Da tela do celular ou do laptop direto para o PDV

jun/2020

Dizer que o digital veio para ficar não é nenhuma novidade, é algo que já vem sido espalhado aos quatro ventos há muito tempo. Mas será que a evolução das empresas nesse planejamento para aderir ao universo online foi tão rápida quanto a consolidação desse mercado? Uma coisa é certa: quem se programou está faturando muito.

Do mercadinho do bairro às grandes marcas e marketplace, algo que a pandemia do novo coronavírus trouxe para todos foi a oportunidade de iniciar ou expandir seu relacionamento com os clientes por meio do ambiente digital.

E para aqueles que não se programaram e ainda não aderiram, ou estão nessa de forma tímida, a palavra de ordem é: agilize-se. 

Recente pesquisa da Ebit Nielsen apontou que a receita do e-commerce cresceu 42% durante a pandemia, entre março e abril, quando considerado o mesmo período em 2019. Das pessoas que fizeram alguma aquisição de produto ou serviço online, 31% disseram que estrearam nesse tipo compra na quarentena.

Outro dado interessante é o registrado pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), que mostra que, entre 12 e 20 de março deste ano, algumas lojas virtuais tiveram crescimento de mais de 180% em operações nos segmentos de alimentos e saúde.

Qualquer um está apto a levar seu negócio ou marca para o ambiente digital? No atual cenário eu diria que sim. Todo mundo saber fazer? Com certeza não. Mas para aqueles que ainda não estão usufruindo das oportunidades do momento e querem ampliar ou manter suas vendas, há milhares de conteúdos na web com dicas valiosas de como proceder e passar a ter o digital como uma importante ferramenta. Afinal, hoje em dia é possível criar um e-commerce funcional em questão de horas, e uma boa dica é optar por plataformas que ofereçam serviços de logística, controle de estoque e pagamentos em um único lugar.

Se existia algum medo do ato da compra on-line, hoje ele não existe mais, se tornou necessário pelo cenário em que o mundo vive. No Brasil, mesmo com a abertura escalonada do comércio em muitas cidades a partir da próxima semana, os órgãos de saúde ainda orientam as pessoas a ficarem em casa, desde que possível. E, ficando em casa, a janela para o mundo está na tela do celular ou do computador.

Isso traz um desafio para os varejistas, que mesmo reabrindo suas lojas físicas, podem demorar a recuperar a clientela de antes. Os hábitos de consumo já estão, há muito tempo, em transição contínua e, com a Covid-19, se transformaram mais rápido ainda, exigindo do varejo inovações e reinvenções para o cenário atual e pós-pandemia. Então, se a empresa quer se manter viva, não há outra forma senão aderir ao digital. E essa adesão pode ser mais simples e barata do que se pensa. Pode ser um clichê o que vou dizer, mas como tudo na vida, o mais difícil é dar o primeiro passo. Feito isso, migrar para a corrida será muito mais orgânico e veloz.

Muitas pessoas têm usado esse período para refletir e reavaliar inúmeros pontos em suas vidas, e isso vale também para os negócios. Mas neste momento, e, principalmente, no caso do varejo, o refletir tem de seguir junto com o agir, caso contrário pode ser muito tarde quando a tomada de decisão for efetivada. Se até hoje você não tinha seu negócio no ambiente online, chegou a hora. Assuma essa realidade e vá adiante, sem olhar para trás.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Valeu pelo seu post colorido de junho! A galera lgbtqia+ agradece! Mas nos outros meses o que você tem feito de verdade para combater o preconceito? Que tal começar pelos “simples” discursos que só potencializam homofobia, transfobia & bifobia?

“Você é gay?” “Como você virou lésbica?” Vem cá, alguém fica perguntando por aí se você é hétero? Como você virou hétero ou com quantos anos você decidiu ser hétero? Como foi falar para seus pais? Então se toca e pare de ser desnecessári@. “Mas bissexual, pansexual,...

ler mais

Nem tudo é o que parece ser

“Ao nascer, foi entregue para adoção por sua mãe solteira. Na escola, destacou-se tanto pela inteligência como pela indisciplina e molecagem. Aos 15 anos, teve um primeiro emprego na HP, comprou um carro velho e passou a fumar maconha. Aos 19, descalço, vegetariano...

ler mais

uma curtição chamada São João

Pelo segundo ano consecutivo, não será possível sentir os aromas das festas juninas nas ruas ou em espaços onde costumávamos “pular a fogueira” ou “dançar a quadrilha”. Assim como o trabalho e os estudos, as celebrações tradicionais tiveram que se transformar,...

ler mais

Viagem a um passado presente

Meio do ano chegando e a gente começa a avaliar o que fizemos da vida (ou o que ela fez de nós) na primeira metade de 2021. São tantas coisas a dizer – e a escrever – e, por isso, vou me ater ao último mês: maio. As efemêrides são elementos quase obrigatórios do mundo...

ler mais

Conecchão: eu era, eu sou ou eu serei?

Todo e qualquer lugar do mundo é um berço de conhecimento pra mim. Os Brasis dentro do Brasil são como salas de aulas... e a Bahia, sem dúvida, é uma das minhas aulas prediletas. Aqui nasceram seres humanos extraordinários, como o terapeuta indígena Ubiraci Pataxó. E,...

ler mais

junte-se ao mercado