A modernização de empresas tradicionais é possível?

set/2019

Já inicio o texto com a resposta a esta inquietante provocação: Não só é possível, como é necessária. No segundo mandato à frente da Santa Casa da Bahia, com 470 anos de história, posso lhes dizer que modernizar processos,  imagem, tecnologias e pensamentos, são fundamentais para toda organização que está no mercado e pretende ter um futuro longínquo. Afinal, seja qual for a área de atuação, mas sobretudo no campo da saúde, a concorrência e os avanços não esperam.

 

As empresas mais tradicionais têm o desafio de se atualizar e essa não costuma ser uma tarefa fácil, nem simples. É um processo que requer investimento e leva tempo. As instituições seculares, por exemplo, normalmente são formadas por profissionais experientes, mas nem sempre atualizados. A atração de jovens profissionais, participando e contribuindo com novas ideias, tende a contribuir para acelerar mudanças. Ter à frente gestores atualizados, independente da idade, é fundamental para conduzir este processo entre diferentes gerações. Uma gestão que entenda a importância da modernização, mas que também saiba lidar com os desafios que fatalmente serão encontradas no caminho, é fundamental.

 

E não me refiro, necessariamente, a mudanças bruscas de posicionamento. É possível modernizar-se sem perder a tradição, a fim de sobreviver de forma competitiva no mercado. A chegada das startups, a velocidade das mudanças, a entrada de capital estrangeiro, a explosão de aplicativos e recursos tecnológicos em geral… Este cenário exige criatividade e a implementação de inovações, complementando e atualizando o modelo de negócio tradicional.

 

Muitos são os exemplos de empresas tradicionais que não se adaptaram e se tornaram obsoletas, mas as que entenderam a importância de atender às novas demandas dos consumidores e do mercado, se consolidaram mais fortes do que nunca. O setor hoteleiro, de transporte e os bancos, por exemplo, tiveram que se adaptar às novas demandas dos consumidores, modernizando-se. No setor da saúde e na área social não é diferente.

 

É preciso estar atento às demandas e necessidades do consumidor, agir local e pensar global. Esta deve ser a nova mentalidade da cultura corporativa. Estar atualizado, estabelecer parcerias, buscar certificações de credibilidade, envolver e estimular colaboradores são partes fundamentais deste processo.

 

E como falar em inovação sem digitalização? A transformação digital é uma realidade necessária para todas instituições. Para se manter competitivo, é necessário unir tecnologia e competência humana, oferecendo modernidade, como é o caso da cirurgia robótica, da certificação HIMSS (Hospital sem Papel), da própria acreditação internacional – com protocolos atualizados e exigentes, mas que focam no principal: a segurança do paciente.

 

Desta forma, é oferecida uma melhor experiência de consumo, melhora-se a eficiência em processos, percebe-se resultados mais efetivos e aumenta-se a participação no mercado, garantindo uma modernização consciente, planejada e bem sustentada.

 

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).  
Mais artigos

O rosto autoritário do poder no Brasil

Outro dia, conversando sobre cultura e poder num workshop de lideranças com jovens executivos, comentei sobre as Capitanias Hereditárias e seus capitães donatários, um cargo administrativo do feudalismo tardio português atribuído a membros da nobreza que, por meio de...

ler mais

Precisa-se de Humanos 2.0

Na Inglaterra do século XIX, as pessoas testemunharam a explosão do Ludismo, um movimento de tecelões que viam as máquinas, recém-criadas pela Revolução Industrial, como uma ameaça aos seus empregos. Desde então, o medo tem sido um sentimento presente nas relações que...

ler mais

O militante substituiu o eleitor

Dá pra dizer que, em tempos de normalidade, a relação da sociedade com os governos sempre foi meio “ele lá, eu aqui”. Isto é, o vínculo do voto, de um modo geral, esteve limitado à delegação do poder a alguém capaz de gerar alguma expectativa (tradicionalmente,...

ler mais

UM RESUMO DO ADTECH & DATA 2019

No último dia 27, aconteceu em São Paulo a edição de 2019 do AdTech & Data, o maior evento nacional sobre a área, e que é promovido pelo IAB Brasil. Na edição deste ano, chamou a atenção a participação de palestrantes internacionais, o que demonstra o...

ler mais

Brasil: como sair do labirinto?

Por raivas antigas, Minos, rei de Creta, resolveu castigar Atenas e seu povo com uma pena absurda e perversa: o envio por todos os anos de sete moças e sete rapazes para aplacar a fome do Minotauro, uma criatura com cabeça de touro e corpo humano, que residia num...

ler mais

Eu odeio a Propaganda

O mundo mudou e está mudando. Todos os dias. E é obvio que a publicidade também muda, dentre outras ferramentas do marketing, está cada vez mais presente na vida das pessoas. Infelizmente. Eu disse e vale ressaltar: INFELIZMENTE. Não sei onde nós vamos chegar. Percebo...

ler mais

junte-se ao mercado