Inovar também é para você.

out/2019

Quando, há quase 10 anos, vi uma Impressora 3D em funcionamento, tive clareza de que o futuro profissional passaria pela inovação. Acreditei que aquela nova máquina tinha, de uma só vez, conseguido derrubar múltiplas barreiras de proteção à indústria: tecnológicas e de suprimentos. Se a partir daquele momento pessoas comuns poderiam fabricar em casa e livremente próteses de braços ou peças de carro, as organizações, por outro lado, precisariam investir em boas ideias para continuarem competitivas. A criatividade seria assim, uma das mais relevantes competências a serem desenvolvidas pelas próximas gerações. Não apenas para profissionais envolvidos diretamente com a área criativa, mas para todos os demais.

Mesmo reconhecendo que o meu raciocínio talvez tenha se tornado simplista diante da complexidade do cenário atual, ainda acredito naquele insight. Agora, não mais somente pela observação de novos hardwares potentes, mas também pela oferta de soluções que envolvem processos, sistemas, compartilhamento de ideias e de equipamentos… mais do que nunca acredito que a criatividade é, e continuará sendo, uma das mais nobres habilidades dos profissionais da próxima geração. Bacana é saber que, contrariamente ao que boa parte das pessoas imagina, esta não é uma qualidade unicamente inata. Ela pode ser desenvolvida e é um dos componentes mais relevantes no processo de inovação. E como que podemos desenvolvê-la, afinal? Como as pessoas que não atuam diretamente com criação podem se habituar a pensar de forma a permitir a emergência de soluções inovadoras em seus mercados? 

A internet está cheia de sites que propõem exercícios para estimular o raciocínio criativo e os processos de inovação. Para mim, é alentador saber que nem todos os produtos gerados a partir de um processo como este precisa ser disruptivo. As inovações incrementais, aquelas que não se configuram uma completa novidade, são importantes para a movimentação dos mercados e também para alcance da disrupção.

 Ao profissional que deseja estimular esta competência, recomendo que conheça profundamente a área em que atua. Não apenas os produtos, mas especialmente seus usuários e respectivos comportamentos. O conhecimento e o senso de adaptabilidade é uma das variáveis mais significativas. A troca de informações, especialmente com pessoas de trajetórias diversas a sua, pode levar a sua ideia a outro patamar. Não tenha medo de expor o seu pensamento e nem muito menos de arriscar. Inovar pressupõe se expor a riscos. Ative a sua escuta para reconhecer e aceitar opiniões diferentes daquelas que tinha imaginado inicialmente. Participar de eventos ricos em debates e trocas de experiências certamente enriquecerá o seu raciocínio. Por último, tenha calma! Estudos comprovam que as melhores ideias vão sendo gradativamente aprimorada com o passar do tempo.

Além de ser um componente muito valorizado pelas empresas, trabalhar com inovação é algo muito estimulante e gratificante. Para fazer é só começar a treinar. Vamos?

Alessandra Calheira

Alessandra Calheira

Colunista

Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas, na linha de Cibercultura, pela UFBA; Especialista em Marketing pela ESPM e Publicitária pela UCSal. É sócia fundadora da Proxima e consultora para Gestão Educacional e Empregabilidade da Rede FTC. É ainda professora da Pós-Graduação da UNIFACS e colunista do Bahia Notícias.

Atuou como criativa e redatora publicitária quando foi laureada com um Leão no Festival Internacional de Cannes, com uma medalha no Clube de Criação de São Paulo, Top de Marketing da ADVB, entre outros.

Mais artigos

Mudança, um jargão surrado e vazio

O conceito de mudança está presente em toda campanha eleitoral. Candidato de oposição é sempre o candidato da mudança; candidato da situação foi o candidato da mudança um dia. A mesma “mudança” que o elegeu é a que o ameaça na eleição seguinte. Só que, ao pesquisarmos...

ler mais

Irmã Dulce e as metamorfoses da compaixão

Admirar a foto de Irmã Dulce flamulando na Basílica de São Pedro, no Vaticano, não tem preço. Escutar seu nome na cerimônia de canonização aqueceu nossos “brasileiros, brasileiros corações” com a certeza de que o reconhecimento é uma recompensa. A cerimônia trouxe os...

ler mais

O rosto autoritário do poder no Brasil

Outro dia, conversando sobre cultura e poder num workshop de lideranças com jovens executivos, comentei sobre as Capitanias Hereditárias e seus capitães donatários, um cargo administrativo do feudalismo tardio português atribuído a membros da nobreza que, por meio de...

ler mais

A modernização de empresas tradicionais é possível?

Já inicio o texto com a resposta a esta inquietante provocação: Não só é possível, como é necessária. No segundo mandato à frente da Santa Casa da Bahia, com 470 anos de história, posso lhes dizer que modernizar processos,  imagem, tecnologias e pensamentos, são...

ler mais

UM RESUMO DO ADTECH & DATA 2019

No último dia 27, aconteceu em São Paulo a edição de 2019 do AdTech & Data, o maior evento nacional sobre a área, e que é promovido pelo IAB Brasil. Na edição deste ano, chamou a atenção a participação de palestrantes internacionais, o que demonstra o...

ler mais

Brasil: como sair do labirinto?

Por raivas antigas, Minos, rei de Creta, resolveu castigar Atenas e seu povo com uma pena absurda e perversa: o envio por todos os anos de sete moças e sete rapazes para aplacar a fome do Minotauro, uma criatura com cabeça de touro e corpo humano, que residia num...

ler mais

junte-se ao mercado