Entrevista: Moacyr Maciel – Presidente da ABAP Bahia

“A agência que atua especificamente no mercado na Bahia tem como diferencial o maior conhecimento da realidade local, do consumidor local, seus códigos, suas crenças e isso facilita muito a atuação. (…) Uma agência atua bem quando ela conhece o profundamente o cliente do seu cliente. Esse é um princípio básico da boa comunicação”


ABMP:
A Bahia tem uma forte tradição na publicidade. Como as agências baianas vêm fazendo para manter essa representatividade diante das últimas transformações no setor?

M.M: Essa questão das mudanças na publicidade vem acontecendo em todo o mundo. Na Bahia, especificamente, o que enfrentamos nos últimos 20 anos foi a perda de alguns clientes para outros mercados, em função de privatizações, fusões e aquisições em diversos segmentos. Por exemplo, no segmento de supermercados, havia duas grandes redes na Bahia e hoje são de outros países. No setor de telecomunicações, também tivemos mudanças. Quando ocorrem esses fenômenos, a conta se torna nacional e o centro de decisão vai para outro lugar, normalmente São Paulo.

Por outro lado, algumas agências baianas se movimentaram e procuraram atuar em outros estados. A própria Ideia 3, que dirijo, foi uma das que fizeram esse movimento. Acredito muito nessa ação e ela tem feito com que as principais estruturas do nosso mercado dependam menos da Bahia e tenham o seu principal faturamento vindo de outros estados.

Agora, se me perguntar como imagino que esse cenário pode mudar e se tronar mais atrativo para o surgimento de novos clientes no mercado baiano, acredito que, primeiro, precisamos fomentar o empreendedorismo. Em segundo lugar, destacar a importância da publicidade e da propaganda para o crescimento das novas empresas, para que sejam desejadas e valorizadas.

Já sobre as mudanças que estamos enfrentando com os meios digitais na propaganda, eles vieram para somar aos meios consagrados. Hoje enfrentamos como mais uma ferramenta para consolidar o nosso cliente. Algumas agências já concluíram uma movimentação no sentido de também oferecer o serviço de comunicação digital. Mas não acredito que os meios digitais vieram para eliminar os meios já consagrados. Esses meios continuam tendo um papel muito importante no processo de atingir o cliente e não devem ser descartados. Eles devem ser pensados de maneira integrada. Por isso é importante o cliente contar com uma agência de propaganda que domine os meios tradicionais e digitais.

 

ABMP: Na sua opinião, qual é o grande diferencial que as agências baianas têm a oferecer?

M.M: A agência que atua especificamente no mercado na Bahia tem como diferencial o maior conhecimento da realidade local, do consumidor local, seus códigos, suas crenças e isso facilita muito a atuação. Agora, se agência busca atuar em outros mercados, ela deve procurar da mesma forma esse conhecimento. Uma agência atua bem quando ela conhece o profundamente o cliente do seu cliente. Esse é um princípio básico da boa comunicação. E para tanto, ela precisa estar aparelhada, investir continuamente em pesquisas e pessoal qualificado.

 

ABMP: E como vê o futuro do setor?

M.M: 
Acho que, independentemente da época e do momento, o cliente sempre vai precisar de uma assessoria competente para desenvolver as suas estratégias de comunicação, com o objetivo de valorizar a sua marca e atingir um número cada vez mais significativo de potenciais clientes. E somente uma estrutura preparada, com bons profissionais, vai poder proporcionar isso. O papel das agências vem se transformando e se tornando cada vez mais relevante. Sem essa assessoria, o cliente não tem como fazer isso de uma maneira eficiente. Ele acaba investindo mais, com resultados inferiores. A maneira mais inteligente e rentável de se investir em comunicação é através de uma boa agência de propaganda.

 

Outras entrevistas

Entrevista: Nizan Guanaes – Fundador do Grupo ABC

"O digital acaba com essa história de regional, local. Eu acho que o baiano é muito criativo. Nós temos isso a nosso favor, talvez fosse o caso de começar a fazer serviços nacionais, com remuneração nacional, localizados na Bahia, através do digital".                 ...

ler mais

Entrevista: Ricardo Alban – Presidente da FIEB

"Até o momento, não verificamos sinais concretos de recuperação da produção industrial baiana. É preciso acompanhar os dados dos próximos meses para atestar uma possível reversão do quadro negativo atual."                                                               ...

ler mais

Entrevista: Armando Avena – Economista, jornalista e escritor

"A recessão foi uma das piores do Brasil, mas já está passando. Na verdade, o primeiro trimestre de 2017 mostra que o país já começou a sair da recessão, mas de forma lenta. O problema do Brasil, neste momento, é muito mais de caráter político do que econômico."     ...

ler mais

Entrevista: Pedro Dourado – Presidente da Uranus 2

"Outro fator importante na nossa atividade de prestação de serviços é o fator humano. Não dá para trocar um funcionário por trocar, tem que tentar recuperá-lo pensando que isto é investimento e não custo. "                                                             ...

ler mais

junte-se ao mercado