A simplicidade e a sabedoria do óbvio

Maio/2022

“Não acredito que estejamos em crise. Não precisamos do externo para nos fortalecer, tudo está dentro de nós. Todos somos encantados. Estamos deixando o encantamento de lado, a degradação vem daí”.

O pensamento acima, ou provocação, é de Pai Francisco de Oxum, mestre espiritual que participou de evento promovido pela Youpper Insights, em 2019, quando a agência completou três anos de atuação.

No dia 21 de maio deste ano, ele, que foi um dos maiores entusiastas e defensores das tradições africanas no Brasil, partiu para outro plano.

Muito mais do que um babalorixá, João Francisco de Lima Filho era um sábio. Alguém que aprendeu com os altos e baixos da vida, com as conquistas e as perdas, que a generosidade e a humildade são dois dos melhores predicados que alguém pode ter nesse mundo.

Nas inúmeras conversas que tive com ele durante o nosso período de convivência, um assunto recorrente era o poder da espiritualidade em nossas vidas, seja no âmbito pessoal ou profissional. E quando falávamos de espiritualidade, não era sobre religiões – algo que as pessoas ainda hoje confundem muito.

Espiritualidade tem a ver com o nosso equilíbrio físico, mental e emocional e, principalmente, como alcançamos esse equilíbrio e nos mantemos constantes mesmo em situações que nos desafiam.

Aliás, o que mais tivemos nesses anos de pandemia foram situações que nos desafiaram de todas as formas. E Pai Francisco de Oxum sempre tinha uma palavra reconfortante para dizer, não algo filosófico – pois, muitas vezes, trazemos dentro de nós que algo transformador precisa ser mirabolante, altamente criativo e nunca visto ou dito por ninguém. Para quem crê nisso como uma verdade absoluta, sinto dizer que, vez ou outra, precisamos ouvir o óbvio para que algo faça sentido. Quantas e quantas coisas não são do nosso conhecimento, mas quando escutamos o mesmo saindo da boca de outra pessoa parece que uma chave vira na mente e, como num passe de mágica, algo passa a fazer todo o sentido?

Pai Francisco tinha de tudo um pouco: reflexões profundas, criativas e inéditas, mas também a simplicidade, a humildade e a sabedoria do óbvio.

Quantos dilemas do nosso cotidiano poderiam ser simplificados se parássemos para refletir sobre essa frase: “não precisamos do externo para nos fortalecer, tudo está dentro de nós”. Isso parece óbvio, não? Mas porque é tão difícil fazer valer em nossas vidas?

Talvez porque olhar para dentro de si seja uma viagem que não estamos preparados. Para entender que tudo está dentro de nós, é preciso, em primeiro lugar, descobrir quem somos. E certamente esse processo não será decorado apenas com flores, pôneis e algodão doce.

Para sermos pessoas melhores para o mundo, é preciso passar por um processo de compreensão de quem se é, do se pode oferecer, de qual o nosso verdadeiro papel nesse mundo e, principalmente, qual a nossa responsabilidade com a gente mesmo. Outro pensamento óbvio e que escutamos pelos quatro cantos, mas me diga se não é real: “para auxiliar o próximo preciso estar bem comigo mesmo”.

Mas o que seria esse estar bem? Quais valores, bens, pessoas, ideias, ações você considera essenciais em sua vida cotidiana?

Era em torno disso e de outros pensamentos que giravam as “provocações” de Pai Francisco. Sentirei falta. Mas, com ele, aprendi a fazer minhas próprias provocações e entender que o óbvio pode me levar além.

_______________
O conteúdo e opinião publicados neste artigo são de inteira responsabilidade do autor ou autora.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

A escol(h)a da vida

Rubem Alves, expressivo escritor do nosso tempo, certa vez escreveu que “há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas”. É interessante como tal perspectiva nos releva que, na nossa vida, o mesmo ‘espaço’ pode conduzir por caminhos e olhares tão diferentes....

ler mais

O que importa é a produção!

Na contemporaneidade da escassez de horas, de profissionais ultra-tarefas, de benefícios encurtados e um surto coletivo de doenças ocupacionais-psicológicas, vivemos um paradigma nesse mundo “tech”, onde a inovação e as ondas “alpha, beta, meta” ditam os novos...

ler mais

Vinte e nove horas de silêncio: em vez de medo, orgulho…

A leitura dos “silêncios” e o que eles revelam: por que precisamos quebrar o silêncio?   “O óbvio precisa ser dito”. Este é o tom de mais um mês em que, ainda, precisamos reafirmar a dignidade das pessoas dissidentes da cis heteronormatividade estruturalmente...

ler mais

Para quê Diversidade?

O que as respostas revelam.   Uma das máximas do mundo da Publicidade, Propaganda e Marketing irá nortear este texto: "quais dores o seu negócio tira do mundo?". Isto porque, obviamente, podem existir – e existem – inúmeras possibilidades de respostas adequadas...

ler mais

A hora e a vez da favela

O fato de ser um filho da periferia de São Paulo despertou em mim desde cedo alguns questionamentos sobre o bairro em que morava, principalmente sobre a falta de acesso a itens essenciais para o desenvolvimento humano como saúde, boas condições de moradia, transporte...

ler mais

Máscaras de uma vida fragmentada

Antes de toda essa loucura de pandemia começar, quando eu ouvia alguém falar a palavra máscara a primeira coisa que vinha à minha mente era aquela música do Chico Buarque de Hollanda, “Noite dos Mascarados”, que diz mais ou menos assim: “Quem é você? Adivinha, se...

ler mais

junte-se ao mercado