>

Janeiro é o momento de consultar as pitonisas

jan/2018

A mídia é quem alimenta essas bobagens, desde tempos remotos quando um repórter se dava ao trabalho de ouvir Madame Beatriz e outras cartomantes e elas, sabendo isso, desde novembro do ano anterior já preparavam suas previsões que quase nunca se confirmavam, a não ser aquelas do tipo “um político importante vai morrer este ano” e obvio que isso ocorria. E isso bastava para no ano seguinte entrevistar de novo.

Mais tarde a mídia deixou para trás as pitonisas que foram perdendo credibilidade para ouvir outros futuristas que jogavam o Tarô, ou, liam os búzios, e assim e conscientes da fragilidade dessas previssões, mesmo assim a mídia insiste em ouvir todo fim e início do ano essas pessoas, antigamente chamadas de espertalhões; hoje como nada cobram, pelo menos para os veículos, o que vale é aparecer no jornal, ou, na TV. Bom para eles

Convenhamos que esse é o se papel e não tem culpa de serem consultados. O problema é da mídia que se esforça em ser cada vez mais banal e nem há necessidade disso que banal já é. Se ainda se publicam horóscopos nos jornais, um verdadeiro absurdo considerando que estamos no século XXI, por que não ouvir e publicar as previsões dos “futuristas”? Farinha do mesmo saco. Os jornais atendem o público que os compra. Se o horoscopo tem leitores e vende, por que não? Que dirá antecipar os fatos, melhor ainda.

Como eu já andei metido nesse engodo (aos 17 anos como foca de um jornal em Bogotá, minha cidade natal, uma das minhas funções era inventar o horóscopo, quando este não chegava em tempo, o que era frequente) tenho credibilidade e muita para fazer previsões sobre 2018. Aguardem aí enquanto olho a borra do café, fiz tão ralo que nem borra ficou, mesmo assim já estou enxergando coisas:

No mercado publicitário duas agências de propaganda fecharão as portas e surgirá uma nova que terá um profissional de criação à frente dela. A borra me diz que teremos uma recuperação dos negócios e que o mercado imobiliário voltará a anunciar, mesmo que devagarinho. A bendita borra escorrendo pela xicara me mostra uma imagem indefinida que parece muitas coisas. Significa que tudo pode acontecer em 2018, melhor ter cabeça fria para nada disso acontecer.

Deixei para o final o fundo da xicara. Sinceramente não sei se devo contar, ou não, o que vejo. Vamos nessa: haverá demissões em importantes agências da terrinha; funcionários não terão reajuste salarial em função da crise que ainda perdura; muita gente boa passará o ano se lamentando, dizendo que os negócios vão de mal a pior. Maus presságios, como se vê.

Fico por aqui que, de tanto mexer, a borra do café acabou. Significa que quando 2018 acabar estaremos desejando um 2019 melhor e quando este acabar um 2020 melhor e assim por diante. Sinal de uma eterna insatisfação. Faz sentido. Afinal não somos publicitários, somos masoquistas.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Gestão, a prioridade da saúde em 2019

O fim do ano é um período em que pessoas e organizações se planejam e traçam os projetos para o novo ciclo que se inicia. Na área da saúde não é diferente, sobretudo em um ano com tantas mudanças. O que acontece na esfera política, por exemplo, tem influência direta...

ler mais

A bunda de Papai Noel

Passei a semana olhando a bunda de Papai Noel. Todo mundo olha a barba e a barriga, repara no gorro e na cadeira onde está sentado, olha de soslaio para a decoração em volta, mas ninguém repara na bunda. Para corrigir esse imperdoável desleixo é que fui de shopping em...

ler mais

Quociente espiritual: o terceiro quociente humano

Em estudos mercadológicos e diagnósticos organizacionais que realizei nos últimos anos, venho observando “algo especial” permeando o discurso de lideranças de grandes empresas. Até início do século XX, o QI (quociente de inteligência) era a referência para mensuração...

ler mais

O que você quer ser quando envelhecer?

As conquistas da ciência e da tecnologia alteraram os ciclos da vida humana. As estatísticas comprovam exaustivamente como, ao longo do século 20, décadas de vida foram agregadas a nossa existência. A finitude foi deslocada para a frente: estamos em plena revolução da...

ler mais

Antecipação precoce

Vivemos antecipadamente o que deveria ter outro tempo. Tornou-se uma prática tão comum que mal nos damos conta disso. Antecipamos o natal com os shoppings center exibindo as suas decorações de época desde a última semana de outubro; antecipamos o Black-Friday na...

ler mais

Como criar uma seita em oito passos

Há quase trinta anos que trabalho com grupos em organizações pelo Brasil. Uso os óculos teóricos da psicologia do trabalho e da antropologia para compreender e decifrar os problemas de relacionamento internos das tribos empresariais. Tenho observado uma atmosfera...

ler mais

junte-se ao mercado