>

Janeiro é o momento de consultar as pitonisas

jan/2018

A mídia é quem alimenta essas bobagens, desde tempos remotos quando um repórter se dava ao trabalho de ouvir Madame Beatriz e outras cartomantes e elas, sabendo isso, desde novembro do ano anterior já preparavam suas previsões que quase nunca se confirmavam, a não ser aquelas do tipo “um político importante vai morrer este ano” e obvio que isso ocorria. E isso bastava para no ano seguinte entrevistar de novo.

Mais tarde a mídia deixou para trás as pitonisas que foram perdendo credibilidade para ouvir outros futuristas que jogavam o Tarô, ou, liam os búzios, e assim e conscientes da fragilidade dessas previssões, mesmo assim a mídia insiste em ouvir todo fim e início do ano essas pessoas, antigamente chamadas de espertalhões; hoje como nada cobram, pelo menos para os veículos, o que vale é aparecer no jornal, ou, na TV. Bom para eles

Convenhamos que esse é o se papel e não tem culpa de serem consultados. O problema é da mídia que se esforça em ser cada vez mais banal e nem há necessidade disso que banal já é. Se ainda se publicam horóscopos nos jornais, um verdadeiro absurdo considerando que estamos no século XXI, por que não ouvir e publicar as previsões dos “futuristas”? Farinha do mesmo saco. Os jornais atendem o público que os compra. Se o horoscopo tem leitores e vende, por que não? Que dirá antecipar os fatos, melhor ainda.

Como eu já andei metido nesse engodo (aos 17 anos como foca de um jornal em Bogotá, minha cidade natal, uma das minhas funções era inventar o horóscopo, quando este não chegava em tempo, o que era frequente) tenho credibilidade e muita para fazer previsões sobre 2018. Aguardem aí enquanto olho a borra do café, fiz tão ralo que nem borra ficou, mesmo assim já estou enxergando coisas:

No mercado publicitário duas agências de propaganda fecharão as portas e surgirá uma nova que terá um profissional de criação à frente dela. A borra me diz que teremos uma recuperação dos negócios e que o mercado imobiliário voltará a anunciar, mesmo que devagarinho. A bendita borra escorrendo pela xicara me mostra uma imagem indefinida que parece muitas coisas. Significa que tudo pode acontecer em 2018, melhor ter cabeça fria para nada disso acontecer.

Deixei para o final o fundo da xicara. Sinceramente não sei se devo contar, ou não, o que vejo. Vamos nessa: haverá demissões em importantes agências da terrinha; funcionários não terão reajuste salarial em função da crise que ainda perdura; muita gente boa passará o ano se lamentando, dizendo que os negócios vão de mal a pior. Maus presságios, como se vê.

Fico por aqui que, de tanto mexer, a borra do café acabou. Significa que quando 2018 acabar estaremos desejando um 2019 melhor e quando este acabar um 2020 melhor e assim por diante. Sinal de uma eterna insatisfação. Faz sentido. Afinal não somos publicitários, somos masoquistas.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

Da Paternidade à Filantropia

Ao me tornar pai, já imaginava que minha vida ia passar por transformações, mas jamais da forma como aconteceram. Aos nove anos, meu filho foi diagnosticado com câncer. Travamos uma batalha que felizmente foi vencida e, a partir daí, uma nova força foi gerada. Durante...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

20 anos da ABMP

Toda entidade de classe nasce de uma necessidade, ou, de uma provocação. A ABMP nasceu das duas. A necessidade foi a de se constituir uma entidade que reunisse todos os segmentos da comunicação. Existia um precedente, a AP-Bahia (sigla de Associação de Propaganda da...

ler mais

Dois de Julho

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

junte-se ao mercado