O toque de Midas

mar/2019

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se inspirado nele para criar Tio Patinhas, ambos possuíam a estranha mania de esfregar a pele no ouro, de mergulhar em montanhas de moedas, sentindo o prazer de passar horas ali em contato físico com moedas e barras de ouro. Como Patinhas, Midas queria mais e mais concentrar poder e riqueza e bradava aos quatro cantos do seu reino sua ambição e seu desejo por ouro.

Era um tempo em que os deuses andavam próximos das criaturas e o deus Dionísio ouviu a história de Midas e desejou conhecer aquele rei ambicioso e tocado pela cobiça. Midas, quando o viu, sem meias palavras, lhe pediu o dom do Toque de Ouro:   

– Oh divino Dionísio, peço que tudo que eu toque se transforme em ouro.

– Você deseja mesmo este dom? O poder de transformar tudo em ouro? – questionou.     

– Sim, é o meu desejo, tenho absoluta certeza. – afirmou.

– Então está bem, consentiu a divindade, escondendo sua indignação com tamanha usura.  Você terá o dom do Toque de Ouro. Em seguida, partiu.

Midas, em transe, experimentou seu extraordinário poder com absoluta euforia. Tocou numa imensa porta de madeira e tanto ela como as pesadas chaves de bronze já haviam sido metamorfoseadas em ouro. Disparou pelos corredores do palácio, sem caber em si de tanto contentamento. Dirigiu-se ao jardim, tocou árvores e flores, maravilhado. Tudo se transformava em ouro.

Mergulhou sua mão no lago e viu peixes e sapos convertidos em joias. Um bosque inteiro virou ouro. Uma lâmina cortante feriu seus calcanhares, eram as folhas da grama que sangravam seus pés. Que importava? Que lhe importava que o jardim, antes tão colorido, agora estava reduzido somente à cor do ouro? E daí que as flores não mais exalassem perfume e o vento, ao sacudir as folhas, produzisse um som metálico, estridente e ensurdecedor? Estava inebriado por ter sido contemplado com a maior dádiva dos deuses.  

De volta ao palácio, ordenou aos criados que preparassem um banquete comemorativo com grande pompa, iguarias finas e vinhos raros.  À hora do brinde, convidados à mesa, ergueu sua taça e ela imediatamente se transformou em ouro, causando admiração entre os presentes.

Todos beberam, menos Midas, pois o vinho havia se convertido em ouro sólido, assim como a comida que em vão chegava em sua boca. Sentiu então fome e sede. Niobe, seu gato de estimação, e Ajax, seu cão fiel, pularam e lamberam seu amado dono – e viraram duas estátuas douradas.

Angústia e desespero então se apossaram de Midas. Possuía o Toque de Ouro, mas morria de sede, fome e medo por não mais poder ser tocado. Soltou um grito de amargura quando percebeu que sua filha adorada, Phoebe, vinha em sua direção, para abraçá-lo. Por mais que se esforçasse em afastá-la, ela o tocou e imediatamente se transformou em uma estátua de metal.  E todos os convivas, estarrecidos e com medo, se afastavam do rei.   

Midas se lançou ao solo, em prantos, pedindo clemência aos deuses. Caiu em si e percebeu seu engano. Era o rei mais rico do mundo e o mais miserável dos seres humanos. Possuía terras, palácios, tesouros, exércitos, poder, mas perdera sua filha amada e seus bichos de estimação, sofria de fome e sede e morria de medo e de solidão.

O divino Dionísio então reapareceu e o viu o rei de joelhos, em prantos, suplicando-lhe que suspendesse o dom do Toque de Ouro. Dionísio olhou no fundo nos seus olhos e enxergou com tristeza o futuro da humanidade, viu a herança de Midas espalhada por todos os cantos da terra, a armadilha da cobiça e da usura dizimando florestas, tribos nativas, poluindo oceanos e rios, devastando matas para plantar commodities e controlar algoritmos do ouro. Acredito que viu Brumadinho e o Rio Paraopeba dizimado pela lama tóxica.

O rei nu aos seus pés demonstrava a ignorância da usura e a estupidez da avareza cujo toque converte tudo em ouro de tolo.

Após constatar que havia sinceridade no discurso do rei, acatou sua súplica e suspendeu o castigo. Mas impôs uma condição: aprender a conjugar um verbo secreto.

Um imenso arco-íris se formou sobre o palácio, seguido de uma luz forte. Quando Midas abriu os olhos, estava à mesa ao lado da filha, Phoebe, que lhe falava e tocava, afetuosamente. Ajax, seu cão, lambia sua mão e Niobe ronronava no seu colo.

Era toque do outro que lhe enchia de riqueza e valor.

Pediu aos criados apenas pão e água fresca para matar sua fome e sede com o essencial. O salão foi invadido pelo canto dos pássaros que retornavam ao jardim junto com o perfume das flores. Em seguida, convocou os súditos mais pobres e, atendendo ao conselho do divino Dionísio, abriu seu tesouro começou a conjugar o verbo compartilhar.  

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.
Mais artigos

O rosto autoritário do poder no Brasil

Outro dia, conversando sobre cultura e poder num workshop de lideranças com jovens executivos, comentei sobre as Capitanias Hereditárias e seus capitães donatários, um cargo administrativo do feudalismo tardio português atribuído a membros da nobreza que, por meio de...

ler mais

Brasil: como sair do labirinto?

Por raivas antigas, Minos, rei de Creta, resolveu castigar Atenas e seu povo com uma pena absurda e perversa: o envio por todos os anos de sete moças e sete rapazes para aplacar a fome do Minotauro, uma criatura com cabeça de touro e corpo humano, que residia num...

ler mais

O tsunami, os elefantes e o futuro do trabalho

Moradores de zonas afetadas recordam que, dias antes da calamidade dos tsunamis na Tailândia, observaram as aves mais inquietas, voando em círculos, cães nervosos, latindo e correndo estranhamente de um lado a outro e o sumiço dos gatos de estimação. O que estaria...

ler mais

Gutenberg e sua startup no século 15

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para...

ler mais

Cultura Uber: a ascensão do trabalhador por portfólio

Motoristas de aplicativo, podem reparar, falam pelos cotovelos. Ficam à espreita de algum sinal do freguês para iniciar um papo e, quando acontece, soltam o verbo. São treinados e permanecem calados até que o usuário resolva puxar conversa. Eu sou muito curioso sobre...

ler mais

Foresight: como será o amanhã?

Prever o futuro já foi propriedade de profetas, gurus, bruxos, oráculos, xamãs e magos e argumento de ficção científica. Imperadores e reis antigamente dispunham de astrólogos residentes nos palácios dispostos a interpretar sinais do devir e ajudar aos monarcas nas...

ler mais

junte-se ao mercado