio regredir, apenas demostra o motivo pelo qual algumas ações precisam ser tomadas e traz pra perto os clientes, os parceiros e até os concorrentes – que possivelmente estão passando pelo mesmo.

 

 

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Janeiro é o momento de consultar as pitonisas

A mídia é quem alimenta essas bobagens, desde tempos remotos quando um repórter se dava ao trabalho de ouvir Madame Beatriz e outras cartomantes e elas, sabendo isso, desde novembro do ano anterior já preparavam suas previsões que quase nunca se confirmavam, a não ser...

ler mais

Em 2018, vamos ser uma metamorfose ambulante!

Dezembro declara aberta a temporada de confraternizações de fim de ano, festas com amigos, parceiros da firma, grupos de Whatsapp se repetem com os rituais de amigo secreto, seguidas das celebrações de Natal em família e, uma semana depois, o ritual do Ano Novo que...

ler mais

As presepadas de dezembro

Comemoramos em 04 de dezembro o Dia Mundial da Propaganda, mas, também reverenciamos Santa Bárbara, no sincretismo do povo de santo, Iansã, o orixá hoje mais popular que a santa de Nicodemia e os calendários de datas supostamente importantes nos informam que é também...

ler mais

Mutações da “baianidade”

“A novidade veio dar à praia na qualidade rara de sereia, metade o busto de uma deusa maia, metade um grande rabo de baleia...a novidade era o máximo do paradoxo estendido na areia, alguns a desejar seus beijos de deusa, outros a desejar seu rabo prá ceia”. E se a...

ler mais

Feliz Natal!!!!!

Essa é a voz que ouvimos do comércio, em especial dos shoppings centers onde já vemos, desde meados de outubro os primeiros enfeites natalinos, pelos corredores e nas áreas de alimentação, preparando o humor dos baianos para a retirada dos panos, da praça central, que...

ler mais

junte-se ao mercado