>

Outubro Rosa. A bola da vez

out/2017

Uma das características do mercado publicitário é a sua sintonia com as demandas comerciais ou sociais, o que gera modismos de época, nem todos se sustentam por muito tempo. A bola da vez nos últimos anos tem sido o Outubro Rosa que gera mídia de oportunidade em todos os veículos, mesmo nestes tempos de crise, e em especial ações promocionais tanto da iniciativa privada como do poder público. A iluminação rosa do Elevador Lacerda, no período é um exemplo disso.

Na Bahia, em particular, o Outubro Rosa, tem sido um exemplo de comunicação bem sucedida a favor da causa. É um modismo, mas, por ora está valendo e continuará valendo enquanto houver criatividade para se renovar a mensagem. Temo que a banalização do tema acabei tendo mais tarde um efeito contrário. Deixará de ser um alerta, para ser um saco e é aí que mora o perigo.

Enquanto isso a comunicação tenta sustentar uma outra bandeira, o novembro azul que ainda não flameja e acredito essa aí não vai ter o mesmo impacto do Rosa. Até por que o público alvo não se sente público alvo.

Em outros momentos a bola da vez pareceu que seria para sempre, mas não era e um dia a bola murchou. Foi o caso de uma data comercial, muito celebrada até a década anterior, o Dia da Secretaria, comemorado em 30 de setembro. Nasceu do nada, virou modismo, era um festival de flores e almoços com as secretarias, brindes, chocolates, palestras, anúncios nos jornais, até comerciais de TV; as secretarias sentiam-se rainhas e não tinha desfeita maior sobre a face da terra do que o chefe deixar passar em branco a data.

Foi bom enquanto durou. Um outro modismo o politicamente correto, acabou contribuindo para o efeito murcho da secretaria que se orgulhava de sua profissão. É que um dia inventaram o conceito de secretaria do lar, para não chamar a empregada doméstica de doméstica, tudo bem pela autoestima delas, mas, secretaria? Não poderia ter sido outra profissão mais genérica do tipo Colaboradora do Lar? Deixa para lá.

A propósito inventaram que vendedor é consultor, uma denominação mais chique, e inventaram tantas outras coisas que estou aqui matutando que rotulo será criado para os publicitários se o glamour da profissão se esvair, já é um processo.  Comunicólogo? Essa não emplaca. Terá de ser alguma palavra com o sufixo “ista” que lembre especialista, não será publicista que essa já foi tentada e não deu certo. Enquanto isso, e para não correr o risco de falar bobagens, vou apreciando o Outubro Rosa, sempre há coisas boas e novas de se ver.

 

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

Da Paternidade à Filantropia

Ao me tornar pai, já imaginava que minha vida ia passar por transformações, mas jamais da forma como aconteceram. Aos nove anos, meu filho foi diagnosticado com câncer. Travamos uma batalha que felizmente foi vencida e, a partir daí, uma nova força foi gerada. Durante...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

20 anos da ABMP

Toda entidade de classe nasce de uma necessidade, ou, de uma provocação. A ABMP nasceu das duas. A necessidade foi a de se constituir uma entidade que reunisse todos os segmentos da comunicação. Existia um precedente, a AP-Bahia (sigla de Associação de Propaganda da...

ler mais

Dois de Julho

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

junte-se ao mercado