>

As presepadas de dezembro

dez/2017

Comemoramos em 04 de dezembro o Dia Mundial da Propaganda, mas, também reverenciamos Santa Bárbara, no sincretismo do povo de santo, Iansã, o orixá hoje mais popular que a santa de Nicodemia e os calendários de datas supostamente importantes nos informam que é também o dia do pedicuro e dia do orientador educacional, qualquer coisa que isso venha a ser. Penso que seja o professor, mas imagino que seja alguma coisa de mais status, para confundir, em resumo uma presepada.

Não acho ruim essa mania de elevar as profissões, o problema é que se degrada o profissional. Quando você chama a empregada domestica de secretaria do lar, você inferioriza a secretaria que tem outro lastro cultural. E quando você transforma o vendedor em consultor você degrada o consultor que não é vendedor porra nenhuma, é um especialista numa área, mesmo que seja de marketing, na qual ele possui um conjunto de conhecimentos que lhe possibilita aconselhar.

Retomando o fio da meada, celebramos o Dia Mundial da Propaganda que na minha opinião tem a mesma importância para a classe publicitária que o dia do astrônomo. Primeiro por que é uma festa argentina, criada pelos argentinos e que nos, numa dessas presepadas sem lastro, transformamos em Dia Mundial e nem sabemos o que é que se comemora mesmo. A melhor referência que temos disso é fisiológica. É o fígado que lembra cachaça ou cerveja e o estômago que lembra comida e o cérebro vaga.

Prefiro a festa de Santa Bárbara e sou mais comemorar o dia do pedicuro, a pesar do nome feio, muito feio, do profissional que cuida dos pés, por que será? Se os pés são o nosso equilíbrio e quem mora em lugares de rigoroso inverno sabe o que valem pés aquecidos e o risco de pés gelados. E um pé bem cuidado e bem massageado, pelo amor de Deus, lhe torna mais feliz que criar uma campanha brilhante, ou, admirar o anuncio dos outros, vamos convir. Viva o pedicuro! E que Santa Bárbara nos proteja de todo mal e toda presepada.

De todas as presepadas de dezembro ainda me animo com os inimigos e amigos secretos, ainda não inventamos uma forma melhor de confraternizar. Não me parece um traço cultural brasileiro, adotamos isso provavelmente dos americanos, nem vou me dar o trabalho de pesquisar. Desconfio que por trás dos amigos secretos esteja um marqueteiro, a ideia é lhe obrigar a comprar mais um presente para quem você não imaginava e ganhar um de quem você não pensava. Ganha o comércio e perde você.

De minha parte comemorei o Dia Mundial da Propaganda a rigor, louvando Santa Bárbara no Pelô e degustando o caruru do mercado. Eparrei!

 

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

Da Paternidade à Filantropia

Ao me tornar pai, já imaginava que minha vida ia passar por transformações, mas jamais da forma como aconteceram. Aos nove anos, meu filho foi diagnosticado com câncer. Travamos uma batalha que felizmente foi vencida e, a partir daí, uma nova força foi gerada. Durante...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

20 anos da ABMP

Toda entidade de classe nasce de uma necessidade, ou, de uma provocação. A ABMP nasceu das duas. A necessidade foi a de se constituir uma entidade que reunisse todos os segmentos da comunicação. Existia um precedente, a AP-Bahia (sigla de Associação de Propaganda da...

ler mais

Dois de Julho

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

junte-se ao mercado