O cruel ritual da miséria

out/2019

Ela acorda às 4h da manhã para catar qualquer coisa que, por sorte, ao final do dia, lhe renda, pelo menos, o mínimo suficiente para comer naquele dia. O outro vive de catar mariscos à mercê da “mãe maré” – quando chove não tem pesca e, em casa, não se come. Vivem em ruas enlameadas, são humilhados nos postos de saúde e sua chance de estabelecer uma trajetória diferente na vida praticamente se anula diante de escolas sem professores. Atingidos em sua dignidade e estilhaçada a sua pouca esperança, esses eleitores se deparam com uma nova eleição no horizonte.

 

Se para alguns de nós, uma eleição é apenas mais uma eleição, dessas que sabemos, conformados, que por certo a maior parte das promessas não será cumprida, para uma grande parte da população, aquela que se debate cotidianamente com uma situação inimaginável para os mais favorecidos, uma eleição pode ter o peso da renovação da fé na vida. A fé, por vezes a única motivação que nos conforta enquanto sobrevivemos numa agonizante realidade. E os candidatos sabem disso. Ô se sabem.

 

Escutando, profissionalmente, muito de perto as populações, noto que, a dramaticidade do que é produzido a partir desse quadro se revela assombrosa, quando junta necessidade premente e cinismo eloquente. Promessas de campanha são feitas muitas vezes no único cômodo das casas, na sinceridade do olho no olho, diante da intimidade de uma xícara de café adoçado. O doce do café se convertendo em sabor de esperança e confiança de que as palavras ouvidas só podem ser verdades. Como não crer?  Mais do que isso: como conseguir não crer, se acreditar é o único alívio possível?

 

Compra de votos? Como ousa alguém no conforto da sua bolha, criticar quem “vende” o seu? A dinâmica das eleições carrega o peso de todo esse contexto. Falar em propostas, muitas vezes, parece mera encenação. Brinca-se na verdade é com as emoções e com a repactuação da fé perversamente renovada a cada eleição. Promete-se o mundo, se negocia com o possível e o improvável até que todos se conformam: “se fizesse ao menos um pouquinho por mim já estava bom”. A cultura da mendicância se alimenta do desespero. O “rouba, mas faz” parece algo bem legítimo e é, propositadamente, manipulado e alimentado no inconsciente da população. Na reta final dos mandatos, candidatos à reeleição distribuem umas migalhas, que são devoradas com voracidade pelos revestidos do conformismo, próprio daqueles que aceitam ter desejado muito além do merecido. Convencidos da sua invisibilidade e inutilidade, parecerá sempre que um pouquinho já lhes é o justo. Precisam se convencer disso. Precisam se contentar com isso. Afinal, perder a fé é perder o rumo da vida, perder o prumo e a força de seguir… até a próxima eleição.  

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing. Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.
Mais artigos

O que querem os negacionistas?

Roque de Itaparica foi o primeiro negacionista com que me deparei em minha vida. Nativo da ilha de Itaparica, era um simpático aguadeiro que ganhava a vida descendo e subindo as ruas calçadas de paralelepípedos da pequena cidade praieira, ainda isenta de carros. Ia de...

ler mais

Home office: hóspede da casa, intruso no lar

A crise precipitada pelo novo coronavírus forçou as empresas a redesenhar suas operações e reinventar a forma como suas equipes trabalham. Por conta das novas regras de distanciamento e isolamento social, muitas organizações tiveram de admitir o home office e o...

ler mais

Quando isolamento rima com amadurecimento

Foi uma bela surpresa para os produtores e artistas do filme O Náufrago, de Robert Zemeckis, de 2000, estrelado por Tom Hanks, passado quase inteiramente na praia de uma ilha deserta, conseguir alcançar um estrondoso sucesso de bilheteria e crítica. O filme tinha de...

ler mais

Fazer o luto, fazer a luta

O enterro de meu irmão mais velho, vítima de Covid, me levou a viver de perto a triste faceta da lógica de regressão e desumanização que está em curso em nosso país, em tempos de pandemia.   Já no hospital, onde ele ficara isolado por duas semanas, ao identificar seu...

ler mais

Cinco fantasmas que você enfrentou na quarentena

Todos vimos alguma vez um cachorro acorrentado em um fundo de quintal e a placa de alerta: “Cuidado, cão feroz”. O animal se esgoela de tanto latir, ganir, dá saltos em vão e só cessa de avançar quando a corrente garroteia seu pescoço e o sufoca. Para, descansa, ofega...

ler mais

junte-se ao mercado