Dois de Julho

jul/2018

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07 de setembro com um desfile militar.

A Independência da Bahia foi posterior à Independência do Brasil, um ano de diferença, mas as comemorações são anteriores. O primeiro desfile do 2 de Julho aconteceu em 1824; já o primeiro desfile de 7 de setembro, algumas décadas após.

Sábios ou sabidos foram nossos antepassados em transformar o 2 de julho, originalmente um desfile oficial para o público apreciar, e apenas isso, em um desfile espontâneo com participação popular. Não foi um processo simples. O povo tomou a iniciativa e foi se intrometendo e tomando conta e essa a graça do evento hoje. Deve ser a única festa cívica de independência do mundo sem tanques de guerra, artilharia e aviões das esquadrias de fumaça.

É um evento diferenciado e quem não participa não sabe o que perde, é uma das melhores festas populares da terrinha, porém, conheço muita gente que nunca participou e imagina que o 2 de Julho é aquilo que nos mostram os meios de comunicação. Nada a ver.

A cobertura da mídia costuma ser uma farsa e a depender do veículo mostra uma festa do 2 de julho bem distante da realidade. O rádio e os sites de noticias e de certo modo os jornais priorizam a participação dos políticos, a fofoca, o disse me disse, o mi mi mi… Que pena!

Para sorte nossa a Televisão consegue ser mais fiel aos acontecimentos. O tempo curto para exibição dificulta o mi mi mi e no geral a edição de imagens costuma retratar o ambiente do desfile do 2 de julho. Mostra o povo que é quem realmente faz a festa. Ninguém está interessado no empurra empurra das claques dos políticos, a não ser os próprios veículos que estimulam essa audiência seletiva.

Até quando isso? A minha percepção é que vai demorar para a mídia descobrir que fofoca não é notícia.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Hora de “chamar a responsabilidade”

Vemos em curso a lógica da campanha transplantada para a lógica do governo. Com seus tweets e declarações, Bolsonaro mantém o país dividido, jogando para a sua torcida.  Como estratégia para salvaguardar acesa a dinâmica da polarização, tem sido bastante eficiente....

ler mais

A campanha da Previdência: o caro e o barato

Propaganda é cara. Todo mundo sabe e quando digo todo mundo me refiro a quem é da área, ou seja, quem conhece a matéria. Propaganda é cara, sempre foi e nunca deixará de ser, pois no seu objetivo final que é massificação, ou público alvo definido, viabiliza dezenas de...

ler mais

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Três aniversariantes

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia. O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

junte-se ao mercado