O toque de Midas

mar/2019

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se inspirado nele para criar Tio Patinhas, ambos possuíam a estranha mania de esfregar a pele no ouro, de mergulhar em montanhas de moedas, sentindo o prazer de passar horas ali em contato físico com moedas e barras de ouro. Como Patinhas, Midas queria mais e mais concentrar poder e riqueza e bradava aos quatro cantos do seu reino sua ambição e seu desejo por ouro.

Era um tempo em que os deuses andavam próximos das criaturas e o deus Dionísio ouviu a história de Midas e desejou conhecer aquele rei ambicioso e tocado pela cobiça. Midas, quando o viu, sem meias palavras, lhe pediu o dom do Toque de Ouro:   

– Oh divino Dionísio, peço que tudo que eu toque se transforme em ouro.

– Você deseja mesmo este dom? O poder de transformar tudo em ouro? – questionou.     

– Sim, é o meu desejo, tenho absoluta certeza. – afirmou.

– Então está bem, consentiu a divindade, escondendo sua indignação com tamanha usura.  Você terá o dom do Toque de Ouro. Em seguida, partiu.

Midas, em transe, experimentou seu extraordinário poder com absoluta euforia. Tocou numa imensa porta de madeira e tanto ela como as pesadas chaves de bronze já haviam sido metamorfoseadas em ouro. Disparou pelos corredores do palácio, sem caber em si de tanto contentamento. Dirigiu-se ao jardim, tocou árvores e flores, maravilhado. Tudo se transformava em ouro.

Mergulhou sua mão no lago e viu peixes e sapos convertidos em joias. Um bosque inteiro virou ouro. Uma lâmina cortante feriu seus calcanhares, eram as folhas da grama que sangravam seus pés. Que importava? Que lhe importava que o jardim, antes tão colorido, agora estava reduzido somente à cor do ouro? E daí que as flores não mais exalassem perfume e o vento, ao sacudir as folhas, produzisse um som metálico, estridente e ensurdecedor? Estava inebriado por ter sido contemplado com a maior dádiva dos deuses.  

De volta ao palácio, ordenou aos criados que preparassem um banquete comemorativo com grande pompa, iguarias finas e vinhos raros.  À hora do brinde, convidados à mesa, ergueu sua taça e ela imediatamente se transformou em ouro, causando admiração entre os presentes.

Todos beberam, menos Midas, pois o vinho havia se convertido em ouro sólido, assim como a comida que em vão chegava em sua boca. Sentiu então fome e sede. Niobe, seu gato de estimação, e Ajax, seu cão fiel, pularam e lamberam seu amado dono – e viraram duas estátuas douradas.

Angústia e desespero então se apossaram de Midas. Possuía o Toque de Ouro, mas morria de sede, fome e medo por não mais poder ser tocado. Soltou um grito de amargura quando percebeu que sua filha adorada, Phoebe, vinha em sua direção, para abraçá-lo. Por mais que se esforçasse em afastá-la, ela o tocou e imediatamente se transformou em uma estátua de metal.  E todos os convivas, estarrecidos e com medo, se afastavam do rei.   

Midas se lançou ao solo, em prantos, pedindo clemência aos deuses. Caiu em si e percebeu seu engano. Era o rei mais rico do mundo e o mais miserável dos seres humanos. Possuía terras, palácios, tesouros, exércitos, poder, mas perdera sua filha amada e seus bichos de estimação, sofria de fome e sede e morria de medo e de solidão.

O divino Dionísio então reapareceu e o viu o rei de joelhos, em prantos, suplicando-lhe que suspendesse o dom do Toque de Ouro. Dionísio olhou no fundo nos seus olhos e enxergou com tristeza o futuro da humanidade, viu a herança de Midas espalhada por todos os cantos da terra, a armadilha da cobiça e da usura dizimando florestas, tribos nativas, poluindo oceanos e rios, devastando matas para plantar commodities e controlar algoritmos do ouro. Acredito que viu Brumadinho e o Rio Paraopeba dizimado pela lama tóxica.

O rei nu aos seus pés demonstrava a ignorância da usura e a estupidez da avareza cujo toque converte tudo em ouro de tolo.

Após constatar que havia sinceridade no discurso do rei, acatou sua súplica e suspendeu o castigo. Mas impôs uma condição: aprender a conjugar um verbo secreto.

Um imenso arco-íris se formou sobre o palácio, seguido de uma luz forte. Quando Midas abriu os olhos, estava à mesa ao lado da filha, Phoebe, que lhe falava e tocava, afetuosamente. Ajax, seu cão, lambia sua mão e Niobe ronronava no seu colo.

Era toque do outro que lhe enchia de riqueza e valor.

Pediu aos criados apenas pão e água fresca para matar sua fome e sede com o essencial. O salão foi invadido pelo canto dos pássaros que retornavam ao jardim junto com o perfume das flores. Em seguida, convocou os súditos mais pobres e, atendendo ao conselho do divino Dionísio, abriu seu tesouro começou a conjugar o verbo compartilhar.  

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.
Mais artigos

Gutenberg e sua startup no século 15

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para...

ler mais

Cultura Uber: a ascensão do trabalhador por portfólio

Motoristas de aplicativo, podem reparar, falam pelos cotovelos. Ficam à espreita de algum sinal do freguês para iniciar um papo e, quando acontece, soltam o verbo. São treinados e permanecem calados até que o usuário resolva puxar conversa. Eu sou muito curioso sobre...

ler mais

Foresight: como será o amanhã?

Prever o futuro já foi propriedade de profetas, gurus, bruxos, oráculos, xamãs e magos e argumento de ficção científica. Imperadores e reis antigamente dispunham de astrólogos residentes nos palácios dispostos a interpretar sinais do devir e ajudar aos monarcas nas...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Brasil 2019: entre Cassandra e Poliana

Pobre Cassandra, ninguém lhe dá ouvidos, ninguém mais acredita em suas profecias, parece que ela só sabe criticar e torcer contra. Por mais que grite e demonstre com firmeza o que está por vir, ninguém aposta uma ficha sequer em  sua clarividência. Ainda que ela...

ler mais

Segredos inspiradores do Natal

Pouca gente escapa da pegada da ansiedade nas festas de final de ano. São muitas as ansiedades nesta época: fechar o semestre, passar direto, fazer balanço e prestar contas, planejamento do ano novo, decidir o destino do 13.o, comprar lembranças baratinhas de amigos...

ler mais

junte-se ao mercado