>

As senhoras protetoras do mês de fevereiro

fev/2018

Os fãs de antigos calendários romanos e de suas estranhas métricas para a contagem dos anos, meses e dias da semana sabem que o mês de fevereiro era o último mês do ano. Seus dias eram consagrados à proteção da mãe de Marte, a deusa Fébrua, divindade do amor, da fecundidade e das febres das paixões. Fevereiro vem de Fébrua e de suas festas erotizadas, as februálias, típicas da Roma antiga, onde aconteciam as celebrações e os rituais de iniciação dos jovens no sexo, a purificação dos corpos para gerar filhos, com direito a ousadas performances. Mas tudo com muita devoção.

Para os romanos, todos os outros meses até agosto deveriam contar com alguma proteção divina. Por isso, março é consagrado à Marte, abril e maio fazem reverência às deusas Aprilis (uma face de Vênus) e Maia e o deus Juno protegia junho. Os dois meses seguintes, anteriormente  Quintília e Sextília, por serem quinto e sexto meses, foram consagrados à proteção de dois imperadores-deuses e receberam seus nomes: Julio Cesar, julho, e seu sobrinho Otávio Augusto, agosto, respectivamente.

Exceto na língua portuguesa, os dias da semana foram dedicados a outros  deuses ou astros como o Sol (sun day), a Lua (lunes), a Marte (Martes, de Martis dies), a Mercúrio (Miércoles, de Mercurii dies), Júpiter (Jueves, de Iovie), como se vê na língua castelhana, originária do latim. Em Portugal, os dias da semana foram cristianizados e de 2ª a 6ª utiliza-se a feria do latim que virou feira.

Fevereiro, portanto, deixou de ser o último mês do ano e virou o segundo com a reforma do calendário romano feita por Júlio Cesar, em 1 de janeiro do ano 45 a.C.  Do sétimo mês ao décimo não foram dados nomes de deuses, mas apenas números: o sétimo mês, setembro, o oitavo, outubro, o nono e o décimo, novembro e dezembro. Em seguida, vinha o penúltimo mês, janeiro, consagrado a Iannus, ou Jano, um deus fascinante “em cujo poder estão todos os inícios”, o “bendito protetor das mudanças e transições” com dois rostos na mesma cabeça que lhe dão o poder de enxergar atrás e na frente, memória e profecia. Fica claro porque o mês dez, de dezembro, por exemplo, se tornou o 12º hoje em dia. Tudo por conta da mudança de posição do mês de Ianus e da Dea Fébrua de últimos para os dois primeiros.

Curiosamente, no Brasil, parece que o mês de fevereiro continua sendo o último do ano. Afinal, entre nós o ano só começa mesmo depois do Carnaval! É curioso também que no mês da deusa Fébrua nossa cultura religiosa homenageia duas figuras míticas femininas, que se destacam no nosso calendário cultural de festas religiosas.

Ambas são celebradas no dia 2 de fevereiro: uma delas integra a piedade mariana católica, é o dia litúrgico da Apresentação de Maria, traduzido na religiosidade popular como Nossa Senhora da Purificação ou  Nossa Senhora da Luz ou das Candeias. Esta festa tem registro no Brasil desde o século 17 e certamente suas procissões serviram de inspiração – e álibi – para os homens e mulheres trazidos de África à força, desejosos de expressar por aqui sua fé ancestral. Projetaram em Nossa Senhora sua Iemanjá, a orixá sereia e rainha do mar, com oferendas, cânticos e rituais.

Assim, no mês da deusa romana Fébrua, entre nós se comemora, seja em terra como no mar, as festas destas Sagradas Senhoras cujo segredo carecemos haver: uma convivência serena e sincrética que se traduz em respeito e no dom da boa vizinhança.

Ave, Dea Fébrua! Salve Maria! Odoyá!

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.

Mais artigos

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

Da Paternidade à Filantropia

Ao me tornar pai, já imaginava que minha vida ia passar por transformações, mas jamais da forma como aconteceram. Aos nove anos, meu filho foi diagnosticado com câncer. Travamos uma batalha que felizmente foi vencida e, a partir daí, uma nova força foi gerada. Durante...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

20 anos da ABMP

Toda entidade de classe nasce de uma necessidade, ou, de uma provocação. A ABMP nasceu das duas. A necessidade foi a de se constituir uma entidade que reunisse todos os segmentos da comunicação. Existia um precedente, a AP-Bahia (sigla de Associação de Propaganda da...

ler mais

Dois de Julho

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

junte-se ao mercado