Narcisos digitais

abr/2018

Nas últimas décadas a humanidade passou a conjugar o verbo conectar e compartilhar com outra semântica. Compartilhamos e nos conectamos todos os dias na internet, teia que se tornou a principal plataforma de relacionamento, de business, de comunicação, de aprendizagem e de entretenimento. Fluem avassaladoramente na rede os elementos da cultura digital que afetam toda a vida social, cultural e psíquica dos seres humanos, para o bem e para o mal. E fluem os egos famintos por twittes, fotos, selfies, likes e posts.

Está em curso uma epidemia de narcisismo e o smartphone virou o novo lago de Narciso.

A Nuvem de Zuckerberg paira sobre nós e nos empodera, fascina, desafia, manipula e armazena dados. Democratiza e facilita a criação, a publicação, provoca intercâmbios, mas por outro lado, empanturra alucinadamente nossa vida com imagens e palavras das quais não conseguimos extrair mais sentido com os velhos dispositivos cognitivos. É uma quantidade desproporcional de informações e não há como analisar, criticar, filtrar, não há tempo para refletir, nossos “sensores e capacidade biológica e cognitiva são inelásticos”, alerta Martha Gabriel (1), evoluem lentamente, ao contrário desta avalanche de dados que nos carrega rio abaixo.

As mídias digitais passaram a escancarar uma surpreendente variedade de carências humanas. Aos poucos ela se transformou em plataforma de narcisos, incentivando o culto a si mesmo, a overdose de imagens e iludindo os seguidores de ídolos com um universo paralelo, virtual e infantilizado.

O narcisismo não é um vilão em si mesmo, é um elemento fundamental para a constituição psíquica, uma etapa do desenvolvimento pessoal extremamente valiosa cujas inscrições servirão de lastro para a autoestima, o amor-próprio, a autoconfiança.  O lado patológico do narcisismo é quando se observa um ego muito excessivo, frequente, constante e centralizador.

Otto Rank, psicanalista e colega de Freud, via os narcisistas como aqueles que sentem “um apetite enorme e constante de serem admirados, que revelam sentimentos de superioridade, uma predisposição para a exploração, impulsividade e ausência de empatia e, talvez mais importante que tudo, uma agressividade retaliatória quando sentem que o seu ego inflacionado é, de alguma forma, ameaçado”.

Estariam as redes sociais deflagrando e reforçando uma epidemia de narcisismo? Somente avaliando os títulos de livros de especialistas em psicologia nos EUA já podemos comprovar que o tema é preocupante. Vejamos alguns deles: “Virtualmente você: os perigosos poderes da e-personalidade”, de Elias Abajoude, um psiquiatria de Stanford; “O self acossado: um modelo terapêutico para diferenciação”, do psicólogo clínico Robert Firestone; “A vida do Eu: a nova cultura do narcisismo”, de Anne Mane. “Geração Eu”, de W. Keith Campbell e o “O narcisismo epidêmico: vivendo na era do reconhecimento”, de Jean Twenge e W. Keith Campbell. Todos destacam o avanço do narcisismo.

Os autores do último livro avaliaram 37 mil estudantes universitários e se surpreenderam com o aumento dos traços de personalidade narcísica (“pessoas abusivamente privilegiadas, obcecadas por si mesmas e mal preparadas para a vida real”) que, coincidentemente, cresceram no ritmo similar ao das taxas da epidemia de obesidade, razão pela qual passaram a tratar o narcisismo como uma doença epidêmica de “egos demasiado gordos”.

O sobrepeso do ego dos narcisistas digitais acarreta implicações psicológicas e éticas de uma verdadeira obsessão com a autoimagem, com se a vida fosse passada num palco e  sua narrativa pudesse ser editada, photoshopada enquanto os outros não passam de meros seguidores.

Os recorrentes atentados com arma de fogo perpetrados em escolas nos EUA por jovens com dolorosas feridas narcísicas incentivaram as pesquisas sobre o tema. O Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais dos EUA aponta que os narcisistas procuram os locais ideais nos quais podem ganhar a sua tão necessária audiência.  E que audiência é mais propícia para aplaudir os narcisistas? Ora, as plataformas online: o melhor palco para quem sente urgência contínua de se autopromover, com a publicação frequente de selfies, baladas, viagens, pratos do almoço e os feitos épicos dos youtubers e influenciadores digitais. Como vemos, Narciso só gosta mesmo é de espelhos.

 

(1.  Gabriel, Martha. Você, eu e os robôs – pequeno manual do mundo digital. São Paulo: Atlas, 2018. Pg.31-33)

 

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.

Mais artigos

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

Próximo de propósito

Cada vez mais a conexão emocional às marcas tem emergido nas pesquisas como um elemento determinante no processo decisório. Se antigamente a identidade das marcas era basicamente construída a partir de uma mensagem emitida ao consumidor, hoje uma marca precisa se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Três aniversariantes

É hora de ascender as velhinhas e comemorar. Três importantes veículos de comunicação da terra comemoram este ano marcos cronológicos de sua fundação: Correio *, TV Aratu e Tribuna da Bahia. O Correio* que nasceu Correio da Bahia, em 15/01/1979, já festeja os seus 40...

ler mais

Comemorações Institucionais: 470 anos a serviço do bem

De acordo com dados do Sebrae divulgados no fim do ano passado, o percentual de sobrevivência de empresas no Brasil é preocupante. A cada quatro abertas, uma fecha antes de completar dois anos de existência no mercado. Estes 25% representam não apenas o momento atual,...

ler mais

Janeiro, fevereiro e março

Janeiro foi um mês consagrado ao Deus Janus, daí a sua denominação, divindade das portas e dos portões, é clara a simbologia da porta que abre um novo ciclo. A sua representação iconográfica era curiosa: um Deus olhando para frente e para trás, para o futuro (o ano...

ler mais

junte-se ao mercado