Potência e inspiração: a Pessach judaica e a Páscoa cristã

abr/2020

Assisti à minissérie alemã “Nada ortodoxa”, da Netflix. Conta a história de Ester Shapiro, uma jovem judia que se rebela e foge de sua comunidade ultra ortodoxa e tradicionalista, em Nova Iorque, para traçar seu próprio destino em Berlim.

A minissérie traz a riqueza de rituais da fé judaica celebrados em ídiche, uma língua arcaica dos judeus da diáspora. É emocionante ver a cena da ceia pascal – o Seder de Pessach -, um jantar cerimonial judaico em que se recorda a história do Êxodo e a libertação do povo de Israel, onde um menino pergunta solenemente a um patriarca idoso e barbudo, talvez um rabino da comunidade:

“- Por que esta noite é diferente das outras noites?”.

A sala está repleta de familiares à mesa, as famílias são numerosas, mas todos fazem silêncio e escutam a narração dos fatos. Comemoração é o que o nome diz: compartilhamento de memórias, lembranças de fatos fundadores do rosto de uma nação. O ancião passa a contar a história do Pessach, quando o anjo do Senhor “passou” por cima das moradias e escolheu a Moisés para conduzir o povo judeu do cativeiro para “fazer a passagem” para a outra margem, rumo à terra prometida…

Uma lembrança de fatos, mas iluminada com o toque da transcendente presença de Deus no making off de eventos como o embate de Moisés com o Faraó, as dez pragas, a abertura do Mar Vermelho, a fome no deserto e o maná, as Tábuas da Lei, o Bezerro de Ouro, etc.

A data é uma comemoração festiva da libertação nacional, uma das maiores odisseias, talvez arquétipo de todas as revoluções: um povo inteiro, escravo, escolhe a liberdade e articula sua passagem, reconhecendo a autoridade de uma liderança. A ação cobrou um preço alto: os quarenta anos que plasmaram a geração do deserto, em busca de seu próprio chão. Na travessia, diz um teólogo italiano das antigas, Carlo Carreto, se deram conta de que “o coração do deserto é o deserto do coração.”

Seguindo mentalidade e o etos judaico, Jesus na Santa Ceia, véspera de sua morte e crucifixão,  repete a fórmula ritual, inovando e instituindo a si próprio como o cordeiro imolado – Agnus Dei –  e como o pão ázimo – Panis Angelicus . “Fazei isso em memória de mim” é a sua fórmula que se faz presente na liturgia das celebrações eucarísticas, celebradas em todo o universo católico.

Comer da carne e beber do sangue de Jesus, transmudados em pão e vinho, escancara a antropofagia arcaica. Para a antropologia, a repetição ritualística nada tem de nostálgica, não se trata de uma recordação de fatos na cronologia da história. Nada disso.  Por trás do rito e do símbolo, jaz seu fundamento: o Mito. Fazer memória é tocar no mito fundador cuja temporalidade é sempre agora, sempre hoje, além do cronológico. É o sagrado.

A Páscoa Cristã, portanto, é festa enfaticamente religiosa e espiritual, eixo do mistério da redenção, salvação e resgate. Não mais uma redenção de escravos do Egito e do jugo do faraó, mas da condição humana existencial errática, da dívida de sentido. Eis o mistério da fé.  

Ambas as páscoas trazem mensagens de libertação e o mesmo ímpeto e propulsão para se fazer passagens. Não mais se trata de travessias geográficas, mas existenciais, políticas, ecológicas, ontológicas, espirituais, etc.  

São ambas as festas comemorações da libertação do mal. E o que é o mal, Hanna Arendt? O mal é ausência do pensamento e do racional, o mal é a pandemia de ignorância e fanatismo que assola nosso país.

São duas festas bonitas, muito próximas, ambas contêm a densidade do sagrado e nos colocam em sintonia com uma potência maior escondida na noite épica dos judeus e no amanhecer cristão quando se escuta o grito de Maria Madalena: – Aleluia!

Carlos Linhares

Carlos Linhares

Colunista

Psicólogo e antropólogo, mestre e doutor pela UFBA. Atua na UNEB e UNIFACS. Consultor em Organizações, coach, instrutor e palestrante. Sócio diretor da Strata Consulting.
Mais artigos

O que querem os negacionistas?

Roque de Itaparica foi o primeiro negacionista com que me deparei em minha vida. Nativo da ilha de Itaparica, era um simpático aguadeiro que ganhava a vida descendo e subindo as ruas calçadas de paralelepípedos da pequena cidade praieira, ainda isenta de carros. Ia de...

ler mais

Home office: hóspede da casa, intruso no lar

A crise precipitada pelo novo coronavírus forçou as empresas a redesenhar suas operações e reinventar a forma como suas equipes trabalham. Por conta das novas regras de distanciamento e isolamento social, muitas organizações tiveram de admitir o home office e o...

ler mais

Quando isolamento rima com amadurecimento

Foi uma bela surpresa para os produtores e artistas do filme O Náufrago, de Robert Zemeckis, de 2000, estrelado por Tom Hanks, passado quase inteiramente na praia de uma ilha deserta, conseguir alcançar um estrondoso sucesso de bilheteria e crítica. O filme tinha de...

ler mais

Fazer o luto, fazer a luta

O enterro de meu irmão mais velho, vítima de Covid, me levou a viver de perto a triste faceta da lógica de regressão e desumanização que está em curso em nosso país, em tempos de pandemia.   Já no hospital, onde ele ficara isolado por duas semanas, ao identificar seu...

ler mais

Cinco fantasmas que você enfrentou na quarentena

Todos vimos alguma vez um cachorro acorrentado em um fundo de quintal e a placa de alerta: “Cuidado, cão feroz”. O animal se esgoela de tanto latir, ganir, dá saltos em vão e só cessa de avançar quando a corrente garroteia seu pescoço e o sufoca. Para, descansa, ofega...

ler mais

junte-se ao mercado