>

Dois de Julho

jul/2018

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07 de setembro com um desfile militar.

A Independência da Bahia foi posterior à Independência do Brasil, um ano de diferença, mas as comemorações são anteriores. O primeiro desfile do 2 de Julho aconteceu em 1824; já o primeiro desfile de 7 de setembro, algumas décadas após.

Sábios ou sabidos foram nossos antepassados em transformar o 2 de julho, originalmente um desfile oficial para o público apreciar, e apenas isso, em um desfile espontâneo com participação popular. Não foi um processo simples. O povo tomou a iniciativa e foi se intrometendo e tomando conta e essa a graça do evento hoje. Deve ser a única festa cívica de independência do mundo sem tanques de guerra, artilharia e aviões das esquadrias de fumaça.

É um evento diferenciado e quem não participa não sabe o que perde, é uma das melhores festas populares da terrinha, porém, conheço muita gente que nunca participou e imagina que o 2 de Julho é aquilo que nos mostram os meios de comunicação. Nada a ver.

A cobertura da mídia costuma ser uma farsa e a depender do veículo mostra uma festa do 2 de julho bem distante da realidade. O rádio e os sites de noticias e de certo modo os jornais priorizam a participação dos políticos, a fofoca, o disse me disse, o mi mi mi… Que pena!

Para sorte nossa a Televisão consegue ser mais fiel aos acontecimentos. O tempo curto para exibição dificulta o mi mi mi e no geral a edição de imagens costuma retratar o ambiente do desfile do 2 de julho. Mostra o povo que é quem realmente faz a festa. Ninguém está interessado no empurra empurra das claques dos políticos, a não ser os próprios veículos que estimulam essa audiência seletiva.

Até quando isso? A minha percepção é que vai demorar para a mídia descobrir que fofoca não é notícia.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

A conexão através da comunicação

Contribuir para uma gestão mais eficiente, estabelecer canais de diálogo, promover interação, compartilhar informações com os diversos públicos. No dia a dia das organizações, a comunicação constitui um patrimônio valioso para alcançar objetivos sólidos e permanentes....

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

A segunda tela aumenta a eficiência da TV

Estudo revela que o consumo da chamada segunda tela (celulares e tablets) durante o tempo em que pessoas assistem TV aumenta a eficiência da publicidade neste meio Ao contrário do mito que se estabeleceu desde o crescimento do uso da chamada segunda tela (celulares e...

ler mais

Lições de marketing numa feira de livros

O que está havendo com as livrarias e o comércio de livros? Foi-se o tempo das pequenas livrarias charmosas e aconchegantes, bem diferentes das mega stores de livros dos  shoppings centers. Será que as pessoas ainda compram e leem livros? Quais as novas estratégias de...

ler mais

Cadê a Copa?

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando. Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas...

ler mais

Narcisos digitais

Nas últimas décadas a humanidade passou a conjugar o verbo conectar e compartilhar com outra semântica. Compartilhamos e nos conectamos todos os dias na internet, teia que se tornou a principal plataforma de relacionamento, de business, de comunicação, de aprendizagem...

ler mais

junte-se ao mercado