>

Entrevista: Roberval Luânia – Presidente da Central de Outdoor Bahia

“O outdoor de Salvador, além de ser uma referência em termos de veículo, é uma referência em visibilidade. O retorno é de 80%, porque ele fica na rua 24h por dia, as pessoas veem toda hora… Aqui, quando uma festa não anuncia em outdoor, passa despercebida.”

 

 

ABMP: O outdoor tem uma tradição muito forte na Bahia. Como vocês trabalham para manter essa força ao longo dos anos?

R.L: O outdoor de Salvador, assim como em toda a Bahia, é disciplinado. Isso em virtude das normas da Sucom (Secretaria Municipal de Urbanismo). Não podemos acrescentar mais outdoors na cidade sem retirar outros ou sem a Prefeitura liberar. Inclusive foi a Central de Outdoor que propôs um decreto, e os locais públicos foram licitados. Em outras cidades e estados, muitas vezes isso não acontece. Recentemente, tivemos uma convenção nacional em Salvador, e representantes de outros estados saíram entusiasmados. Viram a sintonia que existia aqui entre o poder público e a Central de Outdoor, coisa que não acontece em outros municípios. Além disso, ajudamos a limpar a cidade. Antigamente, havia muito lambe-lambe e trouxemos essas pessoas para o outdoor.

 

ABMP: Com novas tecnologias chegando ao mercado, como o outdoor vem evoluindo? Há uma incorporação dessas novidades?

R.L: Existe sim e devo dizer que Salvador foi pioneira nesses engenhos da cidade. Estamos sempre procurando novos métodos para atualizar o outdoor, em termos de led, backlight, iluminação no geral. O que mais acrescenta é o que diz respeito à estrutura. Há muito tempo, cerca de 15 anos, já não temos mais engenhos de madeira em Salvador.

 

ABMP: O que o outdoor tem a acrescentar a uma campanha que quer dialogar com o público local?

R.L: O outdoor de Salvador, além de ser uma referência em termos de veículo, é uma referência em visibilidade. O retorno é de 80%, porque ele fica na rua 24h por dia, as pessoas veem toda hora. E a geografia da cidade ajuda, com as ladeiras, por exemplo. Você está em Amaralina, desce e vê um outdoor. Vai para o Comércio e também encontra. Aqui, quando uma festa não anuncia em outdoor, passa despercebida. Quando coloca um, todo mundo vai.

Outras entrevistas

Entrevista: Vico Barbosa – Head of Production na Jack the Maker

"Por muito tempo, os projetos de inovação dos criativos das agências ficavam no papel e acabavam na gaveta. O mundo agora pede e provoca para que eles coloquem em prática essas ideias inovadoras"                                                                         ...

ler mais

Entrevista: Léo Góes – On Line Entretenimento

"As festas juninas tem as suas particularidades porque atendemos basicamente a turistas baianos e do Nordeste em geral que migram nessa época de um estado para outro, diferente do carnaval que atendemos a turistas do mundo inteiro."                                   ...

ler mais

Entrevista: Diego Oliveira – Youpper / ESPM

" A jornada do shopper ou consumidor digital obriga a fugir das regras e padrões para criação de anúncios. O foco está em acompanhar essa jornada e aprimorar as estratégias em real time, ou seja, o consumidor está ao vivo e a cores acompanhando tudo que acontece e...

ler mais

junte-se ao mercado