Pau de Sebo. Fotografe enquanto ainda existe

jun/2017

O pau de sebo que a duras penas ainda sobrevive como tradição nos arraiais e municípios do interior é um elemento estranho nas festas de São João. Não sei dizer em que momento se materializou como um componente do forró, da fogueira, das comidas típicas e dos balões e bandeirolas de papel, ou, de plástico, se a gente bobear um dia tudo isso, salvo os acepipes, será substituído por projeções em 3D.

Elemento estranho à festa, quase um invasor, ainda bem que o pau de sebo persiste, sem a mesma empolgação do original até porque não é mais de sebo, é de graxa. Mas, deixa eu explicar o porquê está, ou parece estar, fora do contexto: O pau de sebo foi um legado ibérico que aqui se materializou exclusivamente nas chamadas festas populares e o São João não era, naquele tempo, festa popular.

A brincadeira, no século XIX, fazia parte dos divertimentos do veraneio nos arrabaldes de Itapagipe e Rio Vermelho e na sua vizinhança, Barra, Amaralina e Pituba. Os organizadores dos festejos plantavam-no nas festas de Nossa Senhora de Santana, Nossa Senhora da Luz, Nossa Senhora dos Mares, Santo Antônio da Barra, Senhor do Bonfim, São Gonçalo, Nossa Senhora da Guia e há registros também de pau de sebo nas festas de Nossa Senhora da Conceição em Itapoan e na tradicional, de 08 de dezembro, da cidade baixa.

Nenhuma referência, ou, evidência do pau de sebo nas festas juninas, pelo menos até a quarta década do século XX. Como migrou então das festas populares para uma festa de cunho familiar? Uma das hipóteses é o fato do São João ter-se transformado também numa festa popular, realizada num largo de Igreja, ou praça, reunindo centenas, ou, milhares de pessoas do município, ou, cidade. Explica a migração, mas não a sua extinção nos demais festejos. Deixa isso para lá, não vou esquentar a cabeça.

Mas como ia dizendo, ainda bem que o pau de sebo sobrevive. Já eliminaram das festas juninas os balões que cobriam os céus; tiraram as fogueiras de verdade, acabaram com as brincadeiras de sorte; introduziram órgão, bateria e metais nas bandas; trocaram o forró pé de serra pelo axê-forró e outras tradições que não cabe aqui lembrar. Até o pagodino, pagode junino, já rola por aí.

De modo que se você encontrar um pau de sebo fotografe, pode ser o último. Aproveite e não esqueça de degustar uma maça de amor caramelizada; roer uma espiga de milho, ainda que não assada na fogueira; chupar meia laranja; beber um licor de jenipapo e se assombrar com a mulher macaco na jaula, ou, estrebuchar de susto no castelo dos horrores…. Grite, ria, corra. Tudo isso pode desaparecer amanhã. Bora aproveitar.

Nelson Cadena

Nelson Cadena

Colunista

Escritor, jornalista e publicitário.

Mais artigos

Outubro Rosa. A bola da vez

Uma das características do mercado publicitário é a sua sintonia com as demandas comerciais ou sociais, o que gera modismos de época, nem todos se sustentam por muito tempo. A bola da vez nos últimos anos tem sido o Outubro Rosa que gera mídia de oportunidade em todos...

ler mais

Existe vida depois da Internet?

Espanta aos observadores do comportamento humano a velocidade da disseminação dos aparatos tecnológicos e sua crescente compatibilidade com os usuários. A conectividade mais acessível tornou o ambiente virtual o espaço mais importante para o fluxo dos processos. A...

ler mais

O esporte baiano sem apoio

Todo mundo sabe que os quenianos são os melhores do mundo, ou pelo menos essa é a percepção, na pratica das corridas de fundo: maratona, meia maratona, 10 mil metros. Uma expertise que eles desenvolveram nos últimos vinte anos, antes disso o protagonismo era de outros...

ler mais

Responsabilidade Social: Quem lucra com isso?

O conceito surgiu nas últimas décadas e adquiriu tamanha força e importância, que não deixou espaço para meias palavras ou controvérsias: atualmente, a Responsabilidade Social é parte fundamental das corporações. Somente no ano passado, segundo a pesquisa Benchmarking...

ler mais

Alto astral e bom humor, apesar dos pesares

A cabeça da gente contém um caldeirão de conexões, são muitas informações conflitantes e efervescentes onde se processa o humor. Sua manifestação externa se dará sobre a forma de anedotas, piadas, risadas, manobras mentais   inteligentes cuja função é devolver leveza...

ler mais

VIVA O SABER

Livros, debates, recitais, saraus e do nada, ou com tudo, o desabitado Pelourinho tem suas ruas invadidas por pessoas alegres, com riso estampado na face. Ali estava sendo oferecido algo, que não está presente no cotidiano, as escolas envelheceram. Na Flipelô tudo era...

ler mais

junte-se ao mercado