O que uma das comunidades mais violentas do mundo pode nos ensinar sobre inovação?

dez/2021

O Caso da Comuna 13, Medellin – Colômbia

Quantas vezes nos perguntamos o que podemos fazer pelo mundo? Não importa se, quando falo de mundo, você lê planeta, ambiente, pessoas. Mas quantas vezes reclamamos do mundo e de como as coisas acontecem à nossa volta e quantas vezes, de fato, nos mexemos de forma consciente para que algo mude?

Se você colocar isso em uma balança, quem ganha?! O seu lado que reclama ou o seu lado que ajuda?

Acabo de chegar da Colômbia. Fui uma das painelistas da SheIs, Fórum Internacional sobre Inovação e Equidade de Gênero. E, claro, não poderia deixar de falar sobre o tema sem puxar o gancho do ESG ou a importância de um Capitalismo Consciente como um dos pilares para que ações de equidade de gênero aconteçam.

Muito se fala sobre o espaço de poder ocupado pelas mulheres atualmente, mas o que de fato se vê na prática? Quais empresas você conhece (de perto) que desenvolve políticas de igualdade de gênero e de governança com grande eficiência?

A verdade é que estamos todos aprendendo com o bonde andando.

Trago essa provocação neste espaço da LetsGo, justamente para que a gente possa pensar junto o que nós, como pessoas jurídicas, físicas, Estado e ONGs podemos fazer para inovar e solucionar problemas antigos com novas abordagens.

E assim como comecei a minha palestra em Barranquilla, uma das cidades mais portuárias da Colômbia, começo esse texto reforçando que: Inovação não é só tecnologia. Tecnologia é um dos meios por onde se inova. Inovação é o ato de tentar resolver um problema antigo com soluções novas.

Como exemplo, trago a Comuna 13, uma comunidade pacificada em Medellin, que depois de passar por anos de violência, brigas de facções, milícias, mortes de inocentes, população assustada, sequestros e diversas outras atrocidades que a rotularam como uma das cidades mais violentas do mundo, hoje respira ciência, tecnologia e inovação e está construindo o futuro da segunda maior cidade colombiana.

O grafite de rua, por exemplo, foi um dos pilares fundamentais para transformação local. E isso é inovação.

Hoje, a comunidade vive do turismo, do artesanato e dos moradores locais que fizeram de suas janelas, vitrines para vendas de produtos. Cada ladeira respira arte e história. Cada morador estampa nos olhos o sentimento de pertencimento e orgulho de ter se tornado uma das comunidades mais inovadoras do mundo.

Com Wi-Fi grátis por todos os lados e escadas rolantes que facilitam o sobe e desce da população e dos turistas, a comunidade tem bondinhos a cabo como meios de transporte que fazem boa parte da conexão entre as ruas da Comuna 13 e o centro da cidade de Medellin.

Subir, descer, se perder e conhecer os moradores e empresários locais, as crianças e toda a enxurrada de cultura e lição de superação que eles nos deram durante um dia inteiro, para mim, não tem preço.

 

A comunidade também tem um Centro de Inovação Social que participa ativamente da formação gratuita dos moradores e na construção coletiva da cidade, tendo como eixo central o trabalho colaborativo para enfrentar os desafios sociais que exigem ideias transformadoras.

Lá, a união do setor público, privado e academia dão força a um trabalho que é visível e palpável em cada esquina. É uma escola experiencial a céu aberto.

Não adianta termos políticas criminais apenas com ações de combate à violência. Precisamos pensar nas pessoas que estão ali e como reintegra-las de forma digna ao restante da sociedade.

Segundo os próprios moradores da comunidade, além de todo processo de pacificação, um dos fatores mais impactantes foi a mudança de consciência da população local e da sociedade como um todo. Uma mudança de mentalidade que aquece o coração e aumenta o sentimento de pertencimento das pessoas que vivem por lá.

Sabemos que problemas de igualdade de gênero, política ambiental, social e planetário não são assuntos novos para ninguém, mas de um tempo para cá, as organizações se colocaram ainda mais à disposição para discutir questões de ESG (Environmental, Social e Governance, em português: Ambiental, Social e de Governança). Mas e daí? Quero ver na prática.

O Estado também precisa inovar e avançar. Combater a criminalidade exige criatividade e muita inovação tecnológica, social e, principalmente de mindset. Não adianta termos políticas criminais apenas com ações de combate à violência. Precisamos pensar nas pessoas que estão ali e como reintegra-las de forma digna ao restante da população.

Precisamos inovar na forma de pensar em nosso mundo e nas pessoas que vivem nele.

 

Frase destaque: Inovação não é só tecnologia. Tecnologia é um dos meios por onde se inova. Inovação é o ato de tentar resolver um problema antigo com soluções novas.

 

Fotos:

  • Foto Mel Oliveira
  • Fotos Comuna13, Medellin – Colômbia
Mel Oliveira

Mel Oliveira

Colunista Convidada

Publicitária, Master em Negócios Internacionais pela Universitat Politècnica de Catalunya, Barcelona. Habilitada em E-Marketing pela Middlesex University, E-Branding pelo Chartered Institute of Marketing – Inglaterra – e Especialista em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas.

Atualmente é Empresária, Professora de Pós-Graduação, Sócia-Fundadora da Agência Converse, Business Agency focada em negócios digitais, Sócia-Fundadora da MChannel.Ad, empresa focada em tecnologia para o mercado de publicidade e Diretora Local do Founder Institute, uma das maiores aceleradoras de startups do mundo com sede no Vale do Silício.

Linkedin: https://www.linkedin.com/in/meloliveira/
Instagram: @meloliveirab
E-mail: meloliveirabo@gmail.com

Mais artigos

Para quê Diversidade?

O que as respostas revelam.   Uma das máximas do mundo da Publicidade, Propaganda e Marketing irá nortear este texto: "quais dores o seu negócio tira do mundo?". Isto porque, obviamente, podem existir – e existem – inúmeras possibilidades de respostas adequadas...

ler mais

A hora e a vez da favela

O fato de ser um filho da periferia de São Paulo despertou em mim desde cedo alguns questionamentos sobre o bairro em que morava, principalmente sobre a falta de acesso a itens essenciais para o desenvolvimento humano como saúde, boas condições de moradia, transporte...

ler mais

Máscaras de uma vida fragmentada

Antes de toda essa loucura de pandemia começar, quando eu ouvia alguém falar a palavra máscara a primeira coisa que vinha à minha mente era aquela música do Chico Buarque de Hollanda, “Noite dos Mascarados”, que diz mais ou menos assim: “Quem é você? Adivinha, se...

ler mais

Por que Diversidade?

A importância de fazer as perguntas certas   Diversidade se tornou um tema delicado, capaz de travar diálogos e cessar conversas. Muitos medos permeiam a temática, dentre eles – talvez o maior – o receio de uma fala equivocada gerar consequências, quase...

ler mais

Diversidade nas empresas: real ou fake?

Se você, sua empresa ou marca nunca ouviram falar do Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), saiba que estão perdendo grandes oportunidades de contribuir com o planeta, com as pessoas e, porque não dizer, com os negócios....

ler mais

Quem é o gênio da lâmpada

As conversas sobre o retorno ao trabalho presencial começaram a chamar muito minha atenção. Por motivos óbvios e outros nem tanto, há pessoas que simplesmente abominam a ideia de retornar à rotina do escritório. Desde março de 2020, quando a pandemia de covid-19 se...

ler mais

junte-se ao mercado