Gestão, a prioridade da saúde em 2019

dez/2018

O fim do ano é um período em que pessoas e organizações se planejam e traçam os projetos para o novo ciclo que se inicia. Na área da saúde não é diferente, sobretudo em um ano com tantas mudanças. O que acontece na esfera política, por exemplo, tem influência direta em áreas prioritárias.

A Santa Casa da Bahia, instituição secular comprometida com a assistência à população baiana, sempre acompanhou de perto as políticas públicas que influenciam a saúde e espera que os investimentos na área sejam consolidados como uma questão de extrema importância. A recente publicação da Medida Provisória nº 859/2018, que altera a MP das Santas Casas, nº 848/2018, desapontou dirigentes das 2.172 Santas Casas e hospitais sem fins lucrativos que atendem pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). Ela amplia os juros das operações com recursos do FGTS para 12,16% ao ano de forma abusiva, acima até mesmo dos juros praticados por bancos privados nos empréstimos que realizam para o segmento.

É importante registrar que tal ação atinge o resultado de instituições que possuem um papel essencial na saúde pública, sendo responsáveis por mais de 50% dos atendimentos SUS e 63% dos atendimentos de alta complexidade. E que, atualmente, já tem seus serviços remunerados com valores muito abaixo dos seus custos.

Com um cenário tão desafiador na área orçamentária, a gestão torna-se o ponto-chave no momento de lidar com os recursos disponíveis. As instituições filantrópicas, responsáveis e comprometidas com a saúde, devem seguir firmes com um trabalho transparente e ético. Unidas, devem buscar soluções e alianças que fortaleçam e reconheçam o trabalho realizado. Será necessário sermos ainda mais criativos, eficazes e coerentes na utilização de tempo e dinheiro. É fundamental ainda envolver a sociedade no debate. Afinal, os serviços prestados representam um importante avanço na gestão da saúde pública. Devemos, juntos, exigir que a atuação dos governos seja baseada pelos mesmos princípios humanitários, de forma que essa parceria continue a beneficiar quem mais precisa dela: a população.

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

Próximo de propósito

Cada vez mais a conexão emocional às marcas tem emergido nas pesquisas como um elemento determinante no processo decisório. Se antigamente a identidade das marcas era basicamente construída a partir de uma mensagem emitida ao consumidor, hoje uma marca precisa se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Três aniversariantes

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia. O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

junte-se ao mercado