A morte do Teaser

ago/2017

O “teaser” nasceu no século XIX, teve seu auge no século seguinte e morreu de falência múltipla dos órgãos em inicios deste século e hoje permanece insepulto, aguarda talvez um cortejo fúnebre à altura da importância que teve, imagino todo o mercado ostentando estandartes com símbolos medievais, em fila solene e bem-comportada; os jinglistas entoando cânticos gregorianos, enquanto o esquife desce em nobre sepultura, merece um mausoléu das antigas com distintivos em mármore.

O teaser nasceu com o sutil nome de propaganda de expectativa por que era justamente essa a reação do leitor de jornais, única mídia existente na época, ao aferir uma mensagem provocativa, instigante, que na sequência revelaria o verdadeiro objetivo da comunicação, com isso atendendo a curiosidade das pessoas. Aquilo funcionava. Alguns engraçadinhos, criativosos da época, publicavam um espaço em branco com um sutil “aguarde”, ou frase semelhante, para após uma ou duas semanas revelar a inauguração de um estabelecimento de varejo.

No século XX o “teaser” fez a festa. Deu certo na mídia impressa e na mídia exterior, funcionou menos no rádio e na televisão. Na Bahia a partir da década de 1980 o “teaser” passou a ser quase que exclusividade do outdoor e já agonizante no final do século virou uma febre, as faculdades de comunicação esqueceram de avisar aos alunos que aquilo não funcionava mais, com raras exceções, muito raras.

Pois não que o “teaser” morreu e não avisaram a alguns criativos que continuam a jogar fora o dinheiro do cliente que paga duas impressões de outdoor e tem reduzida a exposição de sua publicidade de 15 para 10 dias, os cinco primeiros são do dito “teaser”. As agências não se deram conta que o “teaser” é incompatível com a mídia de massa e em especial com a multimídia. Quanto mais plataformas de mídia existirem, menos chance do “teaser” dar certo. O problema é o link, o cidadão adivinhar que aquilo combina com aquilo e é a sequência de aquilo, na selva midiática de seu cotidiano.

Funciona na frente do computador e funcionária no outdoor com uma estratégia que contemple um grande investimento. Dez placas ou quinze, como de hábito, não resolvem. O “teaser” morreu porque o foco de atenção do consumidor de mídia é muito amplo e por isso não atinge o objetivo a que se propõe.

Me convidem para o enterro. Deixem o Angelus por minha conta, prometo cantar a todo pulmão.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Outubro Rosa. A bola da vez

Uma das características do mercado publicitário é a sua sintonia com as demandas comerciais ou sociais, o que gera modismos de época, nem todos se sustentam por muito tempo. A bola da vez nos últimos anos tem sido o Outubro Rosa que gera mídia de oportunidade em todos...

ler mais

Existe vida depois da Internet?

Espanta aos observadores do comportamento humano a velocidade da disseminação dos aparatos tecnológicos e sua crescente compatibilidade com os usuários. A conectividade mais acessível tornou o ambiente virtual o espaço mais importante para o fluxo dos processos. A...

ler mais

O esporte baiano sem apoio

Todo mundo sabe que os quenianos são os melhores do mundo, ou pelo menos essa é a percepção, na pratica das corridas de fundo: maratona, meia maratona, 10 mil metros. Uma expertise que eles desenvolveram nos últimos vinte anos, antes disso o protagonismo era de outros...

ler mais

Responsabilidade Social: Quem lucra com isso?

O conceito surgiu nas últimas décadas e adquiriu tamanha força e importância, que não deixou espaço para meias palavras ou controvérsias: atualmente, a Responsabilidade Social é parte fundamental das corporações. Somente no ano passado, segundo a pesquisa Benchmarking...

ler mais

Alto astral e bom humor, apesar dos pesares

A cabeça da gente contém um caldeirão de conexões, são muitas informações conflitantes e efervescentes onde se processa o humor. Sua manifestação externa se dará sobre a forma de anedotas, piadas, risadas, manobras mentais   inteligentes cuja função é devolver leveza...

ler mais

VIVA O SABER

Livros, debates, recitais, saraus e do nada, ou com tudo, o desabitado Pelourinho tem suas ruas invadidas por pessoas alegres, com riso estampado na face. Ali estava sendo oferecido algo, que não está presente no cotidiano, as escolas envelheceram. Na Flipelô tudo era...

ler mais

junte-se ao mercado