>

Mutações da “baianidade”

nov/2017

“A novidade veio dar à praia na qualidade rara de sereia, metade o busto de uma deusa maia, metade um grande rabo de baleia…a novidade era o máximo do paradoxo estendido na areia, alguns a desejar seus beijos de deusa, outros a desejar seu rabo prá ceia”.

E se a sereia da poesia de Gilberto Gil acima fosse a Bahia e sua ambivalente baianidade? Uma Bahia sob a forma de “paradoxo estendido na areia”, meio entidade mítica, mágica, mestiça e encantada e decantada e a outra metade, alvo de cobiça de muita gente desejosa de seu “rabo prá ceia”?

O paradoxo da sereia deusa maia com rabo de baleia pode nos ajudar a traduzir o velho conceito de baianidade – e celebrar o luto dos estereótipos que caducaram e não fazem mais sentido. Será que ainda tem alguma serventia se perpetuar uma generalização como “baianidade”? Tem sentido apostar nesta simplificação tosca em vez de encarar a extraordinária diversidade de culturas espalhadas em tantas e tão diferentes ecologias, em um território maior do que o da França, o Estado da Bahia?

O que os vaqueiros da zona da Caatinga têm a ver com os ribeirinhos sanfranciscanos? Ou os baiúchos da soja do oeste, de Barreiras e Luiz Eduardo Magalhães, têm a ver com o universo de cacau de S. Jorge dos Ilhéus e Itabuna? O que Porto Seguro e o povo do estremo sul tem a ver com os moradores do Recôncavo e suas cidades coloniais? Como ainda impor e reproduzir em todos estes rostos os clichês de Salvador?  A Bahia são muitas antropologias sobre muitas e diferentes ecologias. Um morador do sertão não se identifica com a Bahia das vilas e cidades dos 900 km de litoral atlântico.

Falar de baianidade, carioquice, mineiridade ou gauchismo não ajuda muito, é uma referência vaga. Sim, existem ideias compartilhadas socialmente, difundidas por grupos humanos que pensam, sentem e se comportam em determinado ambiente cultural. Somos uma multiplicidade de traços com marcas diferentes: etária, profissional, de gênero, nacional, adesão política, grupos de interesse, etc., que não serão uniformizados por mitos e estereótipos produzidos há décadas atrás.

Muito frequentemente, velhos espectros de baianidade reaparecem com ares de quem quer de volta o controle da projeção de identidade. Outro dia, caminhando com amigos turistas, admirei as imagens projetadas nas duas fortificações militares do século XVII que abraçam a bela praia do Porto da Barra, em Salvador: no Forte de Santa Maria são projetadas imagens do mago franco-baiano, o gênio da fotografia Pierre Verger, e, no Forte de São Diogo, a baianidade fascinante das gravuras de Hector Carybé. A obra destes dois sumos sacerdotes da baianidade é projetada nas paredes externas das antigas edificações, mas infelizmente – faça o teste, perguntando a quem passa – quase ninguém sabe do que se trata e quem eles são. Ao lado de suas majestades Jorge Amado e Dorival Caymmi, integraram o quarteto dos evangelistas da baianidade e propagaram durante décadas a representação da terra da felicidade, da tolerância religiosa e racial. O marketing na era carlista soube captar e transformar tudo isto em valor.

Estes conteudistas do imaginário da baianidade se empenharam em positivar o sincretismo religioso, realçando o lado exótico do misticismo, a alternância entre o sagrado e o profano, a sensualidade desculpabilizada e a expressividade corporal do povo mestiço cuja culinária é marcada pelo ardor das pimentas e do dendê. Sintam a “baianidade” nesta letra de Dorival Caymmi: a marca da malemolência. A letra do samba não combina em nada com o espírito neoliberal, a ideia de foco e proatividade, a postura de empreendedor. Vejam vocês:

O samba da minha terra deixa a gente mole, quando se canta, todo mundo bole, quando se canta, todo mundo bole, quem não pode também bole, quem não sabe também bole, quem é moço também bole, quem é rico também bole. quem é pobre também bole, quem não gosta de samba bom sujeito não, é ruim da cabeça ou doente do pé.

Magazines dos anos 50 e 60 do século XX como Manchete e O Cruzeiro e constatavam as características do baiano: altivez, charme, ludicidade, despojamento, informalidade, criatividade, hospitalidade e autoritarismo.

O saudoso e irreverente antropólogo da UFBA, Prof. Roberto  Albergaria sintetizou certa feita:

“…  somos  baianos  quando  nos  convém, quando  não convém,  somos  homem,  mulher,  ocidental,  ser  humano,  vivente  se  for  ecologista…  A identidade baiana  é  sempre  parcial  e  minoritária.  Mas,  no  mundo da  hipermídia,  da indústria  cultural,  da  cultura  do  entretenimento,  ela  é  conveniente”.

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.

Mais artigos

A segunda tela aumenta a eficiência da TV

Estudo revela que o consumo da chamada segunda tela (celulares e tablets) durante o tempo em que pessoas assistem TV aumenta a eficiência da publicidade neste meio Ao contrário do mito que se estabeleceu desde o crescimento do uso da chamada segunda tela (celulares e...

ler mais

Lições de marketing numa feira de livros

O que está havendo com as livrarias e o comércio de livros? Foi-se o tempo das pequenas livrarias charmosas e aconchegantes, bem diferentes das mega stores de livros dos  shoppings centers. Será que as pessoas ainda compram e leem livros? Quais as novas estratégias de...

ler mais

Cadê a Copa?

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando. Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas...

ler mais

Voluntariado e as relações humanas

Desde quando me envolvi com o mundo da filantropia, há mais de 30 anos, na fundação do GACC-BA, passei a compreender o real valor do trabalho desenvolvido por voluntários. De lá pra cá, sobretudo com o envolvimento com outras instituições, tenho a convicção do quão...

ler mais

Narcisos digitais

Nas últimas décadas a humanidade passou a conjugar o verbo conectar e compartilhar com outra semântica. Compartilhamos e nos conectamos todos os dias na internet, teia que se tornou a principal plataforma de relacionamento, de business, de comunicação, de aprendizagem...

ler mais

Uma historinha para cobrir a falta de assunto

Definitivamente estou sem assunto e isso me preocupa. Quando falta assunto é por que sobra preguiça, mas, para vocês não saírem por aí me imputando esse pecado capital, melhor eu contar uma historinha, juro que não é ficção, ou, mais de uma, por que não? Aconteceu em...

ler mais

junte-se ao mercado