Precisa-se de Humanos 2.0

set/2019

Na Inglaterra do século XIX, as pessoas testemunharam a explosão do Ludismo, um movimento de tecelões que viam as máquinas, recém-criadas pela Revolução Industrial, como uma ameaça aos seus empregos. Desde então, o medo tem sido um sentimento presente nas relações que envolvem homens e máquinas e continua fortalecido no século XXI. Alguns analistas acreditam que a Inteligência Artificial será, em um futuro próximo, responsável por exterminar milhares de postos de trabalho em todo o mundo. Mas, conhecendo a história, será mesmo que devemos nos preocupar? Podemos fazer algo para preservar nossas carreiras e nos mantermos atuantes?

A resposta para ambas as questões é: sim! Devemos nos preocupar e desenvolver ações para nos mantermos competitivos. Neste contexto, é importante ter clareza que se há uma máquina ou tecnologia viável economicamente ela deverá executar as tarefas para a qual foi criada de forma mais eficiente que um ser humano. Mas, mesmo podendo capturar, armazenar, analisar milhares de dados e ainda por cima aprender, elas nunca terão algo que apenas nós temos: humanidade. Por isso, para começar precisamos mudar o mindset e colocar as máquinas em seus devidos lugares.  Tecnologias existem para facilitar o nosso trabalho e deixar a nossa vida melhor. Existem para nos servir e não o contrário. Vendo as máquinas como parceiras e não como inimigas, podemos refletir mais livremente sobre como elevar a nossa humanidade exponencialmente. Isso realmente se faz necessário.

A intuição, por exemplo, é a capacidade que temos de identificar e/ou prever situações sem que haja elementos prévios concretos e racionais para chegar a determinada conclusão. Há alguns anos, a intuição deixou de ser um tema associado ao esoterismo e ao misticismo para ser estudada por matérias como psicologia e neurociência. Ela vem sendo cada dia mais usada em ambientes corporativos sendo, inclusive, investigada por recrutadores em seus processos seletivos.

A meditação também é outra técnica que foi durante muitos anos associada ao misticismo. Hoje, o mundo já entende que meditar com frequência pode estimular as pessoas a alcançarem níveis elevados de consciência, elaborem raciocínios mais sofisticados e resolvam problemas complexos. Usando a intuição e técnicas de meditação, todos nós humanos poderemos praticar a empatia, desenvolver melhor competências socioemocionais e estabelecer conexões de cooperação e afeto.

Em um mundo onde os carrinhos de supermercado poderão monitorar nossas emoções visando influenciar decisões comerciais, só teremos chance se elevarmos a nossa humanidade a outro nível.

Alessandra Calheira

Alessandra Calheira

Colunista

Mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas, na linha de Cibercultura, pela UFBA; Especialista em Marketing pela ESPM e Publicitária pela UCSal. É sócia fundadora da Proxima e consultora para Gestão Educacional e Empregabilidade da Rede FTC. É ainda professora da Pós-Graduação da UNIFACS e colunista do Bahia Notícias.

Atuou como criativa e redatora publicitária quando foi laureada com um Leão no Festival Internacional de Cannes, com uma medalha no Clube de Criação de São Paulo, Top de Marketing da ADVB, entre outros.

Mais artigos

O respeito à flor da pele.

Há poucos dias resolvi fazer uma tatuagem. Em meio a repercussão do ato, uma amiga fez o seguinte questionamento: por que você resolveu marcar a sua pele com essa palavra? Naquele momento, minha resposta foi carregada de obviedades e, talvez por isso, não a tenha...

ler mais

Mudança, um jargão surrado e vazio

O conceito de mudança está presente em toda campanha eleitoral. Candidato de oposição é sempre o candidato da mudança; candidato da situação foi o candidato da mudança um dia. A mesma “mudança” que o elegeu é a que o ameaça na eleição seguinte. Só que, ao pesquisarmos...

ler mais

Irmã Dulce e as metamorfoses da compaixão

Admirar a foto de Irmã Dulce flamulando na Basílica de São Pedro, no Vaticano, não tem preço. Escutar seu nome na cerimônia de canonização aqueceu nossos “brasileiros, brasileiros corações” com a certeza de que o reconhecimento é uma recompensa. A cerimônia trouxe os...

ler mais

O rosto autoritário do poder no Brasil

Outro dia, conversando sobre cultura e poder num workshop de lideranças com jovens executivos, comentei sobre as Capitanias Hereditárias e seus capitães donatários, um cargo administrativo do feudalismo tardio português atribuído a membros da nobreza que, por meio de...

ler mais

A modernização de empresas tradicionais é possível?

Já inicio o texto com a resposta a esta inquietante provocação: Não só é possível, como é necessária. No segundo mandato à frente da Santa Casa da Bahia, com 470 anos de história, posso lhes dizer que modernizar processos,  imagem, tecnologias e pensamentos, são...

ler mais

junte-se ao mercado