>

Dois de Julho

jul/2018

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07 de setembro com um desfile militar.

A Independência da Bahia foi posterior à Independência do Brasil, um ano de diferença, mas as comemorações são anteriores. O primeiro desfile do 2 de Julho aconteceu em 1824; já o primeiro desfile de 7 de setembro, algumas décadas após.

Sábios ou sabidos foram nossos antepassados em transformar o 2 de julho, originalmente um desfile oficial para o público apreciar, e apenas isso, em um desfile espontâneo com participação popular. Não foi um processo simples. O povo tomou a iniciativa e foi se intrometendo e tomando conta e essa a graça do evento hoje. Deve ser a única festa cívica de independência do mundo sem tanques de guerra, artilharia e aviões das esquadrias de fumaça.

É um evento diferenciado e quem não participa não sabe o que perde, é uma das melhores festas populares da terrinha, porém, conheço muita gente que nunca participou e imagina que o 2 de Julho é aquilo que nos mostram os meios de comunicação. Nada a ver.

A cobertura da mídia costuma ser uma farsa e a depender do veículo mostra uma festa do 2 de julho bem distante da realidade. O rádio e os sites de noticias e de certo modo os jornais priorizam a participação dos políticos, a fofoca, o disse me disse, o mi mi mi… Que pena!

Para sorte nossa a Televisão consegue ser mais fiel aos acontecimentos. O tempo curto para exibição dificulta o mi mi mi e no geral a edição de imagens costuma retratar o ambiente do desfile do 2 de julho. Mostra o povo que é quem realmente faz a festa. Ninguém está interessado no empurra empurra das claques dos políticos, a não ser os próprios veículos que estimulam essa audiência seletiva.

Até quando isso? A minha percepção é que vai demorar para a mídia descobrir que fofoca não é notícia.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

Entre a fé e o luto

2018 terminou como começou. Com o Brasil dividido. Se a divisão até final de outubro era entre os que defendiam a “mudança” e os que temiam “aquela mudança”, no início de janeiro a divisão se dá entre os esperançosos na mudança em que apostaram e os desesperançados...

ler mais

Brasil 2019: entre Cassandra e Poliana

Pobre Cassandra, ninguém lhe dá ouvidos, ninguém mais acredita em suas profecias, parece que ela só sabe criticar e torcer contra. Por mais que grite e demonstre com firmeza o que está por vir, ninguém aposta uma ficha sequer em  sua clarividência. Ainda que ela...

ler mais

Segredos inspiradores do Natal

Pouca gente escapa da pegada da ansiedade nas festas de final de ano. São muitas as ansiedades nesta época: fechar o semestre, passar direto, fazer balanço e prestar contas, planejamento do ano novo, decidir o destino do 13.o, comprar lembranças baratinhas de amigos...

ler mais

Gestão, a prioridade da saúde em 2019

O fim do ano é um período em que pessoas e organizações se planejam e traçam os projetos para o novo ciclo que se inicia. Na área da saúde não é diferente, sobretudo em um ano com tantas mudanças. O que acontece na esfera política, por exemplo, tem influência direta...

ler mais

A bunda de Papai Noel

Passei a semana olhando a bunda de Papai Noel. Todo mundo olha a barba e a barriga, repara no gorro e na cadeira onde está sentado, olha de soslaio para a decoração em volta, mas ninguém repara na bunda. Para corrigir esse imperdoável desleixo é que fui de shopping em...

ler mais

junte-se ao mercado