O respeito à flor da pele.

nov/2019

Há poucos dias resolvi fazer uma tatuagem. Em meio a repercussão do ato, uma amiga fez o seguinte questionamento: por que você resolveu marcar a sua pele com essa palavra? Naquele momento, minha resposta foi carregada de obviedades e, talvez por isso, não a tenha convencido. Passado o impacto causado pela audácia da pergunta, refleti que a tatuagem causaria menos estranheza se marcasse o nome dos meus filhos ou um grafismo qualquer. Mas escolhi a palavra “RESPEITO”. Por quê? No meu ponto de vista existem, pelo menos, três perspectivas que estão associadas a forma como as pessoas se relacionam consigo mesma, com o outro e com a sociedade. Peço licença ao leitor para, por meio de um exemplo pessoal, abordar um tema tão relevante também no âmbito corporativo.

O autoconhecimento e a autoconsciência proporcionam que possamos reconhecer nossos limites, crenças, valores e desejos. Um conjunto de forças que ajuda a compor a personalidade. Distraídas e, muitas vezes atuando no automático, as pessoas podem agir por desrespeitar os próprios sentimentos possibilitando, desta forma, o surgimento da frustação, insatisfação e tristeza. Você já presenciou colegas se deixarem levar até o limite e, ao se darem conta, estarem imersos em sentimentos negativos e contraditórios? Respeito próprio tem a ver com cuidar de si, do seu bem-estar e da forma como organiza as emoções. Tem a ver também com a barreira que se estabelece frente à opinião contrária emitida pelo outro. Porque auto respeito é saber comunicar nosso posicionamento frente às nossas individualidades e subjetividades. É problematizar a aceitação que concedemos ou não para que terceiros se manifestem contra nós com o objetivo de diminuir, descontruir e desvalorizar decisões e ações.

No mundo competitivo em que vivemos, o respeito não costuma emergir gratuitamente e saber impô-lo pode viabilizar ou dificultar o desenvolvimento profissional. Existe uma medida invisível e imprecisa que deve ser regulada. Alguns interlocutores demandam uma postura nossa mais forte que outros. Bem como algumas situações pedem uma sinalização de limite bem mais evidente. Essa medida precisa ser encontrada, especialmente em ambientes hostis que costumam ser permissivos com quem é, pensa ou age diferente. Particularmente, comemoro o fato da sociedade estar caminhando para maior respeito a diversidade. Muitas empresas já perceberam a riqueza que é conviver com profissionais dotados de variados perfis, histórias de vidas e até formações acadêmicas e culturais diversas.

Eu tatuei a palavra respeito em minha pele porque ela é o meu principal valor. Porque quero me lembrar todos os dias que para ser respeitada preciso impor respeito, respeitar o outro e a mim mesma. E você, se fosse tatuar um dos seus valores, qual seria?

 

Matéria publicada originalmente no Site Bahia Notícias na edição de 18 de junho de 2019.
Alessandra Calheira

Alessandra Calheira

Colunista

Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas, na linha de Cibercultura, pela UFBA; Especialista em Marketing pela ESPM e Publicitária pela UCSal. É sócia fundadora da Proxima e consultora para Gestão Educacional e Empregabilidade da Rede FTC. É ainda professora da Pós-Graduação da UNIFACS e colunista do Bahia Notícias.

Atuou como criativa e redatora publicitária quando foi laureada com um Leão no Festival Internacional de Cannes, com uma medalha no Clube de Criação de São Paulo, Top de Marketing da ADVB, entre outros.

Mais artigos

Mudança, um jargão surrado e vazio

O conceito de mudança está presente em toda campanha eleitoral. Candidato de oposição é sempre o candidato da mudança; candidato da situação foi o candidato da mudança um dia. A mesma “mudança” que o elegeu é a que o ameaça na eleição seguinte. Só que, ao pesquisarmos...

ler mais

Irmã Dulce e as metamorfoses da compaixão

Admirar a foto de Irmã Dulce flamulando na Basílica de São Pedro, no Vaticano, não tem preço. Escutar seu nome na cerimônia de canonização aqueceu nossos “brasileiros, brasileiros corações” com a certeza de que o reconhecimento é uma recompensa. A cerimônia trouxe os...

ler mais

O rosto autoritário do poder no Brasil

Outro dia, conversando sobre cultura e poder num workshop de lideranças com jovens executivos, comentei sobre as Capitanias Hereditárias e seus capitães donatários, um cargo administrativo do feudalismo tardio português atribuído a membros da nobreza que, por meio de...

ler mais

A modernização de empresas tradicionais é possível?

Já inicio o texto com a resposta a esta inquietante provocação: Não só é possível, como é necessária. No segundo mandato à frente da Santa Casa da Bahia, com 470 anos de história, posso lhes dizer que modernizar processos,  imagem, tecnologias e pensamentos, são...

ler mais

UM RESUMO DO ADTECH & DATA 2019

No último dia 27, aconteceu em São Paulo a edição de 2019 do AdTech & Data, o maior evento nacional sobre a área, e que é promovido pelo IAB Brasil. Na edição deste ano, chamou a atenção a participação de palestrantes internacionais, o que demonstra o...

ler mais

junte-se ao mercado