>

Cadê a Copa?

maio/2018

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando.

Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas instituições chafurdando na lama da lava jato e pagando o pato das gestões desastradas da administração pública, nesta época do ano a Copa do Mundo já era mote para muitas campanhas publicitárias e até o marketing de emboscada tirava sua lasquinha driblando as normas da FIFA com ações criativas. E anúncios no clima.

Ao que parece os brasileiros estão se lixando para a Copa do Mundo e o mercado percebendo a baixa temperatura não aposta no entusiasmo popular, que não mais existe no sentido de somos todos verde-amarelos. Difícil para qualquer estrategista de marketing medir o sentimento do brasileiro, leia-se do consumidor, em relação à Copa do Mundo atual. O que parece é que pela primeira vez o mercado publicitário trabalha com planos alternativos e talvez a Copa não seja o plano A.

Faltando um mês para o início do certame que nos lembra fracasso da seleção, corrupção na construção dos estádios, desvios de dinheiro no evento aqui realizado, em 2014, escândalos da FIFA e que não nos lembra nada de positivo associado a essa marca__ COPA DO MUNDO___ parece que o mercado aguarda antes de agir, a direção do vento que bem pode ser ameno, como uma frente fria.

Mas, nunca será o mesmo clima de envolvimento e engajamento do consumidor vivenciados no passado.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

Da Paternidade à Filantropia

Ao me tornar pai, já imaginava que minha vida ia passar por transformações, mas jamais da forma como aconteceram. Aos nove anos, meu filho foi diagnosticado com câncer. Travamos uma batalha que felizmente foi vencida e, a partir daí, uma nova força foi gerada. Durante...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

20 anos da ABMP

Toda entidade de classe nasce de uma necessidade, ou, de uma provocação. A ABMP nasceu das duas. A necessidade foi a de se constituir uma entidade que reunisse todos os segmentos da comunicação. Existia um precedente, a AP-Bahia (sigla de Associação de Propaganda da...

ler mais

Dois de Julho

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

junte-se ao mercado