>

Abaeté para os soteropolitanos

fev/2018

Quando eu cheguei em Salvador no distante ano de 1973 Abaeté ainda era a “lagoa escura, arrodeada de areia branca” como cantou Caymmi, um belo cenário nas noites de lua cheia, esta, refletida, nas águas sagradas; nas noites de verão os terreiros prestavam sua homenagem a Ogum com flores e presentes, ao som dos atabaques. Abaeté era um paraíso que acolhia hippies de vários lugares do mundo. Nas areias brancas, embaixo de uma frondosa amendoeira, podia se pernoitar sem risco algum, a não ser o da vontade de ficar ali para sempre. Conhecer e fotografar a lagoa escura era mais do que um desejo de quem visitava nossa cidade.

Em algum momento de nossa atribulada história o poder público permitiu que o espaço fosse ocupado, primeiro, pelos predadores que furtavam areia à noite e também à luz do dia, na certeza da impunidade. O poder público deixou os traficantes de drogas tomarem conta do local e mais tarde se omitiu quando os ladrões passaram a assaltar visitantes e também os permissionários dos pontos de venda que, sem garantias, fecharam as portas. O poder público esvaziou Abaeté por omissão e sacanagem e os órgãos de turismo, de lá para cá, não mexeram uma palha para reverter esse quadro.

Hoje Abaeté é um cenário inviável para visitação e recreação. E o que me espanta é o conformismo com esse estado de coisas, os braços cruzados do poder público que não se empenha em encontrar soluções e estas são muito simples e de baixo custo em relação a outras intervenções realizadas na cidade. Devolver a magia da Lagoa de Abaeté é apenas revitalizar o espaço, incluí-lo nos roteiros turísticos das operadoras, torna-lo acessível aos soteropolitanos e oferecer a garantia de um policiamento 24 horas. Nada tão complicado assim, se houver vontade de realizar.

A mídia tem um papel importante nessa proposta de viabilizar o destino. Faria a sua parte através de reportagens, campanhas publicitárias e outras ações. A mídia também cruzou os braços, se omitiu, conformou-se com a ideia de que Abaeté não faz parte da cidade, de que seria apenas um canto idílico de um poeta sonhador e nada mais do que isso. Passou da hora de reverter esse cenário.

Devolvam a lagoa de Abaeté aos soteropolitanos. Ainda arrodeada da areia branca que resta.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

Entre a fé e o luto

2018 terminou como começou. Com o Brasil dividido. Se a divisão até final de outubro era entre os que defendiam a “mudança” e os que temiam “aquela mudança”, no início de janeiro a divisão se dá entre os esperançosos na mudança em que apostaram e os desesperançados...

ler mais

Brasil 2019: entre Cassandra e Poliana

Pobre Cassandra, ninguém lhe dá ouvidos, ninguém mais acredita em suas profecias, parece que ela só sabe criticar e torcer contra. Por mais que grite e demonstre com firmeza o que está por vir, ninguém aposta uma ficha sequer em  sua clarividência. Ainda que ela...

ler mais

Segredos inspiradores do Natal

Pouca gente escapa da pegada da ansiedade nas festas de final de ano. São muitas as ansiedades nesta época: fechar o semestre, passar direto, fazer balanço e prestar contas, planejamento do ano novo, decidir o destino do 13.o, comprar lembranças baratinhas de amigos...

ler mais

Gestão, a prioridade da saúde em 2019

O fim do ano é um período em que pessoas e organizações se planejam e traçam os projetos para o novo ciclo que se inicia. Na área da saúde não é diferente, sobretudo em um ano com tantas mudanças. O que acontece na esfera política, por exemplo, tem influência direta...

ler mais

A bunda de Papai Noel

Passei a semana olhando a bunda de Papai Noel. Todo mundo olha a barba e a barriga, repara no gorro e na cadeira onde está sentado, olha de soslaio para a decoração em volta, mas ninguém repara na bunda. Para corrigir esse imperdoável desleixo é que fui de shopping em...

ler mais

junte-se ao mercado