Mexa esses neurônios gordos.

fev/2017

Sim, estamos todos nesse mesmo barco, observando atordoados naves espaciais voando sobre nossas cabeças. Não sei você, mas essa é a sensação que percebo na maioria dos publicitários do século passado, eu incluso. De repente, acabou toda a nossa tranquilidade de receber um briefing bem comportado, com objetivo relativamente claro, pra apenas traduzir em algo criativo e “vendedor”. Bons tempos. Nada de métricas, nenhum compromisso sério com metas. Não que este modelo de atirar no escuro não seja ainda o padrão de uma série de jobs que recebemos. O problema é que eles já não servem mais como serviam antes. Essas campanhas perderam eficiência e não preciso repetir o porquê, pois você já deve estar cansado dessa conversa apocalíptica. A audiência mudou, o público está mais difícil de ser encontrado de bobeira por aí e, pior, parece desprezar as mensagens old fashion, tal qual rechaçamos a presença daquele vendedor chato que nos aborda durante as compras no shopping.

Nossa sorte é que neurônio serve pra tudo. Numa era em que tudo muda o tempo todo, nada mais poderoso que a criatividade pra criar o porvir (palavra retrô, né?). Nosso cérebro ainda pode ser muito útil para redesenhar processos e negócios, colaborar no design de produtos e serviços, descobrir novos canais pra chegar mais fácil e rápido ao coração do consumidor, antecipar suas necessidades com um olhar mais sensível sobre toda essa miríade de informações hoje disponíveis,  e chegar a insights originais como sempre fizemos, ou seja, inovar. Talvez assim nós possamos exercer a plenitude da nossa alcunha: criativos.

Agora só depende de você. Temos sempre a opção de usufruir dos últimos frutos da cansada galinha dos ovos de ouro e viver da propaganda tradicional por mais alguns anos. Ou podemos turbinar a nossa massa cinzenta com novos estímulos, estudando obcecadamente. Particularmente, com toda humildade, tenho muito orgulho de ter voltado ao banco de escola e ter aprendido com meus ex-alunos e até com alguns alunos deles. Também tenho aberto a cabeça a fórceps pra entender o que dizem meus sábios colegas millennials. No mais, é viver e não ter a vergonha se der feliz. Perguntar sempre foi a minha melhor estratégia pra tudo na vida. Não temos, nem nunca tivemos, obrigação de saber tudo. Mas podemos sempre aprender qualquer coisa, se formos suficientemente curiosos.

Pois é. Se quiser mudar de fase e ganhar vidas, atualize esse aplicativo que você tem aí atrás dos olhos.  Se jogue.

João Dude

João Dude

Convidado

Diretor de Planejamento da Leiaute Propaganda. Foi sócio-diretor de criação da Única Comunicação de 1995 a 2012, formado em Publicidade e Propaganda pela Universidade Católica do Salvador, pós-graduado em Marketing e especialista em Comunicação pela Escola Superior de Propaganda e Marketing – ESPM. Inspirado pelo curso de inovação da Perestroika – Escola de Atividades Criativas. Foi diretor da Academia de Neurônios, empresa de desenvolvimento de conteúdo, entre 2003 e 2005 e professor de cursos de graduação e pós-graduação em diversas instituições.

Mais artigos

Sobre Havana

  Fidel está morto? Havana está viva, quente e eloqüente. Extremamente movimentada, a madrugada da cidade revela uma vida insuspeita. Longos deslocamentos a pé reúnem pessoas em diversos pontos, em frente a teatros magníficos, boites, cafés cantantes. De dia,...

ler mais

A Ressurreição da comunidade

A Páscoa é a festa maior do calendário cristão, mas grande parte dos seus mistérios e símbolos vieram da Páscoa judaica, do Antigo Testamento. O cristianismo herdou e transfigurou tudo, atribuiu novos significados à Pessach (passagem) liderada por Moisés, o líder...

ler mais

Anos 70 na Bahia. E eu fazendo o que por aqui?

Falar dos anos 70 na Bahia, tema do livro coordenado pelo querido amigo Sérgio Siqueira e o escritor Afonso Costa, lançado este mês, não é conversa para menores e já vou aqui me desculpando por isso #SQN. Imagine você leitor se a obra fosse lançada naqueles idos onde...

ler mais

Marketing Político: O jogo a isca

A política no Brasil está mais para um doc drama do que para ideologia. O mais importante não é o que é e sim o que parece ser, e todos os marqueteiros carregam nas tintas, sabendo que num país com pouca cultura e educação, a emoção vale muito mais que a razão e as...

ler mais

O mercado publicitário no labirinto do Minotauro

As águas de março no Brasil de 2017 andam turvas e opacas, suas margens se encontram tão devastadas e tristes quanto as do Rio Doce, após o desastre em Mariana. Causas múltiplas, vem de anos de governos sem ética e possuídos de delírios de grandeza. Resultou na atual...

ler mais

Papel ou não papel. Não é essa a questão.

Estamos em março de 2017 e, olhando aqui para o papel em branco, me lembrei dos meus primeiros dias de aula na faculdade. Era março de 1996 e, numa aula de Teoria da Comunicação, um profético professor sentenciou: “O papel vai acabar”. E me lembrando ainda de McLuhan...

ler mais

junte-se ao mercado