Mudança, um jargão surrado e vazio

nov/2019

O conceito de mudança está presente em toda campanha eleitoral. Candidato de oposição é sempre o candidato da mudança; candidato da situação foi o candidato da mudança um dia. A mesma “mudança” que o elegeu é a que o ameaça na eleição seguinte. Só que, ao pesquisarmos a percepção do eleitor, vamos sempre ouvir que nada mudou e que nada nunca muda, na verdade. É por isso que, contraditoriamente, o conceito se repete, alimentando uma falsa expectativa e levando sempre às mesmas frustrações. O cerne do problema está no fato de que para a massa de eleitores, mudança se mantém ligada à questões operacionais, apenas. Perguntado sobre o que significa mudança, o eleitor mais simples responderá que é “parar de roubar” e “olhar para os mais necessitados”. Convenhamos que, para uma república que vai completar 130 anos, é incrível que a expectativa se mantenha tão rasa, associada apenas às consequências e não às causas das distorções sociopolíticas. As razões dessa pobreza de avaliação são diversas mas duas parecem ser as mais evidentes: as repetidas más experiências do eleitor com as candidaturas vitoriosas e a sua absoluta falta de cultura geral, que impede que ele perceba a ideia de mudança atrelada a contextos históricos, geográficos e filosóficos e que compreenda que as transformações são bem mais do que produtos de resultados de eleições, mas de uma mobilização social permanente guiada pelo conhecimento. Essa ignorância a respeito do encadeamento dos fatos no tempo e no espaço acaba justificando uma baixa qualidade na oferta de candidaturas. Se o padrão de exigência do eleitor repousa numa objetividade simplória, serão raríssimos os candidatos preocupados com uma formação que sustente um discurso consistente, responsável e crível. A maioria dos políticos simplesmente não sente falta dela, preferindo repetir a ladainha de sempre. Infelizmente, sustentar o discurso de campanha num ideário de qualidade e que guiará uma gestão eficaz, ainda parece utopia para os padrões eleitorais e de governança pública no Brasil. Um sopro de esperança, no entanto, vem do movimento de algumas lideranças da sociedade, focado na criação de ambientes voltados para a formação de quadros capazes de promover uma renovação política. Uma iniciativa louvável, sem dúvida, e que já tem seus representes no Congresso e em alguns cargos executivos. Mas que não vai funcionar se não for acompanhada de um investimento pesado na Educação do povo brasileiro. É a capacitação intelectual do eleitor para o exercício de escolhas criteriosas o que vai promover uma verdadeira mudança no país. E permitir que se enterre de uma vez esse jargão eleitoreiro surrado, que trata de uma mudança que nunca mudou nada.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

O que querem os negacionistas?

Roque de Itaparica foi o primeiro negacionista com que me deparei em minha vida. Nativo da ilha de Itaparica, era um simpático aguadeiro que ganhava a vida descendo e subindo as ruas calçadas de paralelepípedos da pequena cidade praieira, ainda isenta de carros. Ia de...

ler mais

Home office: hóspede da casa, intruso no lar

A crise precipitada pelo novo coronavírus forçou as empresas a redesenhar suas operações e reinventar a forma como suas equipes trabalham. Por conta das novas regras de distanciamento e isolamento social, muitas organizações tiveram de admitir o home office e o...

ler mais

Quando isolamento rima com amadurecimento

Foi uma bela surpresa para os produtores e artistas do filme O Náufrago, de Robert Zemeckis, de 2000, estrelado por Tom Hanks, passado quase inteiramente na praia de uma ilha deserta, conseguir alcançar um estrondoso sucesso de bilheteria e crítica. O filme tinha de...

ler mais

Fazer o luto, fazer a luta

O enterro de meu irmão mais velho, vítima de Covid, me levou a viver de perto a triste faceta da lógica de regressão e desumanização que está em curso em nosso país, em tempos de pandemia.   Já no hospital, onde ele ficara isolado por duas semanas, ao identificar seu...

ler mais

Cinco fantasmas que você enfrentou na quarentena

Todos vimos alguma vez um cachorro acorrentado em um fundo de quintal e a placa de alerta: “Cuidado, cão feroz”. O animal se esgoela de tanto latir, ganir, dá saltos em vão e só cessa de avançar quando a corrente garroteia seu pescoço e o sufoca. Para, descansa, ofega...

ler mais

junte-se ao mercado