Antecipação precoce

nov/2018

Vivemos antecipadamente o que deveria ter outro tempo. Tornou-se uma prática tão comum que mal nos damos conta disso. Antecipamos o natal com os shoppings center exibindo as suas decorações de época desde a última semana de outubro; antecipamos o Black-Friday na tentativa de ampliar o que se imagina seja o potencial da data; antecipamos o Réveillon e quando janeiro chegar já estaremos antecipando o Carnaval que em 2019 será em março. E de antecipação em antecipação a vida vai e a vida vêm e toda pressa faz sentido, esse é justamente o problema.

O síndrome da antecipação precoce não tem possibilidade de tratamento e por isso mesmo não tem cura e é tão grave que agora mesmo, três semanas transcorridas da eleição de 2018, já tem gente pensando na de 2020 e em especial na de 2022; gente em euforia e outros sofrendo, estão ai as redes sociais que não me deixam mentir. É mais do que antecipação precoce e nem percebemos que o excesso de expectativas é a própria falta delas.

E assim logo mais estaremos inaugurando um novo ano com poucas perspectivas para a comunicação social que de social não tem mais nada a não ser o nome bonito e hipócrita, tão distante da realidade, que alguém colocou nos distantes anos 60 ou 70 do século passado, se enganado não estou.

Perspectivas sombrias de um lado para o jornalismo político que terá se adaptar à nova realidade da comunicação pelo presidente eleito totalmente direcionada para as redes sociais. E ninguém precisa jogar os búzios para saber que a imprensa e os jornalistas vão receber muitas bordoadas e caneladas de nosso presidente eleito, bem ao estilo Trump que por esses dias distribuiu mais algumas para os repórteres da CNN. Quem mandou provocar o homem, é muito topete.

As coisas podem ser piores para o mercado publicitário e os veículos de comunicação. Seguramente, e isso já foi anunciado, que as verbas de publicidade do governo federal devem diminuir, além da dos governos estaduais que iniciam mandato e precisam mostrar alguma austeridade. As agências de publicidade devem sentir os efeitos na pele e no osso e os veículos de comunicação que dependem muito dessas verbas___ radio e sites de noticias em especial____ vão sentir no fígado.

A publicidade governamental criou um círculo vicioso e pernicioso do qual é difícil sair. Eu programo seu veículo que precisa falar bem de mim governo, ou pelo menos pegar mais leve quando eu governo errar. E eu veículo, sim senhor você tem razão, apoio você o governo desde que você pague minhas contas; o lucro eu vou buscar junto à iniciativa privada.

Outros tempos? Balela. É o mesmo tempo fora do tempo. Fico por aqui e já peço desculpas pela minha previsão precoce.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Hora de “chamar a responsabilidade”

Vemos em curso a lógica da campanha transplantada para a lógica do governo. Com seus tweets e declarações, Bolsonaro mantém o país dividido, jogando para a sua torcida.  Como estratégia para salvaguardar acesa a dinâmica da polarização, tem sido bastante eficiente....

ler mais

A campanha da Previdência: o caro e o barato

Propaganda é cara. Todo mundo sabe e quando digo todo mundo me refiro a quem é da área, ou seja, quem conhece a matéria. Propaganda é cara, sempre foi e nunca deixará de ser, pois no seu objetivo final que é massificação, ou público alvo definido, viabiliza dezenas de...

ler mais

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Três aniversariantes

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia. O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

junte-se ao mercado