>

Tradição e inovação podem trabalhar juntos a serviço do bem

nov/2017

Em dezembro a Santa Casa da Bahia completa 468 anos de comprometimento com os baianos, o que me deixa muito à vontade para falar aqui sobre esta história. Afinal, muitas empresas hoje lutam para passar dos primeiros cinco anos de vida. Junte-se a isso, o fato desta instituição secular ser uma filantrópica.

Além de ter muita história para contar ao longo de todos estes anos, a Santa Casa tem também grandes conquistas a celebrar. Existente desde 1549, mesmo ano de fundação da cidade de Salvador, a Santa Casa da Bahia sempre teve o nobre propósito de estar a serviço do bem. Foi a única entidade do Estado a prestar assistência à população local por mais de dois séculos. Hoje, além de atuar na área de saúde, a instituição também presta serviços nas áreas de cultura, assistência social, educação e ensino e pesquisa. E o mais interessante é ver, de perto, como uma instituição secular consegue se manter aliando, de forma exemplar, tradição e inovação.

A Santa Casa possui um trabalho filantrópico de extrema importância para a sociedade e, por isso, tenho orgulho de integrar essa instituição desde 2002, quando passei a parte fazer da Irmandade da Santa Casa. De lá para cá, ocupei os cargos de tesoureiro e mordomo diretor de saúde, até ocupar a posição que tenho no momento, de Provedor, após ser eleito em 2014 e reeleito este ano. Trata-se de um cargo voluntário, mas que equivale ao do Presidente ou CEO em outras empresas. Os desafios enfrentados no decorrer desse período não são poucos, mas têm sido muito gratificantes, principalmente ao me deparar com a relevância e grandeza das ações realizadas pela instituição em prol da população.

Um exemplo disso pode ser visto na atuação social que impacta a vida de duas mil pessoas que recebem educação, formação profissional, orientação jurídica, cursos e incentivos. As atividades se dividem entre o Programa Avançar (Centro de Referência em Promoção Social e Capacitação do Bairro da Paz) e os sete Centros de Educação Infantil, que assistem cerca de 700 crianças com ensino em período integral, quatro refeições diárias, acompanhamento psicológico, nutricional e odontológico.

O Hospital Santa Izabel também representa bem a atuação da Santa Casa da Bahia, ao ser centro de referência em atendimentos de alta complexidade, especialmente nas áreas de Cardiologia, Oncologia, Ortopedia, Pediatria, Neurologia e Otorrino, dentre 39 especialidades. Como resultado do compromisso pela excelência, a tradicional unidade de saúde recebeu a Acreditação por Excelência – Nível 3, obtida através da metodologia da Organização Nacional de Acreditação (ONA), que prioriza a segurança do paciente, o gerenciamento de risco e da rotina e indicadores de qualidade e desempenho. No Brasil, menos de 2% das unidades de saúde possuem essa certificação máxima. E mesmo que isso pareça suficiente, a instituição já assumiu um novo desafio: o da busca pela certificação internacional, já sendo nomeado como integrante do QMentum International IQG, uma acreditação canadense, aplicada em mais de 30 países que utiliza critérios validados mundialmente.

Toda busca pela excelência passa, sem dúvidas, pela gestão profissional. A Santa Casa da Bahia busca constantemente se profissionalizar. Através da Fundação Dom Cabral, buscamos o desenvolvimento e capacitação de gestores e colaboradores em geral. Assim, reforçamos nosso compromisso em servir ao próximo e aliando a tradição e inovação, que tanto marcam a trajetória desta instituição.

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Mentira, fake news e pós-verdrags

A manipulação de sofismas e falácias desafiou o mundo de Sofia, desde os primórdios. Grandes mentes conseguiram decifrar os vestígios do blefe e os truques da mentira. Sócrates, o gigante de Atenas, preferiu sorver o cálice da verdade enquanto os sofistas, artistas da...

ler mais

Da Paternidade à Filantropia

Ao me tornar pai, já imaginava que minha vida ia passar por transformações, mas jamais da forma como aconteceram. Aos nove anos, meu filho foi diagnosticado com câncer. Travamos uma batalha que felizmente foi vencida e, a partir daí, uma nova força foi gerada. Durante...

ler mais

O resgate pela resiliência: o caso dos Javalis Selvagens

Era o dia 23 de junho, o time dos Javalis Selvagens havia acabado a partida de futebol. Um almoço festivo os esperava na casa de um dos integrantes do time para cantar parabéns. Mas eles convenceram a Ake, o técnico do time, a darem um passeio de bike na direção das...

ler mais

20 anos da ABMP

Toda entidade de classe nasce de uma necessidade, ou, de uma provocação. A ABMP nasceu das duas. A necessidade foi a de se constituir uma entidade que reunisse todos os segmentos da comunicação. Existia um precedente, a AP-Bahia (sigla de Associação de Propaganda da...

ler mais

Dois de Julho

Sorte nossa de comemorarmos duas independências, a da Bahia e a do Brasil. Comemoramos a primeira em 2 de julho com uma festa dita cívica, mas com elementos caraterísticos de outras festas populares: capoeira, samba, grupos de fanfarras, alegorias. E comemoramos em 07...

ler mais

Por uma antropologia da viagem

Comecei a reparar em conversas informais com brasileiros com quem me deparei na Europa, em viagem recente, em lojas, cafés e metrôs, que havia um grupo sem entusiasmo e indiferente aos valores europeus, apenas focado em consumir souvenires, cumprir roteiros óbvios e...

ler mais

junte-se ao mercado