Entrevista: Celso Athayde – CEO da Favela Holding

jan/2020

” Com o trabalho que desenvolvemos na Favela Holding, o morador de favela e o negro entendem que é possível terem seus respectivos empreendimentos, podendo prosperar financeiramente, sem ter um patrão.”                                                                                                                                                                    

                                                                                                                                                                          

 

 

 

Celso Athayde é um renomado criativo, escritor, empreendedor, empresário e ativista social brasileiro. Nascido na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro, fundou a Central Única das Favelas (CUFA) e está à frente, desde 2015, da Favela Holding, primeira e maior holding social do mundo, que reúne em seu catálogo mais de 20 empresas aceleradas.

 

 

 

ABMP: Como surgiu o start para a criação da Favela Holding?


CA:
Bom, a Favela Holding derivou da Central Única das Favelas (CUFA), maior ONG que realiza trabalho em favelas do mundo. A CUFA foi fundada há cerca de 20 anos, pelos rappers Nega Gizza e MV Bill, e por mim. Ao longo dos anos, virou referência nos projetos sociais nos âmbitos cultural, esportivo e social. Foi então que enxerguei o potencial cultural e econômico da favela, tendo a ideia de criar o grupo Favela Holding, mas tendo a CUFA como um braço cultural. Hoje, a FH conta com mais de 20 empresas com serviços voltados para favela, em diversos ramos, passando por entrega de produtos, venda de passagens e agência live marketing.

 

ABMP: Um dado da pesquisa Voz e Vez aponta que 54% da população brasileira é negra, e que 29% possui um negócio próprio, aderindo ao empreendedorismo. Qual nível de influência as holdings sociais podem exercer para que haja um impulsionamento do número de empreendedores negros?


CA:
Influência total. Com o trabalho que desenvolvemos na FH, o morador de favela e o negro entendem que é possível terem seus respectivos empreendimentos, podendo prosperar financeiramente, sem ter um patrão.

 

 

ABMP: Hoje em dia é bastante comum associar empreendedorismo na favela com ações de propósito social. As holdings sociais possuem exatamente essa característica. Considera esse um ponto chave para inovação?
 

CA: Ponto totalmente chave, porque movimentamos a economia do território, gerando empregos e, mais do que isso, oportunidades. Com isso, a pessoas tem a sensação de pertencimento do lugar onde mora, e é incentivada a transformar a sua realidade e a de quem está ao seu redor. 

 

ABMP: Para a pessoa que quer empreender, mas vive na favela, não tem muito dinheiro sobrando e nem uma holding social para acelerar o negócio, quais dicas você dá para que essa ideia e esse empreendedor em potencial não fiquem sem oportunidade?
 

CA: Ficar atento às oportunidades e às demandas do local onde mora. Hoje em dia, você não precisa de um espaço físico para empreender. Uma vez, realizamos em parceria com Sebrae o ‘Favela Mais’, quando instrutores da instituição foram às favelas de Heliópolis e Paraisópolis, em São Paulo, explicar a importância do MEI (registro de Microempreendedor Individual), e como fazer para obter esse documento. Foi um grande sucesso e aumentamos o número de empregos formais neste território. Esse pode ser um caminho. 

 

ABMP: Os resultados da Favela Holding estão aí. Empresas já foram aceleradas e lançadas, cursos e oficinas já foram também realizados. O futuro bate à porta e o trabalho continua. Dito isso, qual o futuro da 1ª holding social do mundo?

CA: Muito trabalho, muita inovação, muita energia e, principalmente, muito impacto social e transformação de realidades. É pra isso que trabalhamos e vamos trabalhar sempre. Pelo bem-estar do morador de favela, tanto como colaborador, como empreendedor ou consumidor. Sempre expandindo o nosso raio de ativação e, quem sabe, atacando e novos ramos.

 

 

Outras entrevistas

Entrevista: Manuela Nery de Morais – CEO do Agrolly

"A solução visa preencher lacunas de informações para que os agricultores possam aprender uns com os outros, tomar decisões mais informadas, obter financiamento e melhorar seus resultados financeiros. "                                                                 ...

ler mais

Entrevista: Sérgio Gordilho – Copresidente e CCO da Africa

" Acredito que nunca a criatividade foi tão necessária, tanto para as marcas, quanto para as pessoas. Ninguém pode ficar em cima do muro, pois cada um de nós será cobrado quando tudo isso acabar. Mas para não ficar nessa posição, temos que saber o que falar, quando...

ler mais

junte-se ao mercado