Os cães ladram e a caravana não passa

maio/2019

Há um ditado antigo que diz que “em casa que não tem pão, todos brigam e ninguém tem razão”. Sabedoria para dizer que na falta de atendimento ao básico, sobra tempo para cada um expor suas frustrações, de preferência acusando ao outro pelo infortúnio. O Brasil parece viver a síndrome da “casa que não tem pão”. Com 13 milhões de desempregados, inflação com tendência de alta e previsão do PIB mais uma vez revista para baixo é o ambiente perfeito para que atores da política troquem acusações, a fim de eximir-se de suas reais reponsabilidades com a situação. A troca de má-criações entre filho e guru do presidente e seu vice é um exemplo do que acontece quando as cabeças não estão ocupadas com o que deveriam. Impressiona o fato de o governo ter hoje uma oposição, ainda que barulhenta, com pouca capacidade de criar maiores problemas, e mesmo assim ser capaz da proeza de enredar-se no engalfinhamento dos seus.

 

Historicamente, todo mandatário eleito, chega ao poder através de algum tipo de composição política, seja por afinidade às suas ideias ou por afinidade com aquilo a que combate. A vontade de derrotar o PT juntou o saco de gatos com que Bolsonaro tem que lidar hoje. Era de se supor alguma dificuldade em acomodar perfis tão diferentes. Mas era de se supor também que exatamente o núcleo mais próximo – filhos, guru e vice – seria aquele que mais colaboraria para tornar a tarefa administrável. Está acontecendo exatamente o contrário. O que é, enfim, que impede esse governo de parar em pé e, finalmente, tomar rumo? Inexperiência? Vaidades? Desconfianças? Despreparo? O fato é que tudo o que Bolsonaro não precisava era de parceiros dedicados a fornecer material com tanto poder de combustão para formadores de opinião ávidos em ver o circo pegar fogo. Se até hoje seu governo vem sendo marcado por afirmações que mais provocam e irritam do que constroem confiança, seria oportuna uma atitude que demonstrasse que nada está acima do interesse maior do País, sinalizando um comando verdadeiro. Deveria, sim, deixar claro, publicamente, aos envolvidos nessas pendengas que eles estão definitivamente dispensados de suas “contribuições”. Até porque, tirante o laço sanguíneo de um lado, o respeito a uma patente de outro e certa vaidade pelo reconhecimento de alguém tomado por alguns como sumidade intelectual, não parece haver mais nada de consistente que justifique Bolsonaro continuar refém dessas pessoas. Uma iniciativa dessa natureza poria muita gente com as barbas de molho. Afinal, quem se dispõe, em nome da ordem e do avanço, a ações que vão além das preferências pessoais, passa a ser potencialmente merecedor do mais valioso prêmio que um governante pode almejar: o respeito.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br
(Publicado originalmente no Jornal A Tarde)

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

Brasil: como sair do labirinto?

Por raivas antigas, Minos, rei de Creta, resolveu castigar Atenas e seu povo com uma pena absurda e perversa: o envio por todos os anos de sete moças e sete rapazes para aplacar a fome do Minotauro, uma criatura com cabeça de touro e corpo humano, que residia num...

ler mais

O tsunami, os elefantes e o futuro do trabalho

Moradores de zonas afetadas recordam que, dias antes da calamidade dos tsunamis na Tailândia, observaram as aves mais inquietas, voando em círculos, cães nervosos, latindo e correndo estranhamente de um lado a outro e o sumiço dos gatos de estimação. O que estaria...

ler mais

Gutenberg e sua startup no século 15

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para...

ler mais

Cultura Uber: a ascensão do trabalhador por portfólio

Motoristas de aplicativo, podem reparar, falam pelos cotovelos. Ficam à espreita de algum sinal do freguês para iniciar um papo e, quando acontece, soltam o verbo. São treinados e permanecem calados até que o usuário resolva puxar conversa. Eu sou muito curioso sobre...

ler mais

Foresight: como será o amanhã?

Prever o futuro já foi propriedade de profetas, gurus, bruxos, oráculos, xamãs e magos e argumento de ficção científica. Imperadores e reis antigamente dispunham de astrólogos residentes nos palácios dispostos a interpretar sinais do devir e ajudar aos monarcas nas...

ler mais

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

junte-se ao mercado