2020: A Década da Reputação

mar/2020

Podemos dizer que 2018 foi o ano da Queda de Reputação, 2019 o ano das Manifestações e Protestos e 2020, a Década da Reputação. Isso porque de 2018 pra cá, assistimos os escândalos de grandes empresas. A começar pelo Facebook, expondo os riscos da violação de dados pessoais, passando pela empresa Uber, com denúncias contra o ex-presidente Travis Kalanick de assédio sexual, roubo de informação, fraudes e no Brasil, as empresas envolvidas na operação Lava Jato e desastre ambientais.

Em 2019, o ano tomado por manifestações políticas pelo mundo, presenciamos protestos contra e pró o presidente Evo Morales, na Bolívia, marchas contra o aumento nas tarifas de transporte público no Chile, manifestações para exigir a renúncia do ditador Abdel Fatah al-Sisi, no Egito e também outros protestos no Equador, Espanha, Haiti, Hong Kong e Brasil.

Em meio à crises e escândalos, mudanças econômicas e políticas, transformações geracionais e comportamentais, o nível de confiança em instituições é instável, sobretudo em governos. Não à toa, segundo os dados do “Trust Barometer 2020”, pesquisa global da agência de relações públicas Edelman sobre confiança em instituições, 92% das 34 mil pessoas entrevistadas, esperam que as empresas onde trabalham criem ações que beneficiem a sociedade. Ou seja, os cidadãos estão transferindo os anseios, desejos, medos e frustrações pessoais para que as empresas possam resolver problemas sociais, não somente instituições públicas.

Diante disso, como as empresas poderão garantir a reputação nessa nova década?

A resposta não é simples e muito menos há fórmulas mágicas para prevenir ou resolver problemas de reputação. Pode parecer clichê, mas lembrando dos escândalos que nos trouxeram até aqui, quase todos estavam relacionados à ética, sobretudo no usos de dados e informações sigilosas. Então, podemos destacar que um dos critérios para formar uma boa reputação é a ética, ou seja, o limite do uso de dados, da imagem de um meme, de uma causa e assim por diante.

Um outro ponto importante é ter consistência nas ações. As marcas não precisam atirar para todos os lados, transformar todas pautas em produtos, serviços ou marketing. As pessoas estão cada vez mais críticas e conseguem perceber se é desespero para ser visto e vender ou ação para gerar transformação real e vender. Na dúvida, é melhor ficar com a segunda opção. E o que vai gerar transformação, sempre será a consistência.

O terceiro ponto é tratar os consumidores como cidadãos que são. As exigências por sustentabilidade, posicionamento e impacto social, são exigências de cidadãos que podem ser consumidores e não o contrário. Assim, as marcas passam a horizontalizar as relações e criar vínculos e pontos de confiança com a sociedade.

Há lacunas a serem preenchidas pelas empresas na sociedade contemporânea. E uma delas é executar o tripé da ética, consistência e tratar consumidores como cidadãos. Parece óbvio, mas poucas são aquelas que colocam em prática. E a ausência do óbvio, gera a crise de reputação e de confiança.

Monique Evelle

Monique Evelle

Colunista

Pós graduanda em Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica, pela UFSCar, idealizadora da Desabafo Social e sócia da Sharp , empresa de inteligência cultural que desenvolve soluções criativas para ampliar a relevância e reputação das marcas e pessoas através de pesquisa, consultoria estratégica e índices proprietários

Mais artigos

Quando isolamento rima com amadurecimento

Foi uma bela surpresa para os produtores e artistas do filme O Náufrago, de Robert Zemeckis, de 2000, estrelado por Tom Hanks, passado quase inteiramente na praia de uma ilha deserta, conseguir alcançar um estrondoso sucesso de bilheteria e crítica. O filme tinha de...

ler mais

Fazer o luto, fazer a luta

O enterro de meu irmão mais velho, vítima de Covid, me levou a viver de perto a triste faceta da lógica de regressão e desumanização que está em curso em nosso país, em tempos de pandemia.   Já no hospital, onde ele ficara isolado por duas semanas, ao identificar seu...

ler mais

Cinco fantasmas que você enfrentou na quarentena

Todos vimos alguma vez um cachorro acorrentado em um fundo de quintal e a placa de alerta: “Cuidado, cão feroz”. O animal se esgoela de tanto latir, ganir, dá saltos em vão e só cessa de avançar quando a corrente garroteia seu pescoço e o sufoca. Para, descansa, ofega...

ler mais

Potência e inspiração: a Pessach judaica e a Páscoa cristã

Assisti à minissérie alemã “Nada ortodoxa”, da Netflix. Conta a história de Ester Shapiro, uma jovem judia que se rebela e foge de sua comunidade ultra ortodoxa e tradicionalista, em Nova Iorque, para traçar seu próprio destino em Berlim. A minissérie traz a riqueza...

ler mais

Coronavirus e medos líquidos

Corona vírus, ameaças à democracia, milícias, fanatismo, terrorismo, crise climática, culto à ignorância, etc., são fenômenos do tempo presente que tem produzido medo, ansiedade e disseminado muita inquietação. Lembrei de um livro do famoso sociólogo Z. Bauman - Medo...

ler mais

junte-se ao mercado