Gestão, a prioridade da saúde em 2019

dez/2018

O fim do ano é um período em que pessoas e organizações se planejam e traçam os projetos para o novo ciclo que se inicia. Na área da saúde não é diferente, sobretudo em um ano com tantas mudanças. O que acontece na esfera política, por exemplo, tem influência direta em áreas prioritárias.

A Santa Casa da Bahia, instituição secular comprometida com a assistência à população baiana, sempre acompanhou de perto as políticas públicas que influenciam a saúde e espera que os investimentos na área sejam consolidados como uma questão de extrema importância. A recente publicação da Medida Provisória nº 859/2018, que altera a MP das Santas Casas, nº 848/2018, desapontou dirigentes das 2.172 Santas Casas e hospitais sem fins lucrativos que atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). Ela amplia os juros das operações com recursos do FGTS para 12,16% ao ano de forma abusiva, acima até mesmo dos juros praticados por bancos privados nos empréstimos que realizam para o segmento.

É importante registrar que tal ação atinge o resultado de instituições que possuem um papel essencial na saúde pública, sendo responsáveis por mais de 50% dos atendimentos SUS e 63% dos atendimentos de alta complexidade. E que, atualmente, já tem seus serviços remunerados com valores muito abaixo dos seus custos.

Com um cenário tão desafiador na área orçamentária, a gestão torna-se o ponto-chave no momento de lidar com os recursos disponíveis. As instituições filantrópicas, responsáveis e comprometidas com a saúde, devem seguir firmes com um trabalho transparente e ético. Unidas, devem buscar soluções e alianças que fortaleçam e reconheçam o trabalho realizado. Será necessário sermos ainda mais criativos, eficazes e coerentes na utilização de tempo e dinheiro. É fundamental ainda envolver a sociedade no debate. Afinal, os serviços prestados representam um importante avanço na gestão da saúde pública. Devemos, juntos, exigir que a atuação dos governos seja baseada pelos mesmos princípios humanitários, de forma que essa parceria continue a beneficiar quem mais precisa dela: a população.

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Gutenberg e sua startup no século 15

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para...

ler mais

O patrimônio cultural da Santa Casa da Bahia

A rica história e cultura de Salvador atravessaram continentes e oceanos até Macau, na China, onde fui convidado a apresentar o patrimônio cultural da Santa Casa da Bahia, durante o XXII Congresso Internacional das Misericórdias, realizado em maio. Foi um momento...

ler mais

De olho em 2020

Enquanto costuras políticas desenham o quadro de candidaturas para 2020, profissionais envolvidos com as eleições ainda batem a poeira das roupas por conta da rasteira de 2018. Afinal, “nunca antes na história desse país” certezas convencionadas estiveram tão na...

ler mais

Cultura Uber: a ascensão do trabalhador por portfólio

Motoristas de aplicativo, podem reparar, falam pelos cotovelos. Ficam à espreita de algum sinal do freguês para iniciar um papo e, quando acontece, soltam o verbo. São treinados e permanecem calados até que o usuário resolva puxar conversa. Eu sou muito curioso sobre...

ler mais

Foresight: como será o amanhã?

Prever o futuro já foi propriedade de profetas, gurus, bruxos, oráculos, xamãs e magos e argumento de ficção científica. Imperadores e reis antigamente dispunham de astrólogos residentes nos palácios dispostos a interpretar sinais do devir e ajudar aos monarcas nas...

ler mais

A campanha da Previdência: o caro e o barato

Propaganda é cara. Todo mundo sabe e quando digo todo mundo me refiro a quem é da área, ou seja, quem conhece a matéria. Propaganda é cara, sempre foi e nunca deixará de ser, pois no seu objetivo final que é massificação, ou público alvo definido, viabiliza dezenas de...

ler mais

junte-se ao mercado