>

A TV é um meio em expansão

maio/2018

Em meio às tempestades que vêm se abatendo sobre as principais plataformas da mídia digital, a televisão destaca-se como um porto seguro e um meio em expansão

Paradoxalmente, no período em que as previsões eram de que o digital passaria a ser o meio globalmente mais consumido pelos anunciantes, superando a TV, o digital vem passando por um verdadeiro inferno astral.

Esse crescimento vertiginoso do digital pelo mundo aconteceu por toda a parte, com exceção do Brasil, onde a TV continuou dominando de longe, com cerca de 72% do total dos investimentos em publicidade, contra perto de 10% do digital.

Havia previsões de fontes bem reputadas, como a Zenith Optimidia, de que os 35,6% de share global da TV e os 34% do digital, calculados para 2016, seriam 32,6% para a TV e 41,8% para o digital em 2019, sendo que na virada do ano passado para este se daria o turning point.

Mas a sucessão de problemas com o digital, como o elevado volume de fraudes na publicidade pretensamente veiculada, a explosão de perfis falsos nas mídias sociais, a veiculação de publicidade em ambientes desabonadores, a baixa eficácia da mídia programática e o abuso da confiança em relação aos consumidores, como explícita no recente escândalo envolvendo o Facebook, levaram à saída de muitos recursos publicitários desse meio, à reavaliação de muitos outros e à sensação de que o que parecia ser um meio com características de ser um elixir milagroso para qualquer situação na verdade não passava de um meio como os demais, com suas virtudes e defeitos, suas facilidades e dificuldades.

O que levou a uma relevante perda de confiança por parte tanto dos consumidores como dos anunciantes e uma inflexão para baixo na curva de crescimento do meio digital, que muito provavelmente não irá superar a TV tão cedo, mesmo considerando o expressivo crescimento do mobile.

Por outro lado, a TV vem renovando sua vitalidade em todo o mundo, com mais canais, consumo por meio de mais telas e através de mais opções de consumo – como a programação em horário diferido e on demand. O resultado tem sido mais do que a recuperação de algum espaço perdido para o digital em termos de consumo, mas sim o início de uma tendência de aumento do consumo da TV.

A ThinkBox, entidade que estuda e promove a televisão comercial no Reino Unido, constatou, através das pesquisas oficiais de mídia naquele mercado, que o número médio de visualizações de TV  no formato padrão em 2017 foi de 3H23M por pessoa, por dia. No entanto, houve um volume adicional de 7% na forma de conteúdo diferido e da visualização em outros dispositivos (tablets e celulares, principalmente), totalizando o consumo diário de TV em 3H38M.

Outra entidade do setor, a InTV – International Television Research Group, calculou que as receitas publicitárias do meio excederam os US $ 212 bilhões em 2017, aumentando essa receita em US $ 1 bilhão em relação a 2016.

Um estudo por eles patrocinado destaca que a TV é o meio mais confiável para 42% da população do Reino Unido, seguida pelos jornais com 13% e a mídia social com apenas 5%.

Uma pesquisa junto a Comunidade Européia (ainda considerando o Reino Unido), que é o maior mercado consumidor do mundo, indica que 95% dos europeus afluentes continuam a assistir TV todos os dias, sendo o tradicional aparelho de TV a opção preferida, com 54% de consumo exclusivo diário, com 41% assistindo em uma combinação de telas e menos de 5% vendo a programação de TV apenas em tabletes e mobiles.

Uma combinação de plataformas e formatos de mídia pode, no entanto, aumentar o impacto da publicidade, segundo a InTV. O uso de TV e vídeos on-line, por exemplo, proporciona um aumento de +54% nos efeitos sobre os negócios, incluindo participação de mercado, fidelidade à marca, volume de vendas e de lucro.

 

Rafael Sampaio

Rafael Sampaio

Convidado

Consultor de marketing, comunicação e planejamento estratégico.

Mais artigos

A segunda tela aumenta a eficiência da TV

Estudo revela que o consumo da chamada segunda tela (celulares e tablets) durante o tempo em que pessoas assistem TV aumenta a eficiência da publicidade neste meio Ao contrário do mito que se estabeleceu desde o crescimento do uso da chamada segunda tela (celulares e...

ler mais

Lições de marketing numa feira de livros

O que está havendo com as livrarias e o comércio de livros? Foi-se o tempo das pequenas livrarias charmosas e aconchegantes, bem diferentes das mega stores de livros dos  shoppings centers. Será que as pessoas ainda compram e leem livros? Quais as novas estratégias de...

ler mais

Cadê a Copa?

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando. Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas...

ler mais

Voluntariado e as relações humanas

Desde quando me envolvi com o mundo da filantropia, há mais de 30 anos, na fundação do GACC-BA, passei a compreender o real valor do trabalho desenvolvido por voluntários. De lá pra cá, sobretudo com o envolvimento com outras instituições, tenho a convicção do quão...

ler mais

Narcisos digitais

Nas últimas décadas a humanidade passou a conjugar o verbo conectar e compartilhar com outra semântica. Compartilhamos e nos conectamos todos os dias na internet, teia que se tornou a principal plataforma de relacionamento, de business, de comunicação, de aprendizagem...

ler mais

Uma historinha para cobrir a falta de assunto

Definitivamente estou sem assunto e isso me preocupa. Quando falta assunto é por que sobra preguiça, mas, para vocês não saírem por aí me imputando esse pecado capital, melhor eu contar uma historinha, juro que não é ficção, ou, mais de uma, por que não? Aconteceu em...

ler mais

junte-se ao mercado