>

A bunda de Papai Noel

dez/2018

Passei a semana olhando a bunda de Papai Noel. Todo mundo olha a barba e a barriga, repara no gorro e na cadeira onde está sentado, olha de soslaio para a decoração em volta, mas ninguém repara na bunda. Para corrigir esse imperdoável desleixo é que fui de shopping em shopping aguardando o velho levantar para ver seus glúteos e confirmar a minha teoria que se Papai Noel é bundão no imaginário que herdamos da indústria cultural americana, no Brasil e em especial na Bahia, Papai Noel é um desbundado. Não tem bunda. Simula a barriga com almofadas e tenta encher a bunda com outros subterfúgios, mas nada tão ostensivo quanto a bunda indecente do Papai Noel da Coca Cola.

Você leitor sabe como o Papai Noel de nosso imaginário se tornou um bundão? Escrevi certa feita, já faz um bom tempo, ao respeito. Reproduzo aqui alguns trechos: “É bochechudo, pançudo e bundão, e não temos culpa disso. Recebemos ele pronto: design americano, que começou como uma representação do bispo Nicolau, com traços de caricatura, no século XIX, popularizado em revistas, para mais tarde ganhar feições mais suaves e definidas e, nesse contexto, um biótipo redondo”.

“Um perfil estético que jamais seria brasileiro. Se a representação do Papai Noel fosse arte nossa – imaginem vocês o bom velhinho no lápis de Agostini, Julião Machado, K-Listo, J. Carlos, ou mesmo Ziraldo__ certamente que teria menos bochechas e, com certeza, menos barriga e menos glúteos… Foi Thomas Nast, americano de sangue batavo, quem vulgarizou a figura através de suas caricaturas no Harper’s Weekley, a partir de 1.862. O traço de Nast mostra um personagem sisudo, meio gnomo, quase um duende”.

“A indústria do cigarro foi o primeiro segmento publicitário a divulgar no Brasil a figura de Papai Noel, que aparecia sempre fumando. Tinha sentido a ilação já que Nast, na sua representação do Bispo Nicolau, preservara-lhe o cachimbo original, conforme descrito por Washington Irving em 1808 e mais tarde, em 1822, por Clement Clark Morre no seu poema: The Nigth Before Christmas… Mas o Papai Noel que a Souza Cruz nos apresentou na capa de seu house-organ, edição de dezembro de 1916, era tipicamente americano, de traços suaves, muito semelhante ao desenhado por Haddon Sudblon, a pedido da Coca-Cola em 1931”.

“Justiça seja feita a Sudblon, não foi ele o primeiro a engordar e arredondar o Papai Noel. O ilustrador J. C. Leyendecker já exagerava nas proporções. Desde a década de 20 apresentava Santa Claus de fato obeso, barriga proeminente e bunda farta para equilibrar do outro lado. Norman Rockwell manteve o protótipo até inícios da década de 30 quando Sudblon desenvolveu o modelo que a Coca-Cola, com a sua cobertura e frequência de mídia, popularizaria mundo afora. O resto a indústria cultural americana encarregou-se de distribuir e difundir em todo o planeta. Tornando para sempre, e enquanto o mundo existir, Papai Noel bochechudo, pançudo e bundão”.

O Papai Noel sem bunda__ na publicidade, ou na ação promocional do shopping__ o baiano até que perdoa, mas não perdoa o Papai Noel com pouca barba ou menos obeso do que deve ser e não perdoa o Papai Noel sem o ridículo Ho Ho Ho, quanto mais ridículo melhor. Para falar verdade começo a duvidar de minhas convicções. Não tenho certeza se o Papai Noel é bundão, ou, bundão sou eu, somos nós.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Gestão, a prioridade da saúde em 2019

O fim do ano é um período em que pessoas e organizações se planejam e traçam os projetos para o novo ciclo que se inicia. Na área da saúde não é diferente, sobretudo em um ano com tantas mudanças. O que acontece na esfera política, por exemplo, tem influência direta...

ler mais

Quociente espiritual: o terceiro quociente humano

Em estudos mercadológicos e diagnósticos organizacionais que realizei nos últimos anos, venho observando “algo especial” permeando o discurso de lideranças de grandes empresas. Até início do século XX, o QI (quociente de inteligência) era a referência para mensuração...

ler mais

O que você quer ser quando envelhecer?

As conquistas da ciência e da tecnologia alteraram os ciclos da vida humana. As estatísticas comprovam exaustivamente como, ao longo do século 20, décadas de vida foram agregadas a nossa existência. A finitude foi deslocada para a frente: estamos em plena revolução da...

ler mais

Antecipação precoce

Vivemos antecipadamente o que deveria ter outro tempo. Tornou-se uma prática tão comum que mal nos damos conta disso. Antecipamos o natal com os shoppings center exibindo as suas decorações de época desde a última semana de outubro; antecipamos o Black-Friday na...

ler mais

Como criar uma seita em oito passos

Há quase trinta anos que trabalho com grupos em organizações pelo Brasil. Uso os óculos teóricos da psicologia do trabalho e da antropologia para compreender e decifrar os problemas de relacionamento internos das tribos empresariais. Tenho observado uma atmosfera...

ler mais

Eleições quase limpas

O atual processo eleitoral pode não ser tão limpo assim, mas, convenhamos as ruas das cidades estão mais limpas do que em pleitos anteriores, nos livramos tudo indica que para sempre, das placas e armengues de propaganda eleitoral que tomavam conta das principais ruas...

ler mais

junte-se ao mercado