Potência e inspiração: a Pessach judaica e a Páscoa cristã

abr/2020

Assisti à minissérie alemã “Nada ortodoxa”, da Netflix. Conta a história de Ester Shapiro, uma jovem judia que se rebela e foge de sua comunidade ultra ortodoxa e tradicionalista, em Nova Iorque, para traçar seu próprio destino em Berlim.

A minissérie traz a riqueza de rituais da fé judaica celebrados em ídiche, uma língua arcaica dos judeus da diáspora. É emocionante ver a cena da ceia pascal – o Seder de Pessach -, um jantar cerimonial judaico em que se recorda a história do Êxodo e a libertação do povo de Israel, onde um menino pergunta solenemente a um patriarca idoso e barbudo, talvez um rabino da comunidade:

“- Por que esta noite é diferente das outras noites?”.

A sala está repleta de familiares à mesa, as famílias são numerosas, mas todos fazem silêncio e escutam a narração dos fatos. Comemoração é o que o nome diz: compartilhamento de memórias, lembranças de fatos fundadores do rosto de uma nação. O ancião passa a contar a história do Pessach, quando o anjo do Senhor “passou” por cima das moradias e escolheu a Moisés para conduzir o povo judeu do cativeiro para “fazer a passagem” para a outra margem, rumo à terra prometida…

Uma lembrança de fatos, mas iluminada com o toque da transcendente presença de Deus no making off de eventos como o embate de Moisés com o Faraó, as dez pragas, a abertura do Mar Vermelho, a fome no deserto e o maná, as Tábuas da Lei, o Bezerro de Ouro, etc.

A data é uma comemoração festiva da libertação nacional, uma das maiores odisseias, talvez arquétipo de todas as revoluções: um povo inteiro, escravo, escolhe a liberdade e articula sua passagem, reconhecendo a autoridade de uma liderança. A ação cobrou um preço alto: os quarenta anos que plasmaram a geração do deserto, em busca de seu próprio chão. Na travessia, diz um teólogo italiano das antigas, Carlo Carreto, se deram conta de que “o coração do deserto é o deserto do coração.”

Seguindo mentalidade e o etos judaico, Jesus na Santa Ceia, véspera de sua morte e crucifixão,  repete a fórmula ritual, inovando e instituindo a si próprio como o cordeiro imolado – Agnus Dei –  e como o pão ázimo – Panis Angelicus . “Fazei isso em memória de mim” é a sua fórmula que se faz presente na liturgia das celebrações eucarísticas, celebradas em todo o universo católico.

Comer da carne e beber do sangue de Jesus, transmudados em pão e vinho, escancara a antropofagia arcaica. Para a antropologia, a repetição ritualística nada tem de nostálgica, não se trata de uma recordação de fatos na cronologia da história. Nada disso.  Por trás do rito e do símbolo, jaz seu fundamento: o Mito. Fazer memória é tocar no mito fundador cuja temporalidade é sempre agora, sempre hoje, além do cronológico. É o sagrado.

A Páscoa Cristã, portanto, é festa enfaticamente religiosa e espiritual, eixo do mistério da redenção, salvação e resgate. Não mais uma redenção de escravos do Egito e do jugo do faraó, mas da condição humana existencial errática, da dívida de sentido. Eis o mistério da fé.  

Ambas as páscoas trazem mensagens de libertação e o mesmo ímpeto e propulsão para se fazer passagens. Não mais se trata de travessias geográficas, mas existenciais, políticas, ecológicas, ontológicas, espirituais, etc.  

São ambas as festas comemorações da libertação do mal. E o que é o mal, Hanna Arendt? O mal é ausência do pensamento e do racional, o mal é a pandemia de ignorância e fanatismo que assola nosso país.

São duas festas bonitas, muito próximas, ambas contêm a densidade do sagrado e nos colocam em sintonia com uma potência maior escondida na noite épica dos judeus e no amanhecer cristão quando se escuta o grito de Maria Madalena: – Aleluia!

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.
Mais artigos

Sociedade do cansaço: não aperte minha mente

A pandemia trouxe uma carga extra de cansaço, fadiga e exaustão. Ao estresse acumulado de antes, com as impotências nossas de cada dia, problemas, dívidas, prazos, metas desafiadoras, engarrafamentos e insegurança no emprego, etc., somaram-se novas doses de cansaço...

ler mais

O elefante no labirinto

Dizem por aí que psicoterapeutas e escutadores desenvolvem com o tempo orelhas de elefantes e são capazes de captar sons de baixa frequência, a longa distância. Eu conhecia outro extraordinário talento dos elefantes: sua habilidade de ler o chão, interpretar sinais...

ler mais

Vacina pouca, meu braço primeiro

Quando a gente tem que filmar a vacinação de idosos para que eles não sejam enganados pela malandragem de um agente de saúde cuja intenção secreta é ficar com a dose do imunizante, aí nos damos conta de que a ética que vigora na Grande Família do Brasil é a de...

ler mais

Janeiro: utopias, distopias e recomeços

Não me importo quando me chamam de utópico e sonhador. Encaro o senso de utopia de um jeito positivo, como uma competência criativa, uma capacidade de imaginar a vida para além das contingências. É uma ginástica da imaginação que nos estimula e dá propulsão. Como...

ler mais

Os afetos secretos do Natal

Qual dos Natais que está ganhando mais espaço na preferência das pessoas? O Natal-cultural, com ceia em família, a árvore e pisca-pisca na sala, os amigos-secretos, festas de firma, partilha de presentes? Ou será o Natal-fim-do-ano-fiscal, com fechamento do balancete...

ler mais

A dança dos vampiros no mundo do trabalho

Ouvi este surpreendente relato quando dava treinamento para trabalhadores de uma indústria calçadista gaúcha, creio que em 2008. Era fim de expediente e estávamos a psicóloga Irene, dois gerentes de Gestão de Pessoas e eu numa conversa informal, quando Felipão, um dos...

ler mais

junte-se ao mercado