>

Gestão, a prioridade da saúde em 2019

dez/2018

O fim do ano é um período em que pessoas e organizações se planejam e traçam os projetos para o novo ciclo que se inicia. Na área da saúde não é diferente, sobretudo em um ano com tantas mudanças. O que acontece na esfera política, por exemplo, tem influência direta em áreas prioritárias.

A Santa Casa da Bahia, instituição secular comprometida com a assistência à população baiana, sempre acompanhou de perto as políticas públicas que influenciam a saúde e espera que os investimentos na área sejam consolidados como uma questão de extrema importância. A recente publicação da Medida Provisória nº 859/2018, que altera a MP das Santas Casas, nº 848/2018, desapontou dirigentes das 2.172 Santas Casas e hospitais sem fins lucrativos que atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). Ela amplia os juros das operações com recursos do FGTS para 12,16% ao ano de forma abusiva, acima até mesmo dos juros praticados por bancos privados nos empréstimos que realizam para o segmento.

É importante registrar que tal ação atinge o resultado de instituições que possuem um papel essencial na saúde pública, sendo responsáveis por mais de 50% dos atendimentos SUS e 63% dos atendimentos de alta complexidade. E que, atualmente, já tem seus serviços remunerados com valores muito abaixo dos seus custos.

Com um cenário tão desafiador na área orçamentária, a gestão torna-se o ponto-chave no momento de lidar com os recursos disponíveis. As instituições filantrópicas, responsáveis e comprometidas com a saúde, devem seguir firmes com um trabalho transparente e ético. Unidas, devem buscar soluções e alianças que fortaleçam e reconheçam o trabalho realizado. Será necessário sermos ainda mais criativos, eficazes e coerentes na utilização de tempo e dinheiro. É fundamental ainda envolver a sociedade no debate. Afinal, os serviços prestados representam um importante avanço na gestão da saúde pública. Devemos, juntos, exigir que a atuação dos governos seja baseada pelos mesmos princípios humanitários, de forma que essa parceria continue a beneficiar quem mais precisa dela: a população.

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

Entre a fé e o luto

2018 terminou como começou. Com o Brasil dividido. Se a divisão até final de outubro era entre os que defendiam a “mudança” e os que temiam “aquela mudança”, no início de janeiro a divisão se dá entre os esperançosos na mudança em que apostaram e os desesperançados...

ler mais

Brasil 2019: entre Cassandra e Poliana

Pobre Cassandra, ninguém lhe dá ouvidos, ninguém mais acredita em suas profecias, parece que ela só sabe criticar e torcer contra. Por mais que grite e demonstre com firmeza o que está por vir, ninguém aposta uma ficha sequer em  sua clarividência. Ainda que ela...

ler mais

Segredos inspiradores do Natal

Pouca gente escapa da pegada da ansiedade nas festas de final de ano. São muitas as ansiedades nesta época: fechar o semestre, passar direto, fazer balanço e prestar contas, planejamento do ano novo, decidir o destino do 13.o, comprar lembranças baratinhas de amigos...

ler mais

A bunda de Papai Noel

Passei a semana olhando a bunda de Papai Noel. Todo mundo olha a barba e a barriga, repara no gorro e na cadeira onde está sentado, olha de soslaio para a decoração em volta, mas ninguém repara na bunda. Para corrigir esse imperdoável desleixo é que fui de shopping em...

ler mais

O que você quer ser quando envelhecer?

As conquistas da ciência e da tecnologia alteraram os ciclos da vida humana. As estatísticas comprovam exaustivamente como, ao longo do século 20, décadas de vida foram agregadas a nossa existência. A finitude foi deslocada para a frente: estamos em plena revolução da...

ler mais

junte-se ao mercado