2020: A Década da Reputação

mar/2020

Podemos dizer que 2018 foi o ano da Queda de Reputação, 2019 o ano das Manifestações e Protestos e 2020, a Década da Reputação. Isso porque de 2018 pra cá, assistimos os escândalos de grandes empresas. A começar pelo Facebook, expondo os riscos da violação de dados pessoais, passando pela empresa Uber, com denúncias contra o ex-presidente Travis Kalanick de assédio sexual, roubo de informação, fraudes e no Brasil, as empresas envolvidas na operação Lava Jato e desastre ambientais.

Em 2019, o ano tomado por manifestações políticas pelo mundo, presenciamos protestos contra e pró o presidente Evo Morales, na Bolívia, marchas contra o aumento nas tarifas de transporte público no Chile, manifestações para exigir a renúncia do ditador Abdel Fatah al-Sisi, no Egito e também outros protestos no Equador, Espanha, Haiti, Hong Kong e Brasil.

Em meio à crises e escândalos, mudanças econômicas e políticas, transformações geracionais e comportamentais, o nível de confiança em instituições é instável, sobretudo em governos. Não à toa, segundo os dados do “Trust Barometer 2020”, pesquisa global da agência de relações públicas Edelman sobre confiança em instituições, 92% das 34 mil pessoas entrevistadas, esperam que as empresas onde trabalham criem ações que beneficiem a sociedade. Ou seja, os cidadãos estão transferindo os anseios, desejos, medos e frustrações pessoais para que as empresas possam resolver problemas sociais, não somente instituições públicas.

Diante disso, como as empresas poderão garantir a reputação nessa nova década?

A resposta não é simples e muito menos há fórmulas mágicas para prevenir ou resolver problemas de reputação. Pode parecer clichê, mas lembrando dos escândalos que nos trouxeram até aqui, quase todos estavam relacionados à ética, sobretudo no usos de dados e informações sigilosas. Então, podemos destacar que um dos critérios para formar uma boa reputação é a ética, ou seja, o limite do uso de dados, da imagem de um meme, de uma causa e assim por diante.

Um outro ponto importante é ter consistência nas ações. As marcas não precisam atirar para todos os lados, transformar todas pautas em produtos, serviços ou marketing. As pessoas estão cada vez mais críticas e conseguem perceber se é desespero para ser visto e vender ou ação para gerar transformação real e vender. Na dúvida, é melhor ficar com a segunda opção. E o que vai gerar transformação, sempre será a consistência.

O terceiro ponto é tratar os consumidores como cidadãos que são. As exigências por sustentabilidade, posicionamento e impacto social, são exigências de cidadãos que podem ser consumidores e não o contrário. Assim, as marcas passam a horizontalizar as relações e criar vínculos e pontos de confiança com a sociedade.

Há lacunas a serem preenchidas pelas empresas na sociedade contemporânea. E uma delas é executar o tripé da ética, consistência e tratar consumidores como cidadãos. Parece óbvio, mas poucas são aquelas que colocam em prática. E a ausência do óbvio, gera a crise de reputação e de confiança.

Monique Evelle

Monique Evelle

Colunista

Pós graduanda em Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica, pela UFSCar, idealizadora da Desabafo Social e sócia da Sharp , empresa de inteligência cultural que desenvolve soluções criativas para ampliar a relevância e reputação das marcas e pessoas através de pesquisa, consultoria estratégica e índices proprietários

Mais artigos

Vacina pouca, meu braço primeiro

Quando a gente tem que filmar a vacinação de idosos para que eles não sejam enganados pela malandragem de um agente de saúde cuja intenção secreta é ficar com a dose do imunizante, aí nos damos conta de que a ética que vigora na Grande Família do Brasil é a de...

ler mais

Janeiro: utopias, distopias e recomeços

Não me importo quando me chamam de utópico e sonhador. Encaro o senso de utopia de um jeito positivo, como uma competência criativa, uma capacidade de imaginar a vida para além das contingências. É uma ginástica da imaginação que nos estimula e dá propulsão. Como...

ler mais

Os afetos secretos do Natal

Qual dos Natais que está ganhando mais espaço na preferência das pessoas? O Natal-cultural, com ceia em família, a árvore e pisca-pisca na sala, os amigos-secretos, festas de firma, partilha de presentes? Ou será o Natal-fim-do-ano-fiscal, com fechamento do balancete...

ler mais

A dança dos vampiros no mundo do trabalho

Ouvi este surpreendente relato quando dava treinamento para trabalhadores de uma indústria calçadista gaúcha, creio que em 2008. Era fim de expediente e estávamos a psicóloga Irene, dois gerentes de Gestão de Pessoas e eu numa conversa informal, quando Felipão, um dos...

ler mais

O que querem os negacionistas?

Roque de Itaparica foi o primeiro negacionista com que me deparei em minha vida. Nativo da ilha de Itaparica, era um simpático aguadeiro que ganhava a vida descendo e subindo as ruas calçadas de paralelepípedos da pequena cidade praieira, ainda isenta de carros. Ia de...

ler mais

Home office: hóspede da casa, intruso no lar

A crise precipitada pelo novo coronavírus forçou as empresas a redesenhar suas operações e reinventar a forma como suas equipes trabalham. Por conta das novas regras de distanciamento e isolamento social, muitas organizações tiveram de admitir o home office e o...

ler mais

junte-se ao mercado