Eu odeio a Propaganda

ago/2019

O mundo mudou e está mudando. Todos os dias. E é obvio que a publicidade também muda, dentre outras ferramentas do marketing, está cada vez mais presente na vida das pessoas. Infelizmente. Eu disse e vale ressaltar: INFELIZMENTE.

Não sei onde nós vamos chegar. Percebo milhões de consumidores falando para sim mesmos, sem admitir ostensivamente, mas já com um sentimento consolidado; percebo aquela voz interna que resulta na vontade de sair no meio da rua gritando: “Eu odeio a Propaganda”. Convenhamos que odiar é extremista, mas admitir que as pessoas gostam é extremista também.

Quem em são juízo pode gostar de ter a sua privacidade invadida com seguidas tentativas de lhe vendar serviços, através do telemarketing, sem lhe dar ao menos a chance de você bloquear o intruso? Na mesma hora o chato do outro lado da linha recorre a um dos muitos ramais de que dispõe para fazer o seu trabalho e cumprir as metas e pior é que há quem se disponha a ouvir e comprar esses serviços, senão o assédio já tinha acabado por falta de eficiência.

Tenho certeza que você odeia propaganda tanto quanto eu. A mídia tradicional pelo menos lhe oferece a opção de desligar a TV, mudar de canal, passar a página do jornal, trocar o dial do rádio, olhar para outro lado se quer evitar a mídia exterior…. A mídia digital não lhe permite essa liberdade de escolha. Você quer ler um blog, ou um site de notícias, lá está a mensagem publicitária entupindo sua tela do celular e enquanto você passa o dedo aparecem outras mensagens que lhe impedem de seguir a leitura por alguns segundos. A leitura que deveria ser prazerosa, torna-se difícil, complicada, você fechando banners, driblando outros.

E se o nosso querido Google, a maior fuxiqueira do planeta, descobre que você andou pesquisando hotéis em Salvador, lhe assedia duas ou três semanas, no mínimo, com ofertas e mensagens nas redes sociais. Resumindo: você é vítima 24 horas por dia de um assédio mercadológico insuportável, ao qual você não pode fugir, finge que não existe para não arrancar os cabelos e sair no meio da rua gritando o título deste artigo. Então não me diga que você ama a propaganda porque nesse caso posso lhe recomendar um bom psicanalista.

Escrevi no início deste artigo que não sei onde vamos chegar. Quer saber a minha opinião? Melhor você não saber. Mas, tenho a impressão que o fio invisível onde se equilibra a vontade do consumidor de explodir o intruso que lhe cerceia a liberdade de escolha e lhe aporrinha a cada instante e a necessidade de ser informado e de conhecer novos produtos e serviços que você deseja adquirir; esse fio está cada vez mais tênue. Neste momento somos bipolares: odiamos e amamos a propaganda ao mesmo tempo e em surtos, a depender de nossas necessidades. Até quando?  

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

O respeito à flor da pele.

Há poucos dias resolvi fazer uma tatuagem. Em meio a repercussão do ato, uma amiga fez o seguinte questionamento: por que você resolveu marcar a sua pele com essa palavra? Naquele momento, minha resposta foi carregada de obviedades e, talvez por isso, não a tenha...

ler mais

Mudança, um jargão surrado e vazio

O conceito de mudança está presente em toda campanha eleitoral. Candidato de oposição é sempre o candidato da mudança; candidato da situação foi o candidato da mudança um dia. A mesma “mudança” que o elegeu é a que o ameaça na eleição seguinte. Só que, ao pesquisarmos...

ler mais

Irmã Dulce e as metamorfoses da compaixão

Admirar a foto de Irmã Dulce flamulando na Basílica de São Pedro, no Vaticano, não tem preço. Escutar seu nome na cerimônia de canonização aqueceu nossos “brasileiros, brasileiros corações” com a certeza de que o reconhecimento é uma recompensa. A cerimônia trouxe os...

ler mais

O rosto autoritário do poder no Brasil

Outro dia, conversando sobre cultura e poder num workshop de lideranças com jovens executivos, comentei sobre as Capitanias Hereditárias e seus capitães donatários, um cargo administrativo do feudalismo tardio português atribuído a membros da nobreza que, por meio de...

ler mais

A modernização de empresas tradicionais é possível?

Já inicio o texto com a resposta a esta inquietante provocação: Não só é possível, como é necessária. No segundo mandato à frente da Santa Casa da Bahia, com 470 anos de história, posso lhes dizer que modernizar processos,  imagem, tecnologias e pensamentos, são...

ler mais

junte-se ao mercado