Da Paternidade à Filantropia

ago/2018

Ao me tornar pai, já imaginava que minha vida ia passar por transformações, mas jamais da forma como aconteceram. Aos nove anos, meu filho foi diagnosticado com câncer. Travamos uma batalha que felizmente foi vencida e, a partir daí, uma nova força foi gerada. Durante o tratamento do meu filho, tive acesso ao drama de várias outras crianças que passavam por situação semelhante, mas nem sempre com final feliz. A dificuldade existia principalmente entre as famílias carentes vindas do interior, que não tinham estrutura na capital baiana e acabavam por não dar continuidade ao tratamento.

Mobilizado por essa realidade, eu e outras pessoas envolvidas nesta luta – pais e médicos – fundamos o Grupo de Apoio a Criança com Câncer (GACC-BA), em 1988. Naquela época, todos os desafios encontrados para fazer com que o GACC iniciasse sua missão foram motivadores para que eu me envolvesse com a filantropia. Era necessário articular parcerias e transitar por diversos setores. As nossas necessidades incluíam a ampliação do atendimento hospitalar na capital baiana e as próprias necessidades da instituição, como uma cozinha industrial e móveis. O nosso objetivo sempre foi o de contar com uma casa feita especialmente para receber os pacientes do interior e seus responsáveis, um local onde eles tivessem todo o acolhimento e auxílio necessário para evitar interrupções no tratamento e assim aumentasse as chances de cura.

Desde então, minha relação com a filantropia só aumentou. Em 2002, iniciei minha trajetória de forma voluntária na Santa Casa da Bahia, instituição secular voltada a servir a sociedade baiana. Primeiramente, atuei como membro da irmandade, depois como tesoureiro e mordomo de saúde, até ser eleito como provedor, em 2014. Desse período, gostaria de destacar a inauguração da Central de Doações da Santa Casa, com toda estrutura para arrecadação de recursos voltados para as atividades sociais da Instituição, além do programa de capacitação e incentivo ao voluntariado, parte essencial na transformação promovida pelas organizações do terceiro setor na sociedade.

Mesmo com todo o empenho, não me afastei das atividades profissionais na área de formação – a economia, para a geração e manutenção da renda familiar. Entretanto, percebi que a vida já tinha me levado para novos rumos, por isso em 2003 me especializei em Gestão de Iniciativas Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Este envolvimento me levou também a assumir, de 2012 a 2014, o cargo voluntário de Presidente da Diretoria Executiva da CONIACC – Confederação Nacional das Instituições de Apoio ao Câncer Infantojuvenil. Atualmente, atuo ainda como Diretor do IBROSS – Instituto Brasileiro das Organizações Sociais de Saúde; membro da Assembleia Geral e do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID); membro do Conselho de Gestão das Organizações Sociais; e como membro do CMB – Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas. 

Como dito, jamais imaginei que a paternidade pudesse me levar para caminhos tão valiosos e transformadores. Toda essa trajetória na filantropia aconteceu naturalmente, como geralmente é marcado o início das entidades, que nascem pelo desejo de prestar um serviço social. Entretanto, é preciso mais que o desejo de contribuir para a sociedade. É necessário profissionalismo na gestão para perpetuar o trabalho e gerir as atividades e recursos.  Mantenha as instituições saudáveis, tal como um filho.

Roberto Sá Menezes é Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do GACC-BA (Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas do Brasil (CMB).

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Hora de “chamar a responsabilidade”

Vemos em curso a lógica da campanha transplantada para a lógica do governo. Com seus tweets e declarações, Bolsonaro mantém o país dividido, jogando para a sua torcida.  Como estratégia para salvaguardar acesa a dinâmica da polarização, tem sido bastante eficiente....

ler mais

A campanha da Previdência: o caro e o barato

Propaganda é cara. Todo mundo sabe e quando digo todo mundo me refiro a quem é da área, ou seja, quem conhece a matéria. Propaganda é cara, sempre foi e nunca deixará de ser, pois no seu objetivo final que é massificação, ou público alvo definido, viabiliza dezenas de...

ler mais

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Três aniversariantes

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia. O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

junte-se ao mercado