Eu odeio a Propaganda

ago/2019

O mundo mudou e está mudando. Todos os dias. E é obvio que a publicidade também muda, dentre outras ferramentas do marketing, está cada vez mais presente na vida das pessoas. Infelizmente. Eu disse e vale ressaltar: INFELIZMENTE.

Não sei onde nós vamos chegar. Percebo milhões de consumidores falando para sim mesmos, sem admitir ostensivamente, mas já com um sentimento consolidado; percebo aquela voz interna que resulta na vontade de sair no meio da rua gritando: “Eu odeio a Propaganda”. Convenhamos que odiar é extremista, mas admitir que as pessoas gostam é extremista também.

Quem em são juízo pode gostar de ter a sua privacidade invadida com seguidas tentativas de lhe vendar serviços, através do telemarketing, sem lhe dar ao menos a chance de você bloquear o intruso? Na mesma hora o chato do outro lado da linha recorre a um dos muitos ramais de que dispõe para fazer o seu trabalho e cumprir as metas e pior é que há quem se disponha a ouvir e comprar esses serviços, senão o assédio já tinha acabado por falta de eficiência.

Tenho certeza que você odeia propaganda tanto quanto eu. A mídia tradicional pelo menos lhe oferece a opção de desligar a TV, mudar de canal, passar a página do jornal, trocar o dial do rádio, olhar para outro lado se quer evitar a mídia exterior…. A mídia digital não lhe permite essa liberdade de escolha. Você quer ler um blog, ou um site de notícias, lá está a mensagem publicitária entupindo sua tela do celular e enquanto você passa o dedo aparecem outras mensagens que lhe impedem de seguir a leitura por alguns segundos. A leitura que deveria ser prazerosa, torna-se difícil, complicada, você fechando banners, driblando outros.

E se o nosso querido Google, a maior fuxiqueira do planeta, descobre que você andou pesquisando hotéis em Salvador, lhe assedia duas ou três semanas, no mínimo, com ofertas e mensagens nas redes sociais. Resumindo: você é vítima 24 horas por dia de um assédio mercadológico insuportável, ao qual você não pode fugir, finge que não existe para não arrancar os cabelos e sair no meio da rua gritando o título deste artigo. Então não me diga que você ama a propaganda porque nesse caso posso lhe recomendar um bom psicanalista.

Escrevi no início deste artigo que não sei onde vamos chegar. Quer saber a minha opinião? Melhor você não saber. Mas, tenho a impressão que o fio invisível onde se equilibra a vontade do consumidor de explodir o intruso que lhe cerceia a liberdade de escolha e lhe aporrinha a cada instante e a necessidade de ser informado e de conhecer novos produtos e serviços que você deseja adquirir; esse fio está cada vez mais tênue. Neste momento somos bipolares: odiamos e amamos a propaganda ao mesmo tempo e em surtos, a depender de nossas necessidades. Até quando?  

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Brasil: como sair do labirinto?

Por raivas antigas, Minos, rei de Creta, resolveu castigar Atenas e seu povo com uma pena absurda e perversa: o envio por todos os anos de sete moças e sete rapazes para aplacar a fome do Minotauro, uma criatura com cabeça de touro e corpo humano, que residia num...

ler mais

Os velhos paradigmas e o novo marketing digital

Já se tornou um clichê falarmos sobre as transformações provocadas pela popularização da internet e pela emergência das Redes Sociais Digitais. Estamos conectados 24 horas por dia, 7 dias por semana e utilizamos, com enorme naturalidade, recursos que há bem pouco...

ler mais

Conectando-se ao consumidor

Gestores quebram a cabeça, diariamente, na busca por estratégias que levem à fidelização às suas marcas.  Acreditar que, valendo-nos apenas da experiência em nosso ramo de atividade, podemos apostar que estamos fazendo as coisas direito, é subestimar a dinâmica dos...

ler mais

O tsunami, os elefantes e o futuro do trabalho

Moradores de zonas afetadas recordam que, dias antes da calamidade dos tsunamis na Tailândia, observaram as aves mais inquietas, voando em círculos, cães nervosos, latindo e correndo estranhamente de um lado a outro e o sumiço dos gatos de estimação. O que estaria...

ler mais

Gutenberg e sua startup no século 15

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para...

ler mais

O patrimônio cultural da Santa Casa da Bahia

A rica história e cultura de Salvador atravessaram continentes e oceanos até Macau, na China, onde fui convidado a apresentar o patrimônio cultural da Santa Casa da Bahia, durante o XXII Congresso Internacional das Misericórdias, realizado em maio. Foi um momento...

ler mais

junte-se ao mercado