>

Abaeté para os soteropolitanos

fev/2018

Quando eu cheguei em Salvador no distante ano de 1973 Abaeté ainda era a “lagoa escura, arrodeada de areia branca” como cantou Caymmi, um belo cenário nas noites de lua cheia, esta, refletida, nas águas sagradas; nas noites de verão os terreiros prestavam sua homenagem a Ogum com flores e presentes, ao som dos atabaques. Abaeté era um paraíso que acolhia hippies de vários lugares do mundo. Nas areias brancas, embaixo de uma frondosa amendoeira, podia se pernoitar sem risco algum, a não ser o da vontade de ficar ali para sempre. Conhecer e fotografar a lagoa escura era mais do que um desejo de quem visitava nossa cidade.

Em algum momento de nossa atribulada história o poder público permitiu que o espaço fosse ocupado, primeiro, pelos predadores que furtavam areia à noite e também à luz do dia, na certeza da impunidade. O poder público deixou os traficantes de drogas tomarem conta do local e mais tarde se omitiu quando os ladrões passaram a assaltar visitantes e também os permissionários dos pontos de venda que, sem garantias, fecharam as portas. O poder público esvaziou Abaeté por omissão e sacanagem e os órgãos de turismo, de lá para cá, não mexeram uma palha para reverter esse quadro.

Hoje Abaeté é um cenário inviável para visitação e recreação. E o que me espanta é o conformismo com esse estado de coisas, os braços cruzados do poder público que não se empenha em encontrar soluções e estas são muito simples e de baixo custo em relação a outras intervenções realizadas na cidade. Devolver a magia da Lagoa de Abaeté é apenas revitalizar o espaço, incluí-lo nos roteiros turísticos das operadoras, torna-lo acessível aos soteropolitanos e oferecer a garantia de um policiamento 24 horas. Nada tão complicado assim, se houver vontade de realizar.

A mídia tem um papel importante nessa proposta de viabilizar o destino. Faria a sua parte através de reportagens, campanhas publicitárias e outras ações. A mídia também cruzou os braços, se omitiu, conformou-se com a ideia de que Abaeté não faz parte da cidade, de que seria apenas um canto idílico de um poeta sonhador e nada mais do que isso. Passou da hora de reverter esse cenário.

Devolvam a lagoa de Abaeté aos soteropolitanos. Ainda arrodeada da areia branca que resta.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Lições de marketing numa feira de livros

O que está havendo com as livrarias e o comércio de livros? Foi-se o tempo das pequenas livrarias charmosas e aconchegantes, bem diferentes das mega stores de livros dos  shoppings centers. Será que as pessoas ainda compram e leem livros? Quais as novas estratégias de...

ler mais

Cadê a Copa?

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando. Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas...

ler mais

Voluntariado e as relações humanas

Desde quando me envolvi com o mundo da filantropia, há mais de 30 anos, na fundação do GACC-BA, passei a compreender o real valor do trabalho desenvolvido por voluntários. De lá pra cá, sobretudo com o envolvimento com outras instituições, tenho a convicção do quão...

ler mais

Narcisos digitais

Nas últimas décadas a humanidade passou a conjugar o verbo conectar e compartilhar com outra semântica. Compartilhamos e nos conectamos todos os dias na internet, teia que se tornou a principal plataforma de relacionamento, de business, de comunicação, de aprendizagem...

ler mais

Uma historinha para cobrir a falta de assunto

Definitivamente estou sem assunto e isso me preocupa. Quando falta assunto é por que sobra preguiça, mas, para vocês não saírem por aí me imputando esse pecado capital, melhor eu contar uma historinha, juro que não é ficção, ou, mais de uma, por que não? Aconteceu em...

ler mais

Era dos haters

O termo hater, de origem inglesa, quer dizer os que odeiam ou odiadores, remete ao mundo da internet e é usado para classificar os truculentos cyber bullying, os ataques agressivos nas mídias sociais. O hater ataca sua vítima por meio de declarações hostis e por causa...

ler mais

junte-se ao mercado