Janeiro, fevereiro e março

jan/2019

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano novo) e para o passado (o ano velho). Fevereiro não era tão alvissareiro assim, o seu nome derivou de Fébruo o Deus dos Etruscos associado à morte, era nesse período que os etruscos praticavam seus sacrifícios rituais. E março se originou de Marte, o Deus Romano da guerra, na Europa era o primeiro mês da Primavera, quando os romanos iniciavam suas campanhas militares.

No mundo ocidental conservamos essas denominações, mas, a ninguém lhe ocorreu assimilar a sua simbologia, ainda bem. No Brasil o período de janeiro a março se chama de fato e de direito Carnaval e na Bahia não é diferente. O espírito de Momo comanda os ambientes profissionais e de entretenimento e é claro a comunicação, direcionada para esse consumidor mais relaxado e em busca de produtos e serviços referenciados com o tempo de festas, divertimentos, praia, verão, tudo… Ou seja Carnaval.

Carnaval, entendido nesse contexto, de período de festas, é uma oportunidade de alavanca de vendas. O varejo e o segmento de turismo e de entretenimento são os maiores beneficiados, movimentam grandes verbas, porém apenas uma mínima parcela passa pelas agências de propaganda. Apenas a parte que diz respeito ao ponto de venda.: supermercados e shopping centers. O Live Marketing tem mais oportunidades do que as agências de publicidade de ampliar o seu faturamento, nesta época, com ações de ativação para marcas multinacionais e nacionais que focam no verão e Carnaval.

Diferente do que deveria ser as agências de propaganda nesta época do ano e ainda prevalecendo a recessão no mercado imobiliário, tem menos oportunidades do que no resto do ano que podemos jogar os 9 meses restantes num saco e chamar de inverno. No inverno temos felizmente as datas promocionais que impulsionam o varejo, o nosso maior segmento de mercado, e as verbas públicas, tímidas no verão, com exceção da divulgação turística e de serviços no Carnaval, se expandem.

Se para os romanos de Roma março era o mês simbólico para o início de suas campanhas militares, para os romanos da propaganda é o mês que tem que acabar logo para o início de outras campanhas: a busca de oportunidades e a guerra para convencer o cliente que a recessão já está passando, ao menos assim parece, e é hora de voltar a anunciar.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Coerência na essência

Sempre digo que de nada vale a teoria sem a prática. Isso se aplica ao “meu mundo da coleta e análise de dados” mas, essencialmente, se aplica à vida. As tendências nos levam para inovação, inclusão, equidade, diversidade... e então, as empresas e seus profissionais...

ler mais

Os afetos secretos do Natal

Qual dos Natais que está ganhando mais espaço na preferência das pessoas? O Natal-cultural, com ceia em família, a árvore e pisca-pisca na sala, os amigos-secretos, festas de firma, partilha de presentes? Ou será o Natal-fim-do-ano-fiscal, com fechamento do balancete...

ler mais

A dança dos vampiros no mundo do trabalho

Ouvi este surpreendente relato quando dava treinamento para trabalhadores de uma indústria calçadista gaúcha, creio que em 2008. Era fim de expediente e estávamos a psicóloga Irene, dois gerentes de Gestão de Pessoas e eu numa conversa informal, quando Felipão, um dos...

ler mais

Sobre Valores e Valores

Entre as décadas de 80 e 90, uma empresa chamada Talent estava entre as 15 maiores agências de propaganda do país. Para quem não sabe, a Talent foi responsável por criar, durante os anos 80, o clássico “Bonita Camisa Fernandinho” para a marca de Camisas US Top e a...

ler mais

O que querem os negacionistas?

Roque de Itaparica foi o primeiro negacionista com que me deparei em minha vida. Nativo da ilha de Itaparica, era um simpático aguadeiro que ganhava a vida descendo e subindo as ruas calçadas de paralelepípedos da pequena cidade praieira, ainda isenta de carros. Ia de...

ler mais

junte-se ao mercado