Cadê a Copa?

maio/2018

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando.

Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas instituições chafurdando na lama da lava jato e pagando o pato das gestões desastradas da administração pública, nesta época do ano a Copa do Mundo já era mote para muitas campanhas publicitárias e até o marketing de emboscada tirava sua lasquinha driblando as normas da FIFA com ações criativas. E anúncios no clima.

Ao que parece os brasileiros estão se lixando para a Copa do Mundo e o mercado percebendo a baixa temperatura não aposta no entusiasmo popular, que não mais existe no sentido de somos todos verde-amarelos. Difícil para qualquer estrategista de marketing medir o sentimento do brasileiro, leia-se do consumidor, em relação à Copa do Mundo atual. O que parece é que pela primeira vez o mercado publicitário trabalha com planos alternativos e talvez a Copa não seja o plano A.

Faltando um mês para o início do certame que nos lembra fracasso da seleção, corrupção na construção dos estádios, desvios de dinheiro no evento aqui realizado, em 2014, escândalos da FIFA e que não nos lembra nada de positivo associado a essa marca__ COPA DO MUNDO___ parece que o mercado aguarda antes de agir, a direção do vento que bem pode ser ameno, como uma frente fria.

Mas, nunca será o mesmo clima de envolvimento e engajamento do consumidor vivenciados no passado.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

Próximo de propósito

Cada vez mais a conexão emocional às marcas tem emergido nas pesquisas como um elemento determinante no processo decisório. Se antigamente a identidade das marcas era basicamente construída a partir de uma mensagem emitida ao consumidor, hoje uma marca precisa se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Três aniversariantes

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia. O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

junte-se ao mercado