Outubro Rosa. A bola da vez

out/2017

Uma das características do mercado publicitário é a sua sintonia com as demandas comerciais ou sociais, o que gera modismos de época, nem todos se sustentam por muito tempo. A bola da vez nos últimos anos tem sido o Outubro Rosa que gera mídia de oportunidade em todos os veículos, mesmo nestes tempos de crise, e em especial ações promocionais tanto da iniciativa privada como do poder público. A iluminação rosa do Elevador Lacerda, no período é um exemplo disso.

Na Bahia, em particular, o Outubro Rosa, tem sido um exemplo de comunicação bem sucedida a favor da causa. É um modismo, mas, por ora está valendo e continuará valendo enquanto houver criatividade para se renovar a mensagem. Temo que a banalização do tema acabei tendo mais tarde um efeito contrário. Deixará de ser um alerta, para ser um saco e é aí que mora o perigo.

Enquanto isso a comunicação tenta sustentar uma outra bandeira, o novembro azul que ainda não flameja e acredito essa aí não vai ter o mesmo impacto do Rosa. Até por que o público alvo não se sente público alvo.

Em outros momentos a bola da vez pareceu que seria para sempre, mas não era e um dia a bola murchou. Foi o caso de uma data comercial, muito celebrada até a década anterior, o Dia da Secretaria, comemorado em 30 de setembro. Nasceu do nada, virou modismo, era um festival de flores e almoços com as secretarias, brindes, chocolates, palestras, anúncios nos jornais, até comerciais de TV; as secretarias sentiam-se rainhas e não tinha desfeita maior sobre a face da terra do que o chefe deixar passar em branco a data.

Foi bom enquanto durou. Um outro modismo o politicamente correto, acabou contribuindo para o efeito murcho da secretaria que se orgulhava de sua profissão. É que um dia inventaram o conceito de secretaria do lar, para não chamar a empregada doméstica de doméstica, tudo bem pela autoestima delas, mas, secretaria? Não poderia ter sido outra profissão mais genérica do tipo Colaboradora do Lar? Deixa para lá.

A propósito inventaram que vendedor é consultor, uma denominação mais chique, e inventaram tantas outras coisas que estou aqui matutando que rotulo será criado para os publicitários se o glamour da profissão se esvair, já é um processo.  Comunicólogo? Essa não emplaca. Terá de ser alguma palavra com o sufixo “ista” que lembre especialista, não será publicista que essa já foi tentada e não deu certo. Enquanto isso, e para não correr o risco de falar bobagens, vou apreciando o Outubro Rosa, sempre há coisas boas e novas de se ver.

 

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.
Mais artigos

As senhoras protetoras do mês de fevereiro

Os fãs de antigos calendários romanos e de suas estranhas métricas para a contagem dos anos, meses e dias da semana sabem que o mês de fevereiro era o último mês do ano. Seus dias eram consagrados à proteção da mãe de Marte, a deusa Fébrua, divindade do amor, da...

ler mais

Abaeté para os soteropolitanos

Quando eu cheguei em Salvador no distante ano de 1973 Abaeté ainda era a “lagoa escura, arrodeada de areia branca” como cantou Caymmi, um belo cenário nas noites de lua cheia, esta, refletida, nas águas sagradas; nas noites de verão os terreiros prestavam sua...

ler mais

2018 e o desafio da saúde

Começamos o novo ano com um cenário de incertezas para a área da saúde. Por ser um ano de eleições e, sobretudo, em um período de instabilidade política, é difícil fazer previsões. Mesmo após o ano de 2017 ter sido mais positivo em relação ao ano anterior, com tímida...

ler mais

Janeiro é o momento de consultar as pitonisas

A mídia é quem alimenta essas bobagens, desde tempos remotos quando um repórter se dava ao trabalho de ouvir Madame Beatriz e outras cartomantes e elas, sabendo isso, desde novembro do ano anterior já preparavam suas previsões que quase nunca se confirmavam, a não ser...

ler mais

Em 2018, vamos ser uma metamorfose ambulante!

Dezembro declara aberta a temporada de confraternizações de fim de ano, festas com amigos, parceiros da firma, grupos de Whatsapp se repetem com os rituais de amigo secreto, seguidas das celebrações de Natal em família e, uma semana depois, o ritual do Ano Novo que...

ler mais

junte-se ao mercado