O cruel ritual da miséria

out/2019

Ela acorda às 4h da manhã para catar qualquer coisa que, por sorte, ao final do dia, lhe renda, pelo menos, o mínimo suficiente para comer naquele dia. O outro vive de catar mariscos à mercê da “mãe maré” – quando chove não tem pesca e, em casa, não se come. Vivem em ruas enlameadas, são humilhados nos postos de saúde e sua chance de estabelecer uma trajetória diferente na vida praticamente se anula diante de escolas sem professores. Atingidos em sua dignidade e estilhaçada a sua pouca esperança, esses eleitores se deparam com uma nova eleição no horizonte.

 

Se para alguns de nós, uma eleição é apenas mais uma eleição, dessas que sabemos, conformados, que por certo a maior parte das promessas não será cumprida, para uma grande parte da população, aquela que se debate cotidianamente com uma situação inimaginável para os mais favorecidos, uma eleição pode ter o peso da renovação da fé na vida. A fé, por vezes a única motivação que nos conforta enquanto sobrevivemos numa agonizante realidade. E os candidatos sabem disso. Ô se sabem.

 

Escutando, profissionalmente, muito de perto as populações, noto que, a dramaticidade do que é produzido a partir desse quadro se revela assombrosa, quando junta necessidade premente e cinismo eloquente. Promessas de campanha são feitas muitas vezes no único cômodo das casas, na sinceridade do olho no olho, diante da intimidade de uma xícara de café adoçado. O doce do café se convertendo em sabor de esperança e confiança de que as palavras ouvidas só podem ser verdades. Como não crer?  Mais do que isso: como conseguir não crer, se acreditar é o único alívio possível?

 

Compra de votos? Como ousa alguém no conforto da sua bolha, criticar quem “vende” o seu? A dinâmica das eleições carrega o peso de todo esse contexto. Falar em propostas, muitas vezes, parece mera encenação. Brinca-se na verdade é com as emoções e com a repactuação da fé perversamente renovada a cada eleição. Promete-se o mundo, se negocia com o possível e o improvável até que todos se conformam: “se fizesse ao menos um pouquinho por mim já estava bom”. A cultura da mendicância se alimenta do desespero. O “rouba, mas faz” parece algo bem legítimo e é, propositadamente, manipulado e alimentado no inconsciente da população. Na reta final dos mandatos, candidatos à reeleição distribuem umas migalhas, que são devoradas com voracidade pelos revestidos do conformismo, próprio daqueles que aceitam ter desejado muito além do merecido. Convencidos da sua invisibilidade e inutilidade, parecerá sempre que um pouquinho já lhes é o justo. Precisam se convencer disso. Precisam se contentar com isso. Afinal, perder a fé é perder o rumo da vida, perder o prumo e a força de seguir… até a próxima eleição.  

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br

 

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing. Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.
Mais artigos

A revoada dos crachás: uma epidemia de demissões voluntárias

Começou nos EUA, mas já se espalhou por vários países. A mídia norte-americana se refere ao fenômeno como The great resignation traduzido como A grande renúncia.  É absolutamente alarmante o número de demissões voluntárias. Foi o psicólogo norte americano Anthony...

ler mais

O raso e o profundo

Causou frisson na turma quando o professor doutor José Itzigsohn anunciou que a avaliação final de sua disciplina seria um exame oral. Todos ficamos surpresos com aquela novidade, afinal as avaliações eram sempre seminários e resenhas. Ele era um catedrático de...

ler mais

A cidade pelo espelho retrovisor

Conversei bastante com motoristas de aplicativo nestes últimos 12 dias quando tive que deixar meu carro para reparos numa oficina. Matei a saudade do velho hábito de conversar com taxistas, sempre indagava as  queixas que eles mais ouviam dos passageiros. Agora,...

ler mais

Os Jogos Olímpicos de Tóquio e a Rosa de Hiroshima

A cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2020 me deixou impactado.  Sem clima de festa, sem estardalhaço, sem público, o evento transcorreu sereno como uma liturgia minimalista e intimista, com performances enraizadas em valores ancestrais. Os organizadores...

ler mais

Covid, finitude e velhice: o retorno das perguntas radicais

Não se envelhece para morrer, mas para saciar nossos corações de vida, diz o cardeal e poeta português dom José Tolentino de Mendonça em artigo que questiona a obsessão secular da humanidade em busca da juventude eterna. A pandemia escancarou ainda mais o drama da...

ler mais

junte-se ao mercado