O patrimônio cultural da Santa Casa da Bahia

jun/2019

A rica história e cultura de Salvador atravessaram continentes e oceanos até Macau, na China, onde fui convidado a apresentar o patrimônio cultural da Santa Casa da Bahia, durante o XXII Congresso Internacional das Misericórdias, realizado em maio. Foi um momento ímpar voltado a compartilhar de que forma a entidade contribui para a preservação da história da capital baiana e fomenta a cultura na cidade.

 

A Santa Casa da Bahia, fundada em 1549 – mesmo ano da cidade de Salvador – iniciou suas atividades como Hospital da Caridade e, por 200 anos, foi a única instituição a prestar assistência à população local. De lá pra cá, acumula um legado de 470 anos em ações de solidariedade nas áreas de saúde, educação, cultura e ação social.

 

Quando o assunto é cultura, a Santa Casa da Bahia atua em frentes que incluem o Museu da Misericórdia, o Centro de Memória Jorge Calmon, o Circuito Cultural do Cemitério Campo Santo e a manutenção de prédios históricos. São locais de grande relevância na conservação e democratização da cultura local, que contribuem na construção da identidade baiana e para a sustentação do turismo local, favorecendo a economia.

 

Situado no prédio tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 1938, o Museu da Misericórdia recebe em média 40 mil visitantes anualmente, que vão conhecer o acervo composto por cerca de 3800 obras entre pinturas, esculturas, azulejaria, prataria e mobiliário. No local, ainda temos a Igreja da Misericórdia, considerada um marco da arte portuguesa e um dos mais belos monumentos religiosos de Salvador.

 

Outro destaque deste patrimônio é o Circuito Cultural do Cemitério Campo Santo, maior representante da arte cemiterial do Estado, com mais de 200 obras catalogadas – entre elas, a Estátua da Fé, tombada pelo Iphan em 1966. A Santa Casa da Bahia também é responsável pelo Centro de Memória Jorge Calmon, local que possui acervo documental histórico do século XVII até os dias atuais, com 1.800 livros e mais de 1.000 caixas de documentos, que recebe pesquisadores, historiadores e visitantes de todo o mundo. Sua estrutura contempla um laboratório de digitalização, fundamental para o trabalho de preservação deste importante acervo. Destacam-se ainda os 11 livros de Banguê, reconhecidos pela Unesco no Programa Memória do Mundo, em 2009.

 

A instituição também mantém outros imóveis de inestimável valor cultural, como o prédio do Hospital Santa Izabel, construído no Século XIX, em estilo neoclássico, tombado pelo IPAC, desde 1984. E o Complexo da Pupileira, construído em 1840, também tombado desde 2002. Lá está localizada a Capela Nossa Senhora das Vitórias, construída no mesmo século em estilo neogótico tardio, um dos últimos exemplares da arquitetura religiosa com alpendre em ferro de Salvador.

 

Mas o desafio de manter estes espaços é grande. O pouco incentivo público captado é equivalente a apenas 15% do custo mensal do Museu da Misericórdia, por exemplo. Já o Centro de Memória e o Circuito Cultural são 100% mantidos pela Santa Casa da Bahia. Em momentos pontuais, projetos foram aprovados por Leis de Incentivo, mas a captação destes recursos não é simples. Além da grande concorrência com outros projetos culturais de maior apelo, como espetáculos de teatro, shows e o Carnaval, o poder decisório de muitas empresas é fora do estado, favorecendo a aprovação de projetos no eixo Rio-SP.

 

Nossa expectativa é que esse cenário mude, para que mais entidades, públicas e privadas, sejam sensíveis às questões culturais e históricas. A Santa Casa da Bahia acredita no potencial transformador da cultura e investe nisso como vetor fundamental para o desenvolvimento da nossa sociedade.

 

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Brasil: como sair do labirinto?

Por raivas antigas, Minos, rei de Creta, resolveu castigar Atenas e seu povo com uma pena absurda e perversa: o envio por todos os anos de sete moças e sete rapazes para aplacar a fome do Minotauro, uma criatura com cabeça de touro e corpo humano, que residia num...

ler mais

Os velhos paradigmas e o novo marketing digital

Já se tornou um clichê falarmos sobre as transformações provocadas pela popularização da internet e pela emergência das Redes Sociais Digitais. Estamos conectados 24 horas por dia, 7 dias por semana e utilizamos, com enorme naturalidade, recursos que há bem pouco...

ler mais

Eu odeio a Propaganda

O mundo mudou e está mudando. Todos os dias. E é obvio que a publicidade também muda, dentre outras ferramentas do marketing, está cada vez mais presente na vida das pessoas. Infelizmente. Eu disse e vale ressaltar: INFELIZMENTE. Não sei onde nós vamos chegar. Percebo...

ler mais

Conectando-se ao consumidor

Gestores quebram a cabeça, diariamente, na busca por estratégias que levem à fidelização às suas marcas.  Acreditar que, valendo-nos apenas da experiência em nosso ramo de atividade, podemos apostar que estamos fazendo as coisas direito, é subestimar a dinâmica dos...

ler mais

O tsunami, os elefantes e o futuro do trabalho

Moradores de zonas afetadas recordam que, dias antes da calamidade dos tsunamis na Tailândia, observaram as aves mais inquietas, voando em círculos, cães nervosos, latindo e correndo estranhamente de um lado a outro e o sumiço dos gatos de estimação. O que estaria...

ler mais

Gutenberg e sua startup no século 15

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para...

ler mais

junte-se ao mercado