>

Existe vida depois da Internet?

set/2017

Espanta aos observadores do comportamento humano a velocidade da disseminação dos aparatos tecnológicos e sua crescente compatibilidade com os usuários. A conectividade mais acessível tornou o ambiente virtual o espaço mais importante para o fluxo dos processos. A  vida humana acontece nas redes e a cultura on-line flui nas nuvens: sejam nos relacionamentos pessoais, nas salas de chat,  na vida social e no lazer, nos trâmites comerciais, financeiros e jurídicos, na formação profissional com o EAD, na aquisição de produtos e serviços como o Uber e hotéis, sem falar da  vida amorosa com os sites de namoro e de fantasias sexuais, no marketing, etc. Bem vindos à Antropologia dos Mundos Virtuais.

Aos poucos nos fundimos aos smartphones, aos Ipads e laps e passamos a teclar palavras novas como Google, Face, Instagram, Tweet, email, Snapchat, blogs e verbos como tuitar, compartilhar, postar e deletar.

Além da compatibilidade dos corpos com as telas, a cultura on-line também gerou a preocupante dependência por visibilidade. Aparecer, virou febre e a demanda por vitrine, compulsão. Sem senso crítico, cenas triviais passam a ser celebradas. A postagem de imagens banais, sem motivo para comemoração, revela a necessidade de destaque e visibilidade. Está aberta a temporada dos selfies e do seu prolongamento, um bastão, cuja função é dar mais perspectiva e fundo ao retrato protagonismo do “Narciso que acha feio o que não é espelho”.

Quem chegou no momento presente formatado pela cultura anterior à Internet trouxe na mochila a aprendizagem de antigas tecnologias. Quem veio da escola analógica tem o direito de estar perplexo. Foi Michel Foucault, o pensador do poder, que interpretou o quanto aqueles dispositivos da velha “tecnologia-escola”, do livro e do lápis, como a prática da escrita e da leitura silenciosa e no isolamento, promoveram resultados em termo de cultivo da introspecção. E de reflexão. Este modo de subjetivação produziu o homem moderno e “individualista”, senhor de um mundo interior próprio, com o qual travava diálogo interno e íntimo, amparado por livros, romances, saraus literários e algum cultivo de erudição.

Havia a crença de que era preciso desenvolver valores e atitudes como discrição, recato, modéstia e senso de pudor. Era um tempo no qual se cultuava a preservação do mundo íntimo e sensível. Valores como afetação e vulgaridade devastariam a morada interior daquele “self”, típico da transição dos séculos XIX a XX.

Os modos de subjetivação foram totalmente alterados em nossa Era da Dispersão. O que mais se destaca no comportamento dos usuários nas redes é, além da ausência de sinal de introspecção, a demanda febril por visibilidade que desautorizou o antigo pudoris, do latim, a vergonha de chamar atenção sobre si. Parece que foi decretado o fim da intimidade em nome da visibilidade dos “selfies”. A demanda por se sobressair e cultivar mais seguidores nas redes expulsa a compostura e entroniza a superexposição. Este escancaramento da privacidade, em muitos casos, dá frutos como prática comercial. Entra em cena a mercantilização da intimidade. Valores e virtudes transmitidos há séculos, de repente, são lançados no acervo de um museu esquecido.

A fragmentação de fontes e o excesso de informação nos leva a fazer várias coisas ao mesmo tempo, sem dar para manter o foco em nada, adverte Nicholas Carr, pesquisador dos efeitos da Internet no nosso cérebro. O atropelamento da sensibilidade e a imposição da velocidade e do bombardeamento de informações “já estão debilitando nossa capacidade de concentração e de reflexão”, afirma este escritor, recentemente indicado ao prêmio Pulitzer. Menos pessimista, o sociólogo Manuel Castells, autor de The Internet Galaxy, rebate: “Se a internet tem algum impacto nas interações sociais, ele é positivo. Para a maioria das pessoas, ela é uma extensão da vida em todos os seus aspectos”. O debate é inflamado.

Sem habilidades aprendidas para desenvolver a introspecção, passamos a existir compulsivamente do lado de fora, publicizando imagens do self numa espécie de “curadoria de si” onde se dissimula um semblante de felicidade, que já não convence ninguém. A “vida editada” dissimula as razões de se mostrar e aparecer nas prateleiras.

A demanda por visibilidade tem transformado cenas de foro íntimo – como uma gestação ou um mero almoço – em marketing pessoal. Likes, curtidas e compartilhamentos viraram inquestionáveis métricas de sucesso e reconhecimento. Afinal, foram desativados os velhos “modos de subjetivação” e como já não há mais o self próprio e pessoal, capaz de instigar reflexão, senso crítico e, sobretudo, gerar autorização de dentro para fora, resta esperar o reconhecimento e a autorização do lado de fora, dos Facefriends ou de algum influenciador digital da moda.  Sem investimento no self, só resta mendigar curtidas nos “selfies”.

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.

Mais artigos

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

Da Paternidade à Filantropia

Ao me tornar pai, já imaginava que minha vida ia passar por transformações, mas jamais da forma como aconteceram. Aos nove anos, meu filho foi diagnosticado com câncer. Travamos uma batalha que felizmente foi vencida e, a partir daí, uma nova força foi gerada. Durante...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

20 anos da ABMP

Toda entidade de classe nasce de uma necessidade, ou, de uma provocação. A ABMP nasceu das duas. A necessidade foi a de se constituir uma entidade que reunisse todos os segmentos da comunicação. Existia um precedente, a AP-Bahia (sigla de Associação de Propaganda da...

ler mais

Dois de Julho

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

junte-se ao mercado