>

Antecipação precoce

nov/2018

Vivemos antecipadamente o que deveria ter outro tempo. Tornou-se uma prática tão comum que mal nos damos conta disso. Antecipamos o natal com os shoppings center exibindo as suas decorações de época desde a última semana de outubro; antecipamos o Black-Friday na tentativa de ampliar o que se imagina seja o potencial da data; antecipamos o Réveillon e quando janeiro chegar já estaremos antecipando o Carnaval que em 2019 será em março. E de antecipação em antecipação a vida vai e a vida vêm e toda pressa faz sentido, esse é justamente o problema.

O síndrome da antecipação precoce não tem possibilidade de tratamento e por isso mesmo não tem cura e é tão grave que agora mesmo, três semanas transcorridas da eleição de 2018, já tem gente pensando na de 2020 e em especial na de 2022; gente em euforia e outros sofrendo, estão ai as redes sociais que não me deixam mentir. É mais do que antecipação precoce e nem percebemos que o excesso de expectativas é a própria falta delas.

E assim logo mais estaremos inaugurando um novo ano com poucas perspectivas para a comunicação social que de social não tem mais nada a não ser o nome bonito e hipócrita, tão distante da realidade, que alguém colocou nos distantes anos 60 ou 70 do século passado, se enganado não estou.

Perspectivas sombrias de um lado para o jornalismo político que terá se adaptar à nova realidade da comunicação pelo presidente eleito totalmente direcionada para as redes sociais. E ninguém precisa jogar os búzios para saber que a imprensa e os jornalistas vão receber muitas bordoadas e caneladas de nosso presidente eleito, bem ao estilo Trump que por esses dias distribuiu mais algumas para os repórteres da CNN. Quem mandou provocar o homem, é muito topete.

As coisas podem ser piores para o mercado publicitário e os veículos de comunicação. Seguramente, e isso já foi anunciado, que as verbas de publicidade do governo federal devem diminuir, além da dos governos estaduais que iniciam mandato e precisam mostrar alguma austeridade. As agências de publicidade devem sentir os efeitos na pele e no osso e os veículos de comunicação que dependem muito dessas verbas___ radio e sites de noticias em especial____ vão sentir no fígado.

A publicidade governamental criou um círculo vicioso e pernicioso do qual é difícil sair. Eu programo seu veículo que precisa falar bem de mim governo, ou pelo menos pegar mais leve quando eu governo errar. E eu veículo, sim senhor você tem razão, apoio você o governo desde que você pague minhas contas; o lucro eu vou buscar junto à iniciativa privada.

Outros tempos? Balela. É o mesmo tempo fora do tempo. Fico por aqui e já peço desculpas pela minha previsão precoce.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

Entre a fé e o luto

2018 terminou como começou. Com o Brasil dividido. Se a divisão até final de outubro era entre os que defendiam a “mudança” e os que temiam “aquela mudança”, no início de janeiro a divisão se dá entre os esperançosos na mudança em que apostaram e os desesperançados...

ler mais

Brasil 2019: entre Cassandra e Poliana

Pobre Cassandra, ninguém lhe dá ouvidos, ninguém mais acredita em suas profecias, parece que ela só sabe criticar e torcer contra. Por mais que grite e demonstre com firmeza o que está por vir, ninguém aposta uma ficha sequer em  sua clarividência. Ainda que ela...

ler mais

Segredos inspiradores do Natal

Pouca gente escapa da pegada da ansiedade nas festas de final de ano. São muitas as ansiedades nesta época: fechar o semestre, passar direto, fazer balanço e prestar contas, planejamento do ano novo, decidir o destino do 13.o, comprar lembranças baratinhas de amigos...

ler mais

Gestão, a prioridade da saúde em 2019

O fim do ano é um período em que pessoas e organizações se planejam e traçam os projetos para o novo ciclo que se inicia. Na área da saúde não é diferente, sobretudo em um ano com tantas mudanças. O que acontece na esfera política, por exemplo, tem influência direta...

ler mais

A bunda de Papai Noel

Passei a semana olhando a bunda de Papai Noel. Todo mundo olha a barba e a barriga, repara no gorro e na cadeira onde está sentado, olha de soslaio para a decoração em volta, mas ninguém repara na bunda. Para corrigir esse imperdoável desleixo é que fui de shopping em...

ler mais

junte-se ao mercado