Outra política, outro marketing

mar/2020

Imagine ter que vender alguma coisa em que pouca gente acredita. Alguma coisa a respeito da qual todos os argumentos de venda já foram usados e decodificados pelos potenciais compradores.

Pois é. Todo profissional de marketing político estará, neste ano, diante dessa desafiadora circunstância: tentar demonstrar que Política e políticos não são aquilo que a má política e os maus políticos andaram fazendo. E que as transformações almejadas na Política passam, necessariamente, pela eleição de:  políticos. Como acontece quando alguém é picado por uma cobra e a solução está no uso do soro antiofídico extraído da própria cobra, a solução para a crise política será sempre uma solução política.

Já disse a pensadora alemã Hannah Arendt, que “a política é a arte da convivência”. Portanto, sem política estabelece-se o caos, pois como, em outra ocasião lembrou a mesma pensadora, “a única coisa que todos temos em comum é sermos todos diferentes uns dos outros” – razão pela qual ela se opunha enfaticamente a qualquer proposta autoritária, aquela que impõe sua vontade e tenta converter a todos em seguidores de um único pensamento. O caminho para o exercício de uma política saudável sempre buscará algum tipo de consenso, sem renunciar ao contraditório, e o impasse se resolverá pelo voto. E todos acolherão, democraticamente, o resultado. Assim deveria ser.

Vivemos um momento complicado sob esse aspecto no Brasil. Afinal, quando a política é colocada em questão, a democracia perde sustentação. E democracia sem sustentação é um prato cheio para aventureiros. Gente que faz um coro oportunista à indignação popular e que, para além de criticar a desigualdade social e a corrupção, atribui esses males à política em si, provocando nos eleitores, muitas vezes, um “tanto faz” perigosíssimo para todos. É um discurso superficial e oportunista. Mas que carrega uma característica poderosa de convencimento: a simplicidade. Não por acaso, o último Presidente eleito teve na simplicidade (e na simploriedade) dos discursos um importante fator de adesão. Os candidatos (e seus assessores de comunicação) terão que encontrar um discurso simples e objetivo, na forma, porém dotado de conceitos respeitáveis, em termos de competência e sensibilidade social para a gestão pública, no conteúdo. Principalmente, um discurso sem truques, sem cacoetes de marketing e sem ilusionismos. São essas definições que precisam ser resgatadas urgente e didaticamente para recuperarmos os eleitores perdidos e para que se estabeleça algum sentido de construção coletiva nesta eleição. E nós, profissionais do marketing, somos peça fundamental nesse processo.

Karin Koshima
karinkoshima@terra.com.br

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Especialista no comportamento do eleitor e do consumidor. Consultora em marketing político e pesquisas de opinião.  Mestre em políticas públicas.

 

Mais artigos

Coronavirus e medos líquidos

Corona vírus, ameaças à democracia, milícias, fanatismo, terrorismo, crise climática, culto à ignorância, etc., são fenômenos do tempo presente que tem produzido medo, ansiedade e disseminado muita inquietação. Lembrei de um livro do famoso sociólogo Z. Bauman - Medo...

ler mais

Na moral, ainda vale a pena apostar na Ética?

Três são as acepções que costumo escutar sobre a palavra Ética entre alunos dos cursos nos quais leciono, há quase três décadas. Introduzo a disciplina com a técnica do brainstorm ou livre associação e irremediavelmente aparecem definições que confundem...

ler mais

Diversidade: abra suas asas sobre nós

É falar de diversidade e me vem à mente a Bahia, minha terra, com seus ecossistemas e ecologias ocupados por tão diferentes antropologias. Com um território maior do que o da França e a maior faixa de litoral atlântico do Brasil, o estado possui miríades de  rostos,...

ler mais

Irmã Dulce e as metamorfoses da compaixão

Admirar a foto de Irmã Dulce flamulando na Basílica de São Pedro, no Vaticano, não tem preço. Escutar seu nome na cerimônia de canonização aqueceu nossos “brasileiros, brasileiros corações” com a certeza de que o reconhecimento é uma recompensa. A cerimônia trouxe os...

ler mais

O rosto autoritário do poder no Brasil

Outro dia, conversando sobre cultura e poder num workshop de lideranças com jovens executivos, comentei sobre as Capitanias Hereditárias e seus capitães donatários, um cargo administrativo do feudalismo tardio português atribuído a membros da nobreza que, por meio de...

ler mais

junte-se ao mercado