“Dia das Mães” é arte de baiano.

maio/2017

Maio sugere para o mercado publicitário o Mês das Mães e, nem tanto, o Mês das Noivas que tem uma dinâmica de divulgação própria, com canais muito específicos de relacionamento. Nenhuma agência de propaganda se importa com noivas.

O Mês das Mães, ao contrário, tornou-se a mais importante data promocional do varejo, fora o Natal. E não apenas do varejo, hoje outros segmentos anunciantes tentam pongar na data que mexe com o sentimento coletivo, uma cultura já assimilada de expressar o nosso amor filial, presenteando mães, avôs e bisavós.

E no clima, o almoço em família que faz a felicidade dos proprietários de restaurantes e a agonia dos clientes com as filas intermináveis e insuportáveis, tudo vale para agradar a mãe. Os donos dos ditos estabelecimentos mal sabem que nessa confusão as suas queridíssimas mães são as mais lembradas.

O Dia das Mães é invenção de baiano. Não estou mentindo e nem se trata de uma brincadeira. É invenção de baiano, sim. Explico em seguida.

Em 1949 o baiano João Dória, pai do atual prefeito de São Paulo, viajou aos Estados Unidos, então como diretor da Standard Propaganda, e impressionado com a adesão do comércio nova-iorquino à data, trouxe na bagagem a sugestão de implementar entre nós as técnicas de promoção de vendas que aferira no exterior com resultados extraordinários.

Assim nasceu, por artes de um baiano, o Dia dos Mães no Brasil.

Em 1957 outro baiano, residente em Salvador, Otávio Oliveira de Carvalho, admirador de Dória e da Standard, resolveu pôr em prática o que lera na revista Propaganda e Negócios-PN sobre o assunto. Carvalho recém tinha fundado uma agência de propaganda com o nome de Publivendas, hoje ainda atuante no mercado, a Morya que todos conhecemos e admiramos.

Então, Otávio criou um concurso de vitrines para o Dia das Mães e com isso movimentou o comércio e ao mesmo tempo se aproximou de pequenos varejistas, alguns deles seriam mais tarde seus clientes. O irmão mais novo, Fernando Carvalho, encarregou-se de fazer a cobrança da cota estipulada, de porta em porta. Deu certo.

E assim nasceu o Dia das Mães ente nós, ainda uma data tímida, sem muita expressão, mas que logo mais se tornaria a mais importante do varejo, fora o Natal, na medida em que a propaganda fez a sua parte, estimulando, naquele tempo, a compra de artigos para o lar para presentear as nossas Rainhas do Lar.

O machismo era cultural, muito mais do que hoje, de modo que as mães sentiam-se homenageadas e muito felizes ao receber um ferro de passar, ou, um conjunto de panelas, um aspirador de pó, de presente. Que horror! Naquele tempo empoderamento era um mal falado poeira no tapete, ou, atrás da porta.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

As senhoras protetoras do mês de fevereiro

Os fãs de antigos calendários romanos e de suas estranhas métricas para a contagem dos anos, meses e dias da semana sabem que o mês de fevereiro era o último mês do ano. Seus dias eram consagrados à proteção da mãe de Marte, a deusa Fébrua, divindade do amor, da...

ler mais

Abaeté para os soteropolitanos

Quando eu cheguei em Salvador no distante ano de 1973 Abaeté ainda era a “lagoa escura, arrodeada de areia branca” como cantou Caymmi, um belo cenário nas noites de lua cheia, esta, refletida, nas águas sagradas; nas noites de verão os terreiros prestavam sua...

ler mais

2018 e o desafio da saúde

Começamos o novo ano com um cenário de incertezas para a área da saúde. Por ser um ano de eleições e, sobretudo, em um período de instabilidade política, é difícil fazer previsões. Mesmo após o ano de 2017 ter sido mais positivo em relação ao ano anterior, com tímida...

ler mais

Janeiro é o momento de consultar as pitonisas

A mídia é quem alimenta essas bobagens, desde tempos remotos quando um repórter se dava ao trabalho de ouvir Madame Beatriz e outras cartomantes e elas, sabendo isso, desde novembro do ano anterior já preparavam suas previsões que quase nunca se confirmavam, a não ser...

ler mais

Em 2018, vamos ser uma metamorfose ambulante!

Dezembro declara aberta a temporada de confraternizações de fim de ano, festas com amigos, parceiros da firma, grupos de Whatsapp se repetem com os rituais de amigo secreto, seguidas das celebrações de Natal em família e, uma semana depois, o ritual do Ano Novo que...

ler mais

junte-se ao mercado