Entrevista: Léo Góes – On Line Entretenimento

jun/2018

“As festas juninas tem as suas particularidades porque atendemos basicamente a turistas baianos e do Nordeste em geral que migram nessa época de um estado para outro, diferente do carnaval que atendemos a turistas do mundo inteiro.”                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        

Leo GoesEmpresário baiano que iniciou sua trajetória como comissário do Bloco Nu Outro, onde posteriormente tornou-se o administrador. Trabalhou continuamente durante todos esses anos em grandes projetos no carnaval de Salvador e em micaretas por todo o país, colocando em prática suas ideias arrojadas e inovadoras. Por anos administrou os blocos Cerveja & Cia e Coruja e ainda a empresa de entretenimento Axé Mix.

Atualmente, dirige a On Line Entretenimento que se consagrou por seu calendário anual de eventos e forte atuação no carnaval baiano, onde é responsável por alguns dos produtos mais desejados da folia, ao exemplo do Camarote Villa Mix. A On Line revolucionou o mercado de entretenimento da Bahia com grandes produções de eventos, representação artística e gestão de carreira.

 

 

ABMP: Se olharmos para o calendário festivo da Bahia, o São João é o evento com maior abrangência por permitir a realização de inúmeras festas ao mesmo tempo e em todo o estado, seja na capital, na orla ou no interior. Não é à toa que, antes mesmo da folia terminar em fevereiro, já tem outdoors chamando para as festas do interior. Diante desse cenário, qual a postura de vocês no período junino? As estratégias de contratação de atrações e vendas de ingressos são as mesmas adotadas no carnaval?

L.G: Realmente, o São João é o maior evento do estado por atingir mais de 200 municípios e inúmeras festas privadas. Nós estamos presentes, seja vendendo artistas para os municípios ou eventos privados e também realizando as nossas próprias festas. Para a contratação dos artistas varia muito de acordo com cada região, com os nomes que estão em destaque naquele momento, as bandas que já são tradicionais e não podem faltar.

As festas juninas tem as suas particularidades porque atendemos basicamente a turistas baianos e do Nordeste em geral que migram nessa época de um estado para outro, diferente do carnaval que atendemos a turistas do mundo inteiro. No São João a estratégia é completamente voltada para o regional.

 

ABMP: O forró é a música tradicional do São João que sempre dividiu espaço com o sertanejo, ritmo que tem dominado os meios tradicionais de comunicação e, principalmente, a internet e plataformas digitais de música. É uma seleta lista de bandas e artistas que atraem seu próprio – e grande – público. Como conseguem entrar na disputa dos demais eventos e consolidar uma grade de atrações que prometa casa cheia?

L.G: Não é fácil, pois neste período temos muito mais demanda de eventos do que atrações para atender. Isso faz com que seja preciso criar grades de atrações que tenham misturas de ritmos, e não somente o ritmo típico da época. Os eventos também investem cada dia mais em serviços e em estrutura para serem referências e dependerem menos de uma grade que só tenha as estrelas do momento.

ABMP: Nos últimos anos, tem crescido as críticas quanto à contratação de atrações famosas e com cachês mais altos que não representam o forró e o sertanejo do São João, deixando os artistas tradicionais – e que tem a temporada junina como grande oportunidade de renda – com a agenda vaga. Como vê está relação? É possível conciliar diversos ritmos para agradar ao público e ao mercado artístico ou a moda é o que dita a grade de atrações mesmo, seja em festas privadas ou públicas?

L.G: As festas privadas só existem porque vendem ingressos, então, elas buscam montar uma grade atrativa para que o público se interesse. As festas públicas também vão atrás de artista que o povo tenha desejo de ver. Os chamados tradicionais precisam buscar a evidência além dessa época do ano, o público se renova a cada ano, eles precisam conhecê-los. Dessa forma, o mercado só encolhe e ficamos sem opção.

 

ABMP: Dentro do seu nicho de atuação, quais estratégias mais utiliza para formatar um evento, analisar público-alvo, atrações ideais para cada tipo de festa ou parceiros comerciais?

L.G: Depende do perfil do evento. Analisamos a data e o público alvo, depois definimos o local e montamos a grade. E aí, vamos desenvolvendo os serviços que serão oferecidos, etc.

 

ABMP: Há pouco tempo, o programa da ABMP “Quem sabe faz a live” discutiu o tema Regionalização da Mídia, apontando a importância de oportunizar as agências baianas a criarem mais campanhas junto aos anunciantes locais e nacionais. No ramo das festas acontece a mesma coisa? Majoritariamente, empresas baianas executam os eventos locais ou ainda é comum perder espaço para a concorrência do eixo Rio-SP?

L.G: No ramo de eventos é raro uma empresa de fora vir para a Bahia sem estar associada a uma empresa local.

 ABMP: Invertendo a ordem, o mercado nacional está aberto para receber eventos de agências baianas? Afinal, não há dúvidas de que sabemos fazer grandes festas. Estão aí o carnaval, o Festival de Verão e o Arraiá do Galinho, citando alguns entre tantos exemplos.

L.G: Sempre recebeu até porque somos referência de mercado.

 
Foto: Acervo Pessoal

Outras entrevistas

Entrevista: Sandra Martinelli – Presidente Executiva da ABA

"Queremos aperfeiçoar continuamente nosso papel no auxílio aos profissionais, nos tornando fonte das melhores práticas e padrões, desenvolvendo produções colaborativas e disponibilizando todos os conteúdos gerados em nossos comitês, grupos de trabalho e eventos."     ...

ler mais

Entrevista: Carlos Andrade – Presidente da Fecomércio

"Mais otimista, o empresário se prepara para retomar investimentos. Estamos certos de que este cenário, muito em breve, impactará em mais vendas no varejo, na recuperação do setor de serviços, no turismo, entre outros."                                                 ...

ler mais

Entrevista: Karina Dourado – Gerente de Marketing do Salvador Shopping

"Hoje os shoppings são muito mais que centros de compras. Representam, na vida das pessoas, uma das principais opções de lazer e entretenimento.  "                                                                                                                         ...

ler mais

Entrevista: Bob Wollheim – CEO & Partner da The B Network

"É pensar menos em veículo e mais em plataforma. É ter um jeito mais beta, mais lean e mais fast. Não é pouca coisa, de fato. Para nativos digitais ou para aqueles que conseguirem aprender, se reinventar, não haverá problema e as oportunidades são enormes."           ...

ler mais

junte-se ao mercado