Quem é o gênio da lâmpada

fev/2022

As conversas sobre o retorno ao trabalho presencial começaram a chamar muito minha atenção. Por motivos óbvios e outros nem tanto, há pessoas que simplesmente abominam a ideia de retornar à rotina do escritório. Desde março de 2020, quando a pandemia de covid-19 se alastrou pelo Brasil, muitos profissionais têm trabalhado de forma remota. A adoção do home office por diversas empresas do País foi uma tentativa de diminuir as taxas de transmissão do novo coronavírus. 

Ao longo dessa adaptação, pessoas adotaram animais domésticos, outras engordaram, outras ainda criaram novos hábitos de exercícios e teve também quem vendeu o automóvel antigamente utilizado para os deslocamentos profissionais. Enfim, há uma infinidade de razões para não querer de volta à rotina presencial.

Mas enquanto evoluía neste artigo, resolvi mudar o foco e fazer uma breve investigação sobre o que nosso povo quer para este ano. Começando pelas pessoas próximas a mim, a lista de desejos contempla todas aquelas palavras que dizemos aos nossos entes queridos entre o Natal e o Ano Novo: saúde, paz, prosperidade, amor etc etc etc.

Como um bom pesquisador, busquei referências para entender se o que eu tenho escutado está de fato perto da realidade. Acessei os dados de um estudo desenvolvido pela 7waves, uma startup que oferece um aplicativo gratuito desenvolvido para o apoio ao planejamento e conquista de metas. A empresa usou a base de dados da sua plataforma e listou os objetivos mais desejados pelos brasileiros em 2022.

A análise foi feita com 16.119 usuários ativos no aplicativo, com representatividade proporcional em todos os estados brasileiros, segundo o último Censo do IBGE, de 2010. Também foram considerados usuários da População Economicamente Ativa, ou seja, de 15 a 65 anos de idade. Assim, foram analisados 30.604 objetivos inseridos no aplicativo de 1° de janeiro de 2020 a 30 de novembro de 2021 que tenham expectativa de conclusão ao longo de 2022.

 

Os resultados encontrados somam sete objetivos:

 

1 – Guardar dinheiro (50,75%). Aqui inclui Quitar dívidas (23,02%); Reduzir despesas (16,19%); Guardar dinheiro na poupança (9,92%); e Fazer previdência (4,45%).

2 – Buscar novos conhecimentos (35,85%). Neste item temos Aprender inglês (14,35%); Começar a graduação (9,71%); Realizar uma pós-graduação (2,41%); Fazer intercâmbio em um país de língua inglesa; e Tirar a carteira de habilitação (1,74%).

3 – Cuidar da saúde (30,90%). Isso aqui não poderia ficar de fora! As informações são Praticar atividades físicas (12,22%); Emagrecer (6,04%); Ter uma alimentação saudável (5,91%); e Cuidar da saúde mental (3,64%).

4 – Evoluir na carreira (26,70%), inclui Ser promovido (10,58%); Conseguir um emprego (8,13%); e Prestar concurso público (2,18%).

5 – Adquirir bens (20,80%) significa ter a casa própria (9,59%); Comprar um carro (7,42%); Adquirir um celular (1,94%); e Comprar uma moto (1,84%) (1.455.611)

6 – Viajar (6,99%), ou seja, relaxar e se divertir em um lugar diferente.

7 – Abrir o próprio negócio (5,81%) – Com um mercado repleto de oportunidades, 5,81% dos usuários têm como meta abrir o próprio negócio em 2022.

 

Em 1952, quando foi lançado o filme Aladdin and His Lamp (Gênio da Lâmpada em português) certamente alguns dos itens acima não eram tão debatidos como atualmente. No entanto, percebo que são desejos que – de alguma forma – sempre estiveram presentes em nossas vidas. Agora, em 2022, cabe a nós não deixar tudo isso a cargo de um gênio de conto de fadas, porque da nossa realidade, só nós mesmos podemos cuidar!

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Vinte e nove horas de silêncio: em vez de medo, orgulho…

A leitura dos “silêncios” e o que eles revelam: por que precisamos quebrar o silêncio?   “O óbvio precisa ser dito”. Este é o tom de mais um mês em que, ainda, precisamos reafirmar a dignidade das pessoas dissidentes da cis heteronormatividade estruturalmente...

ler mais

A simplicidade e a sabedoria do óbvio

“Não acredito que estejamos em crise. Não precisamos do externo para nos fortalecer, tudo está dentro de nós. Todos somos encantados. Estamos deixando o encantamento de lado, a degradação vem daí”. O pensamento acima, ou provocação, é de Pai Francisco de Oxum, mestre...

ler mais

Para quê Diversidade?

O que as respostas revelam.   Uma das máximas do mundo da Publicidade, Propaganda e Marketing irá nortear este texto: "quais dores o seu negócio tira do mundo?". Isto porque, obviamente, podem existir – e existem – inúmeras possibilidades de respostas adequadas...

ler mais

A hora e a vez da favela

O fato de ser um filho da periferia de São Paulo despertou em mim desde cedo alguns questionamentos sobre o bairro em que morava, principalmente sobre a falta de acesso a itens essenciais para o desenvolvimento humano como saúde, boas condições de moradia, transporte...

ler mais

Máscaras de uma vida fragmentada

Antes de toda essa loucura de pandemia começar, quando eu ouvia alguém falar a palavra máscara a primeira coisa que vinha à minha mente era aquela música do Chico Buarque de Hollanda, “Noite dos Mascarados”, que diz mais ou menos assim: “Quem é você? Adivinha, se...

ler mais

Por que Diversidade?

A importância de fazer as perguntas certas   Diversidade se tornou um tema delicado, capaz de travar diálogos e cessar conversas. Muitos medos permeiam a temática, dentre eles – talvez o maior – o receio de uma fala equivocada gerar consequências, quase...

ler mais

junte-se ao mercado