Próximo de propósito

mar/2019

Cada vez mais a conexão emocional às marcas tem emergido nas pesquisas como um elemento determinante no processo decisório. Se antigamente a identidade das marcas era basicamente construída a partir de uma mensagem emitida ao consumidor, hoje uma marca precisa se posicionar como parte da vida das pessoas. Daí a busca por conteúdos que gerem identificação. Não é mais uma questão de atrair a atenção do consumidor para o ambiente da marca, mas de fazer com que ele a sinta integrada ao seu ambiente. É uma mudança paradigmática significativa que vemos em curso. 

Importante, assim, nesse contexto, que as marcas estejam em consonância com as expectativas do seu universo de consumidores. Nesse sentido, as pesquisas de mercado têm sido cada vez mais demandadas para decifrar não só seus hábitos de consumo, mas também sua visão de mundo, identificando elementos que favoreçam a conexão emocional. 

Alguns fatos vão ficando cada vez mais evidentes nessa nova forma com que os consumidores interagem com as marcas: eles desejam se enxergar, se ver representados e terem a sua voz ecoada. E, mais além, querem marcas que sejam agentes de transformação social. Percebemos essa tendência refletida, por exemplo, no comportamento de telespectadores de emissoras de TV locais em todo o Brasil e, também, junto aos eleitores – vide a escolha do mais recente Presidente.

Coloca-se aí um desafio para a comunicação de empresas: compreender o consumidor, identificar os conteúdos relevantes, criar uma narrativa envolvente, convencê-los de que existe um propósito (bom) – configurando-se, assim, um campo favorável para o estabelecimento da proximidade.  

Mas tudo isso só tem sustentação se as empresas forem relevantes no mundo real e não só no mundo mágico das marcas. Não se comunica propósito sem legitimidade. Daí a importância, para o amanhã, desse novo consumidor que exige que as marcas empunhem valores e bandeiras. Num primeiro momento, as marcas se adéquam a esse movimento. Depois de um ponto, acabam saindo da lógica de reverberar o que a sociedade demanda para criar padrões, numa constante, e porque não, virtuosa, retroalimentação.

São investidos bilhões de dólares em propaganda todo ano, o que torna imperativo ter intencionalidade e consciência desse poder. Promover impacto positivo gera relevância. E uma marca irrelevante tende a morrer. O foco nesses aspectos é uma questão de sobrevivência. 

Em um mundo cada vez mais inserido na lógica binária dos algoritmos que tanto despersonaliza os sujeitos, traz alento perceber que o elemento humano continua resistindo por ser “um” (quando exige ser enxergado nas suas particularidades), e paralelamente, aponta para o global, quando só legitima a aproximação de marcas empenhadas em construir para a sociedade. Às marcas, cabe encontrar um discurso que fale deles e por eles.  Um desafio e tanto.

 

Karin Koshima
karin@recomendapesquisas.com.br
(Publicado originalmente no Jornal A Tarde)

 

Karin Koshima

Karin Koshima

Colunista

Diretora Executiva da Recomenda Pesquisas & Consultoria – especialista no comportamento do consumidor, eleitor e posicionamento de marcas. Às informações derivadas das pesquisas, agrega consultoria em planejamento, estratégia e marketing.

Se formou em psicologia na UFBA, é psicanalista com especialização em Psicologia pela USP (São Paulo), também Mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia.

Mais artigos

Cultura Uber: a ascensão do trabalhador por portfólio

Motoristas de aplicativo, podem reparar, falam pelos cotovelos. Ficam à espreita de algum sinal do freguês para iniciar um papo e, quando acontece, soltam o verbo. São treinados e permanecem calados até que o usuário resolva puxar conversa. Eu sou muito curioso sobre...

ler mais

Foresight: como será o amanhã?

Prever o futuro já foi propriedade de profetas, gurus, bruxos, oráculos, xamãs e magos e argumento de ficção científica. Imperadores e reis antigamente dispunham de astrólogos residentes nos palácios dispostos a interpretar sinais do devir e ajudar aos monarcas nas...

ler mais

O toque de Midas

Midas, o rei da Frígia, foi um monarca que gozava da fama de ser então o homem mais rico do mundo. No salão dos tesouros do seu palácio acumulava arcas e arcas empanturradas de moedas e barras de ouro, prata, joias e pedras preciosas. Talvez Walt Disney tenha se...

ler mais

A infantilização da fé e do sagrado

Nos anos 70, muitos jovens frequentavam o Mosteiro de São Bento da Bahia, um espaço privilegiado de espiritualidade cristã e intensa experiência cultural. Lembro de uma surpreendente jornada de cinema de arte promovida por Dom Bernardo, um monge beneditino com mente...

ler mais

Brasil 2019: entre Cassandra e Poliana

Pobre Cassandra, ninguém lhe dá ouvidos, ninguém mais acredita em suas profecias, parece que ela só sabe criticar e torcer contra. Por mais que grite e demonstre com firmeza o que está por vir, ninguém aposta uma ficha sequer em  sua clarividência. Ainda que ela...

ler mais

Segredos inspiradores do Natal

Pouca gente escapa da pegada da ansiedade nas festas de final de ano. São muitas as ansiedades nesta época: fechar o semestre, passar direto, fazer balanço e prestar contas, planejamento do ano novo, decidir o destino do 13.o, comprar lembranças baratinhas de amigos...

ler mais

junte-se ao mercado