Lições aprendidas de dentro de casa!

abr/2020

Há quase 20 dias eu me mudei, para a minha própria casa! Agora vivo aqui, 24 horas por dia, de onde eu escrevo este texto!  O lar virou o meu refúgio, um porto seguro, o local de trabalho, o espaço de lazer e de descanso.  Nunca imaginei que de dentro da minha casa eu aprenderia tanto a meu respeito, sobre a minha relação com o trabalho e com as pessoas.  Acordo todos os dias, com um objetivo claro. Fazer com que a minha rotina, mesmo que de dentro de casa, seja a mais normal possível. Mantenho as minhas atividades regulares, antes de começar a trabalhar. E, ao invés de me deslocar para outro endereço, mudo de ambiente dentro de casa.  Escolhi um lugar para trabalhar, fiz da sacada o meu escritório, e é aqui que produzo todos os dias. Escolhi manter o espírito, que temos na Kantar IBOPE Mídia, de “open space” e “free address”. E assim, mudo a posição da minha cadeira de um dia para o outro para ter um olhar diferente sobre o espaço.   Em dias ensolarados, me viro para a janela onde um horizonte bem menos poluído me oferece uma certa indulgência sobre os tempos em que vivemos.  Assim, como acontecia antes da quarentena, começo o meu dia laboral preparando o meu espaço: a garrafinha de água do meu lado, celular sempre à mão, notebook ligado. Em seguida checo a agenda repleta de reuniões internas, com clientes e com parceiros.   Estou pronta para a jornada do dia! Aparentemente este contexto mostra pouca diferença em relação à rotina de algumas semanas atrás, mas logo os primeiros dias de confinamento, me mostraram uma mudança fundamental no meu papel de executiva ao ver toda a gestão do negócio, sem exceção, sendo feita de maneira remota. De 1 a 2 dias de “home-office” previstos na política da empresa, hoje temos 100% de nossos colaboradores trabalhando de casa, os 5 dias da semana. Em tão pouco tempo, aprendi que é possível fazer a gestão de maneira remota e que alguns princípios e recursos são fundamentais! É preciso ter disciplina de agenda, sistemas integrados e VPNS. Plataformas de conferências com áudio e vídeo funcionando precisam funcionar perfeitamente, assim como a interação frequente e transparente entre gestores e times e as equipes de atendimento com clientes. As reuniões precisam estar organizadas e serem mais objetivas onde é preciso ouvir mais e esperar a vez do outro falar, entre tantas outras coisas. Ao criar um ambiente favorável para o trabalho, apesar do distanciamento físico, conseguimos ir mais além do funcional e operativo. Gradativamente vamos transformando o medo em energia produtiva com novas soluções criativas e decisões para problemas inesperadas. Fruto do engajamento de gestores e equipes em torno de um objetivo comum, confiança mútua e espírito colaborativo. Pode parecer um contrassenso, em um ambiente em que as pessoas estão isoladas, mas nunca foi tão importante construir e fortalecer relações. Sabemos que esta fase vai passar! Não sabemos em quanto tempo, mas seguramente nada será igual a antes. Aprendemos que o trabalho remoto, até por uma questão de qualidade de vida e de produtividade pode e deve fazer, cada vez mais, parte do nosso dia-a-dia. Podemos intensificar a prática ou mesmo estende-la a outras áreas da empresa. Por outro lado, daremos mais valor aquilo que hoje nos faz tanta falta.  Um bom-dia caloroso, o sorriso de quem passa pelo corredor, o cafezinho sem compromisso no meio da tarde acompanhando  das mais incríveis ideias, uma pausa para um descontraído almoço com os colegas de trabalho, uma visita sem agenda a um parceiro ou a um cliente onde a conversa leva ao desenho de um novo projeto, os eventos de mercado onde nos reunimos para discutir o novo,  ou simplesmente para nos vermos. A vida dentro de casa pode ser boa, mas a vida lá fora é muito melhor!  
Melissa Vogel

Melissa Vogel

Colunista

CEO da Kantar IBOPE Media Brasil
Mais artigos

Cinco fantasmas que você enfrentou na quarentena

Todos vimos alguma vez um cachorro acorrentado em um fundo de quintal e a placa de alerta: “Cuidado, cão feroz”. O animal se esgoela de tanto latir, ganir, dá saltos em vão e só cessa de avançar quando a corrente garroteia seu pescoço e o sufoca. Para, descansa, ofega...

ler mais

Potência e inspiração: a Pessach judaica e a Páscoa cristã

Assisti à minissérie alemã “Nada ortodoxa”, da Netflix. Conta a história de Ester Shapiro, uma jovem judia que se rebela e foge de sua comunidade ultra ortodoxa e tradicionalista, em Nova Iorque, para traçar seu próprio destino em Berlim. A minissérie traz a riqueza...

ler mais

Coronavirus e medos líquidos

Corona vírus, ameaças à democracia, milícias, fanatismo, terrorismo, crise climática, culto à ignorância, etc., são fenômenos do tempo presente que tem produzido medo, ansiedade e disseminado muita inquietação. Lembrei de um livro do famoso sociólogo Z. Bauman - Medo...

ler mais

Na moral, ainda vale a pena apostar na Ética?

Três são as acepções que costumo escutar sobre a palavra Ética entre alunos dos cursos nos quais leciono, há quase três décadas. Introduzo a disciplina com a técnica do brainstorm ou livre associação e irremediavelmente aparecem definições que confundem...

ler mais

Diversidade: abra suas asas sobre nós

É falar de diversidade e me vem à mente a Bahia, minha terra, com seus ecossistemas e ecologias ocupados por tão diferentes antropologias. Com um território maior do que o da França e a maior faixa de litoral atlântico do Brasil, o estado possui miríades de  rostos,...

ler mais

junte-se ao mercado