Cinema africano?

jul/2017

De longe, o cenário cultural da Nigéria não sugere uma indústria cinematográfica vigorosa, mas ela existe. Nollywood é a terceira maior do mundo perdendo apenas para Hollywood (EUA) e Bollywood (Índia). Isso em termos de faturamento, pois em termos de títulos, fala-se em torno de 2000 por ano. É muito DVD, sim porque não há salas de cinema em Lagos, Ifé ou Abuja (a atual capital do país). Os produtores distribuem seus filmes diretamente aos milhares de videoclubes e videolocadoras do País e também nos camelôs, encarregados de abastecer os potenciais 155 milhões de consumidores. É um cinema de massa, pois as narrativas têm estética local podendo atrair todas as etnias que compõem o país – as maiorias étnicas são iorubá, igbo, e hauçá – os filmes são falados em idiomas locais. “Nós contamos nossas próprias histórias. Não estamos trabalhando para a América”, diz o diretor Ikenna, da Yorubá Movies.

Com orçamento mínimo gasto em cerca de dez dias de filmagem, os DVDs têm público garantido nos EUA e Inglaterra países com imensas comunidades nigerianas. Nollywood é um fenômeno do início dos anos 1990 e não para de se desenvolver. Em 2003, Osuofia in London teve recorde de vendagem dando origem a Osuofia 2 rodado em 2004, o filme foi visto em grande parte do continente africano, além de ter alcançado público expressivo na Europa e nos Estados Unidos. Nollywood é um mercado independente, único, que faz suas próprias regras e consegue a grande façanha de fazer com que o audiovisual chegue a quem se destina, superando o grande entrave que enfrenta a produção brasileira e baiana.

Talvez uma mirada atenta às estratégias africanas possa inspirar o Brasil a fazer com que nossos filmes alcancem amplas plateias que, ignorando o que é produzindo aqui, segue alimentando o domínio de Hollywood. Temos desperdiçado recursos e a possibilidade de construir um imaginário cinematográfico brasileiro. A Bahia pode olhar para o retrovisor, conhecer a força da história do nosso cinema e ao mesmo tempo ampliar o repertório de referências. Desviar o foco dos países centrais com uma tradição cultural, um mercado e uma infraestrutura distantes da nossa realidade a fim de conquistar o que o cinema  nigeriano conquistou: público.

Goli Guerreiro

Goli Guerreiro

Colunista

Pós-doutora em antropologia, curadora e escritora. Tem 6 livros publicados. Trabalha sobre repertórios culturais contemporâneos em diversos formatos: palestras, oficinas, mostras iconográficas, consultoria e roteiros para audiovisual.

Mais artigos

Cinco fantasmas que você enfrentou na quarentena

Todos vimos alguma vez um cachorro acorrentado em um fundo de quintal e a placa de alerta: “Cuidado, cão feroz”. O animal se esgoela de tanto latir, ganir, dá saltos em vão e só cessa de avançar quando a corrente garroteia seu pescoço e o sufoca. Para, descansa, ofega...

ler mais

Sobre o coronavírus, o marketing e as empresas

“Toda crise gera uma oportunidade” ou “Enquanto uns choram outros vendem lenços” são adágios conhecidos de todos. Com o coronavírus não tem sido diferente, mas além de algumas oportunidades, a pandemia tem provocado uma série de ações por parte das empresas...

ler mais

Atendimento em tempos de Coronavírus

Era esperado para uma geração que não viveu a gripe espanhola, nem a guerra, e que só viu o ebola pelo cinema ter dificuldade de compreender o que estamos passando. Meu filho de 11 anos me perguntou: mas quando você era do meu tamanho teve uma doença assim? Um vírus...

ler mais

Quem são os reais influenciadores?

Uma percepção do ponto de vista do Marketing de Influência, do posicionamento dos canais de comunicação e do contexto atual   Na semana anterior, que muito se falou sobre o caso de "Gabriela Pugliesi" aqui no Brasil, e do seu exemplo totalmente contraditório enquanto...

ler mais

junte-se ao mercado