>

Janeiro é o momento de consultar as pitonisas

jan/2018

A mídia é quem alimenta essas bobagens, desde tempos remotos quando um repórter se dava ao trabalho de ouvir Madame Beatriz e outras cartomantes e elas, sabendo isso, desde novembro do ano anterior já preparavam suas previsões que quase nunca se confirmavam, a não ser aquelas do tipo “um político importante vai morrer este ano” e obvio que isso ocorria. E isso bastava para no ano seguinte entrevistar de novo.

Mais tarde a mídia deixou para trás as pitonisas que foram perdendo credibilidade para ouvir outros futuristas que jogavam o Tarô, ou, liam os búzios, e assim e conscientes da fragilidade dessas previssões, mesmo assim a mídia insiste em ouvir todo fim e início do ano essas pessoas, antigamente chamadas de espertalhões; hoje como nada cobram, pelo menos para os veículos, o que vale é aparecer no jornal, ou, na TV. Bom para eles

Convenhamos que esse é o se papel e não tem culpa de serem consultados. O problema é da mídia que se esforça em ser cada vez mais banal e nem há necessidade disso que banal já é. Se ainda se publicam horóscopos nos jornais, um verdadeiro absurdo considerando que estamos no século XXI, por que não ouvir e publicar as previsões dos “futuristas”? Farinha do mesmo saco. Os jornais atendem o público que os compra. Se o horoscopo tem leitores e vende, por que não? Que dirá antecipar os fatos, melhor ainda.

Como eu já andei metido nesse engodo (aos 17 anos como foca de um jornal em Bogotá, minha cidade natal, uma das minhas funções era inventar o horóscopo, quando este não chegava em tempo, o que era frequente) tenho credibilidade e muita para fazer previsões sobre 2018. Aguardem aí enquanto olho a borra do café, fiz tão ralo que nem borra ficou, mesmo assim já estou enxergando coisas:

No mercado publicitário duas agências de propaganda fecharão as portas e surgirá uma nova que terá um profissional de criação à frente dela. A borra me diz que teremos uma recuperação dos negócios e que o mercado imobiliário voltará a anunciar, mesmo que devagarinho. A bendita borra escorrendo pela xicara me mostra uma imagem indefinida que parece muitas coisas. Significa que tudo pode acontecer em 2018, melhor ter cabeça fria para nada disso acontecer.

Deixei para o final o fundo da xicara. Sinceramente não sei se devo contar, ou não, o que vejo. Vamos nessa: haverá demissões em importantes agências da terrinha; funcionários não terão reajuste salarial em função da crise que ainda perdura; muita gente boa passará o ano se lamentando, dizendo que os negócios vão de mal a pior. Maus presságios, como se vê.

Fico por aqui que, de tanto mexer, a borra do café acabou. Significa que quando 2018 acabar estaremos desejando um 2019 melhor e quando este acabar um 2020 melhor e assim por diante. Sinal de uma eterna insatisfação. Faz sentido. Afinal não somos publicitários, somos masoquistas.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

A segunda tela aumenta a eficiência da TV

Estudo revela que o consumo da chamada segunda tela (celulares e tablets) durante o tempo em que pessoas assistem TV aumenta a eficiência da publicidade neste meio Ao contrário do mito que se estabeleceu desde o crescimento do uso da chamada segunda tela (celulares e...

ler mais

Lições de marketing numa feira de livros

O que está havendo com as livrarias e o comércio de livros? Foi-se o tempo das pequenas livrarias charmosas e aconchegantes, bem diferentes das mega stores de livros dos  shoppings centers. Será que as pessoas ainda compram e leem livros? Quais as novas estratégias de...

ler mais

Cadê a Copa?

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando. Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas...

ler mais

Voluntariado e as relações humanas

Desde quando me envolvi com o mundo da filantropia, há mais de 30 anos, na fundação do GACC-BA, passei a compreender o real valor do trabalho desenvolvido por voluntários. De lá pra cá, sobretudo com o envolvimento com outras instituições, tenho a convicção do quão...

ler mais

Narcisos digitais

Nas últimas décadas a humanidade passou a conjugar o verbo conectar e compartilhar com outra semântica. Compartilhamos e nos conectamos todos os dias na internet, teia que se tornou a principal plataforma de relacionamento, de business, de comunicação, de aprendizagem...

ler mais

Uma historinha para cobrir a falta de assunto

Definitivamente estou sem assunto e isso me preocupa. Quando falta assunto é por que sobra preguiça, mas, para vocês não saírem por aí me imputando esse pecado capital, melhor eu contar uma historinha, juro que não é ficção, ou, mais de uma, por que não? Aconteceu em...

ler mais

junte-se ao mercado