>

Tradição e inovação podem trabalhar juntos a serviço do bem

nov/2017

Em dezembro a Santa Casa da Bahia completa 468 anos de comprometimento com os baianos, o que me deixa muito à vontade para falar aqui sobre esta história. Afinal, muitas empresas hoje lutam para passar dos primeiros cinco anos de vida. Junte-se a isso, o fato desta instituição secular ser uma filantrópica.

Além de ter muita história para contar ao longo de todos estes anos, a Santa Casa tem também grandes conquistas a celebrar. Existente desde 1549, mesmo ano de fundação da cidade de Salvador, a Santa Casa da Bahia sempre teve o nobre propósito de estar a serviço do bem. Foi a única entidade do Estado a prestar assistência à população local por mais de dois séculos. Hoje, além de atuar na área de saúde, a instituição também presta serviços nas áreas de cultura, assistência social, educação e ensino e pesquisa. E o mais interessante é ver, de perto, como uma instituição secular consegue se manter aliando, de forma exemplar, tradição e inovação.

A Santa Casa possui um trabalho filantrópico de extrema importância para a sociedade e, por isso, tenho orgulho de integrar essa instituição desde 2002, quando passei a parte fazer da Irmandade da Santa Casa. De lá para cá, ocupei os cargos de tesoureiro e mordomo diretor de saúde, até ocupar a posição que tenho no momento, de Provedor, após ser eleito em 2014 e reeleito este ano. Trata-se de um cargo voluntário, mas que equivale ao do Presidente ou CEO em outras empresas. Os desafios enfrentados no decorrer desse período não são poucos, mas têm sido muito gratificantes, principalmente ao me deparar com a relevância e grandeza das ações realizadas pela instituição em prol da população.

Um exemplo disso pode ser visto na atuação social que impacta a vida de duas mil pessoas que recebem educação, formação profissional, orientação jurídica, cursos e incentivos. As atividades se dividem entre o Programa Avançar (Centro de Referência em Promoção Social e Capacitação do Bairro da Paz) e os sete Centros de Educação Infantil, que assistem cerca de 700 crianças com ensino em período integral, quatro refeições diárias, acompanhamento psicológico, nutricional e odontológico.

O Hospital Santa Izabel também representa bem a atuação da Santa Casa da Bahia, ao ser centro de referência em atendimentos de alta complexidade, especialmente nas áreas de Cardiologia, Oncologia, Ortopedia, Pediatria, Neurologia e Otorrino, dentre 39 especialidades. Como resultado do compromisso pela excelência, a tradicional unidade de saúde recebeu a Acreditação por Excelência – Nível 3, obtida através da metodologia da Organização Nacional de Acreditação (ONA), que prioriza a segurança do paciente, o gerenciamento de risco e da rotina e indicadores de qualidade e desempenho. No Brasil, menos de 2% das unidades de saúde possuem essa certificação máxima. E mesmo que isso pareça suficiente, a instituição já assumiu um novo desafio: o da busca pela certificação internacional, já sendo nomeado como integrante do QMentum International IQG, uma acreditação canadense, aplicada em mais de 30 países que utiliza critérios validados mundialmente.

Toda busca pela excelência passa, sem dúvidas, pela gestão profissional. A Santa Casa da Bahia busca constantemente se profissionalizar. Através da Fundação Dom Cabral, buscamos o desenvolvimento e capacitação de gestores e colaboradores em geral. Assim, reforçamos nosso compromisso em servir ao próximo e aliando a tradição e inovação, que tanto marcam a trajetória desta instituição.

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

A segunda tela aumenta a eficiência da TV

Estudo revela que o consumo da chamada segunda tela (celulares e tablets) durante o tempo em que pessoas assistem TV aumenta a eficiência da publicidade neste meio Ao contrário do mito que se estabeleceu desde o crescimento do uso da chamada segunda tela (celulares e...

ler mais

Lições de marketing numa feira de livros

O que está havendo com as livrarias e o comércio de livros? Foi-se o tempo das pequenas livrarias charmosas e aconchegantes, bem diferentes das mega stores de livros dos  shoppings centers. Será que as pessoas ainda compram e leem livros? Quais as novas estratégias de...

ler mais

Cadê a Copa?

Estamos em maio e aqui vale o por que da atual pasmaceira em relação à Copa do Mundo, se falta apenas um mês, junho está próximo. Dia 14/06 a bola já estará rolando. Em outros tempos, antes do choque de realidade do 7x1 e da desesperança dos brasileiros com suas...

ler mais

Voluntariado e as relações humanas

Desde quando me envolvi com o mundo da filantropia, há mais de 30 anos, na fundação do GACC-BA, passei a compreender o real valor do trabalho desenvolvido por voluntários. De lá pra cá, sobretudo com o envolvimento com outras instituições, tenho a convicção do quão...

ler mais

Narcisos digitais

Nas últimas décadas a humanidade passou a conjugar o verbo conectar e compartilhar com outra semântica. Compartilhamos e nos conectamos todos os dias na internet, teia que se tornou a principal plataforma de relacionamento, de business, de comunicação, de aprendizagem...

ler mais

Uma historinha para cobrir a falta de assunto

Definitivamente estou sem assunto e isso me preocupa. Quando falta assunto é por que sobra preguiça, mas, para vocês não saírem por aí me imputando esse pecado capital, melhor eu contar uma historinha, juro que não é ficção, ou, mais de uma, por que não? Aconteceu em...

ler mais

junte-se ao mercado