Outra política, outro marketing

mar/2020

Imagine ter que vender alguma coisa em que pouca gente acredita. Alguma coisa a respeito da qual todos os argumentos de venda já foram usados e decodificados pelos potenciais compradores.

Pois é. Todo profissional de marketing político estará, neste ano, diante dessa desafiadora circunstância: tentar demonstrar que Política e políticos não são aquilo que a má política e os maus políticos andaram fazendo. E que as transformações almejadas na Política passam, necessariamente, pela eleição de:  políticos. Como acontece quando alguém é picado por uma cobra e a solução está no uso do soro antiofídico extraído da própria cobra, a solução para a crise política será sempre uma solução política.

Já disse a pensadora alemã Hannah Arendt, que “a política é a arte da convivência”. Portanto, sem política estabelece-se o caos, pois como, em outra ocasião lembrou a mesma pensadora, “a única coisa que todos temos em comum é sermos todos diferentes uns dos outros” – razão pela qual ela se opunha enfaticamente a qualquer proposta autoritária, aquela que impõe sua vontade e tenta converter a todos em seguidores de um único pensamento. O caminho para o exercício de uma política saudável sempre buscará algum tipo de consenso, sem renunciar ao contraditório, e o impasse se resolverá pelo voto. E todos acolherão, democraticamente, o resultado. Assim deveria ser.

Vivemos um momento complicado sob esse aspecto no Brasil. Afinal, quando a política é colocada em questão, a democracia perde sustentação. E democracia sem sustentação é um prato cheio para aventureiros. Gente que faz um coro oportunista à indignação popular e que, para além de criticar a desigualdade social e a corrupção, atribui esses males à política em si, provocando nos eleitores, muitas vezes, um “tanto faz” perigosíssimo para todos. É um discurso superficial e oportunista. Mas que carrega uma característica poderosa de convencimento: a simplicidade. Não por acaso, o último Presidente eleito teve na simplicidade (e na simploriedade) dos discursos um importante fator de adesão. Os candidatos (e seus assessores de comunicação) terão que encontrar um discurso simples e objetivo, na forma, porém dotado de conceitos respeitáveis, em termos de competência e sensibilidade social para a gestão pública, no conteúdo. Principalmente, um discurso sem truques, sem cacoetes de marketing e sem ilusionismos. São essas definições que precisam ser resgatadas urgente e didaticamente para recuperarmos os eleitores perdidos e para que se estabeleça algum sentido de construção coletiva nesta eleição. E nós, profissionais do marketing, somos peça fundamental nesse processo.

Karin Koshima
karinkoshima@terra.com.br

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Especialista no comportamento do eleitor e do consumidor. Consultora em marketing político e pesquisas de opinião.  Mestre em políticas públicas.

 

Mais artigos

O que querem os negacionistas?

Roque de Itaparica foi o primeiro negacionista com que me deparei em minha vida. Nativo da ilha de Itaparica, era um simpático aguadeiro que ganhava a vida descendo e subindo as ruas calçadas de paralelepípedos da pequena cidade praieira, ainda isenta de carros. Ia de...

ler mais

Home office: hóspede da casa, intruso no lar

A crise precipitada pelo novo coronavírus forçou as empresas a redesenhar suas operações e reinventar a forma como suas equipes trabalham. Por conta das novas regras de distanciamento e isolamento social, muitas organizações tiveram de admitir o home office e o...

ler mais

Quando isolamento rima com amadurecimento

Foi uma bela surpresa para os produtores e artistas do filme O Náufrago, de Robert Zemeckis, de 2000, estrelado por Tom Hanks, passado quase inteiramente na praia de uma ilha deserta, conseguir alcançar um estrondoso sucesso de bilheteria e crítica. O filme tinha de...

ler mais

Fazer o luto, fazer a luta

O enterro de meu irmão mais velho, vítima de Covid, me levou a viver de perto a triste faceta da lógica de regressão e desumanização que está em curso em nosso país, em tempos de pandemia.   Já no hospital, onde ele ficara isolado por duas semanas, ao identificar seu...

ler mais

Cinco fantasmas que você enfrentou na quarentena

Todos vimos alguma vez um cachorro acorrentado em um fundo de quintal e a placa de alerta: “Cuidado, cão feroz”. O animal se esgoela de tanto latir, ganir, dá saltos em vão e só cessa de avançar quando a corrente garroteia seu pescoço e o sufoca. Para, descansa, ofega...

ler mais

junte-se ao mercado