>

O que você quer ser quando envelhecer?

nov/2018

As conquistas da ciência e da tecnologia alteraram os ciclos da vida humana. As estatísticas comprovam exaustivamente como, ao longo do século 20, décadas de vida foram agregadas a nossa existência. A finitude foi deslocada para a frente: estamos em plena revolução da longevidade. Reaprender e reinventar o estilo de vida é o desafio necessário para atravessar a longa trajetória.

Em 1900, a vida humana se encerrava entre 35 a 40 anos, em 1945, a média de vida saltou para 43 anos. A redução da subnutrição, de epidemias e da mortalidade infantil, a ampliação das redes de saneamento urbano e a educação em massa expandiram o tempo da maturidade, exigindo um novo posicionamento. O nome dado a esta nova etapa é envelhescência.  

Artistas setentões como Maria Bethânia, Ney Matogrosso, Rita Lee, Caetano, Gilberto Gil se rebelaram em relação aos clichês da velhice de antigamente. Assim como eles, outros ageless se recusam a pendurar as chuteiras e ir para o estaleiro. Optam por gozar o bônus da longevidade, buscando injetar sentido ao novo do tempo do ciclo vital. Ageless não se aposentam de si mesmos, preservam sonhos e projetos. E nos lançam a questão: o que você quer ser quando envelhecer?

A nova longevidade se apresenta como uma conquista, mas também como ameaça. Além da decadência física e das perdas corporais e simbólicas, há o drama social de idosos de países cujas populações envelheceram antes de terem se desenvolvido, acumulado riqueza e aperfeiçoado seu sistema de previdência social.

É preciso criar proteção para a dignidade humana da pessoa velha. Além do fim dos negócios, da vida laboral, a diminuição da vitalidade vem acompanhada de perda de importância social. O Estatuto do Idoso protege de forma limitada as pessoas das vulnerabilidades do envelhecimento. E tudo se processa em um caldo de cultura que escamoteia a velhice e não dissimula sua obsessão pela jovialidade nas diversas modalidades de culto ao corpo, rejeição aos sinais da idade, etc. Tintura capilar, botox, máscaras anti-idade, cremes antirrugas, cirurgias plásticas, lipoaspiração compõem o kit da gerontofobia.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) estabelece quatro eixos para quem deseja preservar autonomia (posse de funções mentais) e independência (locomoção) na envelhescência.

Em primeiro lugar, tomar as rédeas da própria saúde e estabelecer limites à vida sedentária, ao descaso com o sobrepeso, ao consumo de álcool, tabaco e outras adições. Afinal, quem irá arcar futuramente com as consequências de uma existência inconsequente? Quem vai pagar a conta?

O segundo pilar foca na abertura à aprendizagem, ao conhecimento e ao credenciamento de novas competências cognitivas. As palavras de ordem são reinventar-se e reaprender: do manejo de novas tecnologias a modos de pensar.

O terceiro eixo: a construção de redes de relações, a preservação de antigas parcerias e a abertura a novos vínculos. Investir na vida social, fugir do casulo e do retraimento.

O quarto e último eixo é o cuidado da mente, o autoconhecimento e uma atenção crítica ao teor das próprias queixas. Cultivar lembranças pode ser uma arte, mas vira nostalgia quando dissimula comparação entre mundos. O risco maior é se construir uma memória fantasiosa sempre pronta para renegar o presente, o aqui e agora. Típico de quem repete o chavão “no meu tempo”, imenso equívoco.  Nosso tempo é agora.

Por minha conta, acrescento um quinto eixo: o da espiritualidade compartilhada. Observei largamente na trajetória de vida das matriarcas de minha família – mãe, avó e tias – o valor de uma fé vivida socialmente. Elas encontraram na comunidade de crença um sentido para a caminhada. Fosse em novenas e missas, quermesses e corais, fosse em obras assistenciais ou na contemplação estética da arte sacra e dos textos das escrituras, todas comungavam de uma espiritualidade vivida com sociabilidade, com partilha de símbolos e presença afetiva em rituais. Havia compaixão e resiliência na velhice das saudosas matriarcas.

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.

Mais artigos

Como criar uma seita em oito passos

Há quase trinta anos que trabalho com grupos em organizações pelo Brasil. Uso os óculos teóricos da psicologia do trabalho e da antropologia para compreender e decifrar os problemas de relacionamento internos das tribos empresariais. Tenho observado uma atmosfera...

ler mais

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

Lições de marketing numa feira de livros

O que está havendo com as livrarias e o comércio de livros? Foi-se o tempo das pequenas livrarias charmosas e aconchegantes, bem diferentes das mega stores de livros dos  shoppings centers. Será que as pessoas ainda compram e leem livros? Quais as novas estratégias de...

ler mais

Narcisos digitais

Nas últimas décadas a humanidade passou a conjugar o verbo conectar e compartilhar com outra semântica. Compartilhamos e nos conectamos todos os dias na internet, teia que se tornou a principal plataforma de relacionamento, de business, de comunicação, de aprendizagem...

ler mais

junte-se ao mercado