>

Cadê a Copa?

maio/2018

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando.

Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas instituições chafurdando na lama da lava jato e pagando o pato das gestões desastradas da administração pública, nesta época do ano a Copa do Mundo já era mote para muitas campanhas publicitárias e até o marketing de emboscada tirava sua lasquinha driblando as normas da FIFA com ações criativas. E anúncios no clima.

Ao que parece os brasileiros estão se lixando para a Copa do Mundo e o mercado percebendo a baixa temperatura não aposta no entusiasmo popular, que não mais existe no sentido de somos todos verde-amarelos. Difícil para qualquer estrategista de marketing medir o sentimento do brasileiro, leia-se do consumidor, em relação à Copa do Mundo atual. O que parece é que pela primeira vez o mercado publicitário trabalha com planos alternativos e talvez a Copa não seja o plano A.

Faltando um mês para o início do certame que nos lembra fracasso da seleção, corrupção na construção dos estádios, desvios de dinheiro no evento aqui realizado, em 2014, escândalos da FIFA e que não nos lembra nada de positivo associado a essa marca__ COPA DO MUNDO___ parece que o mercado aguarda antes de agir, a direção do vento que bem pode ser ameno, como uma frente fria.

Mas, nunca será o mesmo clima de envolvimento e engajamento do consumidor vivenciados no passado.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Lições de marketing numa feira de livros

O que está havendo com as livrarias e o comércio de livros? Foi-se o tempo das pequenas livrarias charmosas e aconchegantes, bem diferentes das mega stores de livros dos  shoppings centers. Será que as pessoas ainda compram e leem livros? Quais as novas estratégias de...

ler mais

Voluntariado e as relações humanas

Desde quando me envolvi com o mundo da filantropia, há mais de 30 anos, na fundação do GACC-BA, passei a compreender o real valor do trabalho desenvolvido por voluntários. De lá pra cá, sobretudo com o envolvimento com outras instituições, tenho a convicção do quão...

ler mais

Narcisos digitais

Nas últimas décadas a humanidade passou a conjugar o verbo conectar e compartilhar com outra semântica. Compartilhamos e nos conectamos todos os dias na internet, teia que se tornou a principal plataforma de relacionamento, de business, de comunicação, de aprendizagem...

ler mais

Uma historinha para cobrir a falta de assunto

Definitivamente estou sem assunto e isso me preocupa. Quando falta assunto é por que sobra preguiça, mas, para vocês não saírem por aí me imputando esse pecado capital, melhor eu contar uma historinha, juro que não é ficção, ou, mais de uma, por que não? Aconteceu em...

ler mais

Era dos haters

O termo hater, de origem inglesa, quer dizer os que odeiam ou odiadores, remete ao mundo da internet e é usado para classificar os truculentos cyber bullying, os ataques agressivos nas mídias sociais. O hater ataca sua vítima por meio de declarações hostis e por causa...

ler mais

Procuram-se clientes

Uma estátua de uma menina encarando um touro ou uma foto de um restaurante em chamas. A primeira foi a ideia da McCann Nova York para a State Street Global Advisor, uma empresa do mercado financeiro de Nova York. O que para muitos seria loucura, para a SSGA foi um...

ler mais

junte-se ao mercado