>

Eleições quase limpas

out/2018

O atual processo eleitoral pode não ser tão limpo assim, mas, convenhamos as ruas das cidades estão mais limpas do que em pleitos anteriores, nos livramos tudo indica que para sempre, das placas e armengues de propaganda eleitoral que tomavam conta das principais ruas e avenidas da cidade; a Paralela era um terror, em especial nos dias em que o vento jogava para dentro da pista as ditas cujas.

Avançamos nesse particular de cidade limpa, sem placas e sem cartazes e pichações nos muros. Entretanto paramos no tempo em relação a algumas ações promocionais que foram eficientes nos anos 80 e 90 e hoje por que não são mais inovadoras, caíram no lugar comum, e por que são mal ativadas não funcionam.

Um exemplo típico dessas ações de marketing ineficientes é o das promotoras de rua, mal humoradas e mal pagas, carregando bandeiras lavadas, produzidas com fornecedores de baixa qualidade, algumas sequer ondulam. Ninguém mais presta atenção nessas ações, é dinheiro jogado fora e os candidatos nem se dão conta disso.

Nem as carreatas conseguem ser tão empolgantes como em eleições passadas. Sobram figurinos sem graça e falta criatividade e material de merchandising vistoso, alegre. O processo eleitoral está na UTI do ponto e vista do marketing eu por várias razões, inclusive as limitações da legislação, não encontrou novos caminhos. Todas as cartas são jogadas nos programas gratuitos da TV e nas atuais eleições na rede fake eu diziam seria combatida, mas ninguém combate por que o fake quem alimentamos somos nos.

Cidade quase limpa ainda bem . A sujeira ficou para as redes sociais.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Gestão, a prioridade da saúde em 2019

O fim do ano é um período em que pessoas e organizações se planejam e traçam os projetos para o novo ciclo que se inicia. Na área da saúde não é diferente, sobretudo em um ano com tantas mudanças. O que acontece na esfera política, por exemplo, tem influência direta...

ler mais

A bunda de Papai Noel

Passei a semana olhando a bunda de Papai Noel. Todo mundo olha a barba e a barriga, repara no gorro e na cadeira onde está sentado, olha de soslaio para a decoração em volta, mas ninguém repara na bunda. Para corrigir esse imperdoável desleixo é que fui de shopping em...

ler mais

Quociente espiritual: o terceiro quociente humano

Em estudos mercadológicos e diagnósticos organizacionais que realizei nos últimos anos, venho observando “algo especial” permeando o discurso de lideranças de grandes empresas. Até início do século XX, o QI (quociente de inteligência) era a referência para mensuração...

ler mais

O que você quer ser quando envelhecer?

As conquistas da ciência e da tecnologia alteraram os ciclos da vida humana. As estatísticas comprovam exaustivamente como, ao longo do século 20, décadas de vida foram agregadas a nossa existência. A finitude foi deslocada para a frente: estamos em plena revolução da...

ler mais

Antecipação precoce

Vivemos antecipadamente o que deveria ter outro tempo. Tornou-se uma prática tão comum que mal nos damos conta disso. Antecipamos o natal com os shoppings center exibindo as suas decorações de época desde a última semana de outubro; antecipamos o Black-Friday na...

ler mais

Como criar uma seita em oito passos

Há quase trinta anos que trabalho com grupos em organizações pelo Brasil. Uso os óculos teóricos da psicologia do trabalho e da antropologia para compreender e decifrar os problemas de relacionamento internos das tribos empresariais. Tenho observado uma atmosfera...

ler mais

junte-se ao mercado