Outubro Rosa. A bola da vez

out/2017

Uma das características do mercado publicitário é a sua sintonia com as demandas comerciais ou sociais, o que gera modismos de época, nem todos se sustentam por muito tempo. A bola da vez nos últimos anos tem sido o Outubro Rosa que gera mídia de oportunidade em todos os veículos, mesmo nestes tempos de crise, e em especial ações promocionais tanto da iniciativa privada como do poder público. A iluminação rosa do Elevador Lacerda, no período é um exemplo disso.

Na Bahia, em particular, o Outubro Rosa, tem sido um exemplo de comunicação bem sucedida a favor da causa. É um modismo, mas, por ora está valendo e continuará valendo enquanto houver criatividade para se renovar a mensagem. Temo que a banalização do tema acabei tendo mais tarde um efeito contrário. Deixará de ser um alerta, para ser um saco e é aí que mora o perigo.

Enquanto isso a comunicação tenta sustentar uma outra bandeira, o novembro azul que ainda não flameja e acredito essa aí não vai ter o mesmo impacto do Rosa. Até por que o público alvo não se sente público alvo.

Em outros momentos a bola da vez pareceu que seria para sempre, mas não era e um dia a bola murchou. Foi o caso de uma data comercial, muito celebrada até a década anterior, o Dia da Secretaria, comemorado em 30 de setembro. Nasceu do nada, virou modismo, era um festival de flores e almoços com as secretarias, brindes, chocolates, palestras, anúncios nos jornais, até comerciais de TV; as secretarias sentiam-se rainhas e não tinha desfeita maior sobre a face da terra do que o chefe deixar passar em branco a data.

Foi bom enquanto durou. Um outro modismo o politicamente correto, acabou contribuindo para o efeito murcho da secretaria que se orgulhava de sua profissão. É que um dia inventaram o conceito de secretaria do lar, para não chamar a empregada doméstica de doméstica, tudo bem pela autoestima delas, mas, secretaria? Não poderia ter sido outra profissão mais genérica do tipo Colaboradora do Lar? Deixa para lá.

A propósito inventaram que vendedor é consultor, uma denominação mais chique, e inventaram tantas outras coisas que estou aqui matutando que rotulo será criado para os publicitários se o glamour da profissão se esvair, já é um processo.  Comunicólogo? Essa não emplaca. Terá de ser alguma palavra com o sufixo “ista” que lembre especialista, não será publicista que essa já foi tentada e não deu certo. Enquanto isso, e para não correr o risco de falar bobagens, vou apreciando o Outubro Rosa, sempre há coisas boas e novas de se ver.

 

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Existe vida depois da Internet?

Espanta aos observadores do comportamento humano a velocidade da disseminação dos aparatos tecnológicos e sua crescente compatibilidade com os usuários. A conectividade mais acessível tornou o ambiente virtual o espaço mais importante para o fluxo dos processos. A...

ler mais

O esporte baiano sem apoio

Todo mundo sabe que os quenianos são os melhores do mundo, ou pelo menos essa é a percepção, na pratica das corridas de fundo: maratona, meia maratona, 10 mil metros. Uma expertise que eles desenvolveram nos últimos vinte anos, antes disso o protagonismo era de outros...

ler mais

Responsabilidade Social: Quem lucra com isso?

O conceito surgiu nas últimas décadas e adquiriu tamanha força e importância, que não deixou espaço para meias palavras ou controvérsias: atualmente, a Responsabilidade Social é parte fundamental das corporações. Somente no ano passado, segundo a pesquisa Benchmarking...

ler mais

Alto astral e bom humor, apesar dos pesares

A cabeça da gente contém um caldeirão de conexões, são muitas informações conflitantes e efervescentes onde se processa o humor. Sua manifestação externa se dará sobre a forma de anedotas, piadas, risadas, manobras mentais   inteligentes cuja função é devolver leveza...

ler mais

VIVA O SABER

Livros, debates, recitais, saraus e do nada, ou com tudo, o desabitado Pelourinho tem suas ruas invadidas por pessoas alegres, com riso estampado na face. Ali estava sendo oferecido algo, que não está presente no cotidiano, as escolas envelheceram. Na Flipelô tudo era...

ler mais

A morte do Teaser

O “teaser” nasceu no século XIX, teve seu auge no século seguinte e morreu de falência múltipla dos órgãos em inicios deste século e hoje permanece insepulto, aguarda talvez um cortejo fúnebre à altura da importância que teve, imagino todo o mercado ostentando...

ler mais

junte-se ao mercado