Tempo a nosso favor

ago/2021

Sempre gostei de me comunicar, ouvir e contar histórias, colocar pra fora ideias, críticas, elogios ou indignações. E quando escolhi trabalhar nas diferentes áreas da comunicação e do marketing, esse meu prazer só foi aumentando.

Com o advento das mídias sociais, estar sempre “on”, me atualizando e produzindo conteúdos, virou rotina; às vezes até parte das obrigações.

Entretanto… há algum tempo dei um tempo!

Aos poucos fui interpretando que manter o foco em nossos objetivos é fundamental, contudo, existem situações em que “dar um tempo” se torna necessário. Assim, podemos refletir, repensar atitudes e, óbvio, cuidar de si, para recuperar as energias e retornar com ainda mais força e certeza em relação ao que deseja realizar. Em muitos casos, se permitir fazer pausas é como andar uma casa para trás em um jogo de tabuleiro para que, depois, ande duas ou mais para frente. É uma questão de inteligência e sobrevivência.

Imagine uma pessoa que está trabalhando duro em um projeto, dando seu melhor para vê-lo se realizar. Por mais que aquilo seja uma prioridade em sua vida, existem circunstâncias que estão além de suas vontades, como suas necessidades humanas, por exemplo, de descansar, se alimentar, relaxar a mente, entre tantas outras. Caso ela insista em ignorar tudo isso, em algum momento terá que arcar com as consequências e se ver obrigada a pausar seu projeto para cuidar da saúde.

Além das questões relacionadas ao excesso de trabalho e à saúde, dar um tempo se mostra necessário em uma infinidade de situações. Na realidade, o melhor termômetro para identificar a hora de fazer uma pausa é a forma com a qual está se sentindo. Tenho aprendido que, caso perceba que está confuso, sobrecarregado e precisando de um respiro, se permita parar e se afastar um pouco do que está te causando tudo isso. Então, poderá retornar depois com a mente tranquila e pronta para retomar o que foi pausado.

Confesso que são poucos meus momentos “off”, mas eles têm sido fundamentais para eu me conectar com minha essência e ter mais assertividade em minhas escolhas. “Dar um tempo” também me levou a compreender a grande importância de reconhecer que eu preciso dessa atitude, sem culpa ou autojulgamento. É dando um tempo que abrimos olhos e coração para o novo e temos mais clareza para a definição de prioridades.

Estou retomando as conexões, com auto-compromisso de manter o “dar um tempo” entre as prioridades.

Diego Oliveira

Diego Oliveira

Colunista

Fundador e CEO do Grupo Youpper Consumer & Media Insight. Expert in Consumer & Media Insights. Publicitário e mestre em Comunicação pela Cásper Líbero, especialista em gestão de projetos pela FGV, professor e supervisor universitário na ESPM nos cursos de Publicidade e Propaganda.
Mais artigos

Contagem regressiva – Já?!

Há pouco mais de um mês acompanhávamos as Olimpíadas e depois as Paraolimpíadas. Praticamente todas as competições das modalidades esportivas tinham início após uma contagem regressiva. Esportes como salto ornamental ou tiro esportivo não precediam uma contagem em voz...

ler mais

Valeu pelo seu post colorido de junho! A galera lgbtqia+ agradece! Mas nos outros meses o que você tem feito de verdade para combater o preconceito? Que tal começar pelos “simples” discursos que só potencializam homofobia, transfobia & bifobia?

“Você é gay?” “Como você virou lésbica?” Vem cá, alguém fica perguntando por aí se você é hétero? Como você virou hétero ou com quantos anos você decidiu ser hétero? Como foi falar para seus pais? Então se toca e pare de ser desnecessári@. “Mas bissexual, pansexual,...

ler mais

Nem tudo é o que parece ser

“Ao nascer, foi entregue para adoção por sua mãe solteira. Na escola, destacou-se tanto pela inteligência como pela indisciplina e molecagem. Aos 15 anos, teve um primeiro emprego na HP, comprou um carro velho e passou a fumar maconha. Aos 19, descalço, vegetariano...

ler mais

uma curtição chamada São João

Pelo segundo ano consecutivo, não será possível sentir os aromas das festas juninas nas ruas ou em espaços onde costumávamos “pular a fogueira” ou “dançar a quadrilha”. Assim como o trabalho e os estudos, as celebrações tradicionais tiveram que se transformar,...

ler mais

Viagem a um passado presente

Meio do ano chegando e a gente começa a avaliar o que fizemos da vida (ou o que ela fez de nós) na primeira metade de 2021. São tantas coisas a dizer – e a escrever – e, por isso, vou me ater ao último mês: maio. As efemêrides são elementos quase obrigatórios do mundo...

ler mais

junte-se ao mercado