Tradição e inovação podem trabalhar juntos a serviço do bem

nov/2017

Em dezembro a Santa Casa da Bahia completa 468 anos de comprometimento com os baianos, o que me deixa muito à vontade para falar aqui sobre esta história. Afinal, muitas empresas hoje lutam para passar dos primeiros cinco anos de vida. Junte-se a isso, o fato desta instituição secular ser uma filantrópica.

Além de ter muita história para contar ao longo de todos estes anos, a Santa Casa tem também grandes conquistas a celebrar. Existente desde 1549, mesmo ano de fundação da cidade de Salvador, a Santa Casa da Bahia sempre teve o nobre propósito de estar a serviço do bem. Foi a única entidade do Estado a prestar assistência à população local por mais de dois séculos. Hoje, além de atuar na área de saúde, a instituição também presta serviços nas áreas de cultura, assistência social, educação e ensino e pesquisa. E o mais interessante é ver, de perto, como uma instituição secular consegue se manter aliando, de forma exemplar, tradição e inovação.

A Santa Casa possui um trabalho filantrópico de extrema importância para a sociedade e, por isso, tenho orgulho de integrar essa instituição desde 2002, quando passei a parte fazer da Irmandade da Santa Casa. De lá para cá, ocupei os cargos de tesoureiro e mordomo diretor de saúde, até ocupar a posição que tenho no momento, de Provedor, após ser eleito em 2014 e reeleito este ano. Trata-se de um cargo voluntário, mas que equivale ao do Presidente ou CEO em outras empresas. Os desafios enfrentados no decorrer desse período não são poucos, mas têm sido muito gratificantes, principalmente ao me deparar com a relevância e grandeza das ações realizadas pela instituição em prol da população.

Um exemplo disso pode ser visto na atuação social que impacta a vida de duas mil pessoas que recebem educação, formação profissional, orientação jurídica, cursos e incentivos. As atividades se dividem entre o Programa Avançar (Centro de Referência em Promoção Social e Capacitação do Bairro da Paz) e os sete Centros de Educação Infantil, que assistem cerca de 700 crianças com ensino em período integral, quatro refeições diárias, acompanhamento psicológico, nutricional e odontológico.

O Hospital Santa Izabel também representa bem a atuação da Santa Casa da Bahia, ao ser centro de referência em atendimentos de alta complexidade, especialmente nas áreas de Cardiologia, Oncologia, Ortopedia, Pediatria, Neurologia e Otorrino, dentre 39 especialidades. Como resultado do compromisso pela excelência, a tradicional unidade de saúde recebeu a Acreditação por Excelência – Nível 3, obtida através da metodologia da Organização Nacional de Acreditação (ONA), que prioriza a segurança do paciente, o gerenciamento de risco e da rotina e indicadores de qualidade e desempenho. No Brasil, menos de 2% das unidades de saúde possuem essa certificação máxima. E mesmo que isso pareça suficiente, a instituição já assumiu um novo desafio: o da busca pela certificação internacional, já sendo nomeado como integrante do QMentum International IQG, uma acreditação canadense, aplicada em mais de 30 países que utiliza critérios validados mundialmente.

Toda busca pela excelência passa, sem dúvidas, pela gestão profissional. A Santa Casa da Bahia busca constantemente se profissionalizar. Através da Fundação Dom Cabral, buscamos o desenvolvimento e capacitação de gestores e colaboradores em geral. Assim, reforçamos nosso compromisso em servir ao próximo e aliando a tradição e inovação, que tanto marcam a trajetória desta instituição.

Roberto Sá Menezes

Roberto Sá Menezes

Colunista

Provedor da Santa Casa da Bahia, fundador e presidente do Grupo de Apoio à Criança com Câncer da Bahia (GACC-BA), membro do Conselho Fiscal da Associação Obras Sociais Irmã Dulce (AOSID) e do Conselho Consultivo da Confederação das Santas Casas de Misericórdia do Brasil (CMB).

 

Mais artigos

Gutenberg e sua startup no século 15

Estou fascinado com a história de Johannes zum Gutenberg (1396-1468), o célebre inventor da imprensa, ele encarna um case de inovação disruptiva em pleno século 15. O inquieto metalúrgico de Mainz, Alemanha, tinha garra de empreendedor e contava com um empréstimo para...

ler mais

O patrimônio cultural da Santa Casa da Bahia

A rica história e cultura de Salvador atravessaram continentes e oceanos até Macau, na China, onde fui convidado a apresentar o patrimônio cultural da Santa Casa da Bahia, durante o XXII Congresso Internacional das Misericórdias, realizado em maio. Foi um momento...

ler mais

De olho em 2020

Enquanto costuras políticas desenham o quadro de candidaturas para 2020, profissionais envolvidos com as eleições ainda batem a poeira das roupas por conta da rasteira de 2018. Afinal, “nunca antes na história desse país” certezas convencionadas estiveram tão na...

ler mais

Cultura Uber: a ascensão do trabalhador por portfólio

Motoristas de aplicativo, podem reparar, falam pelos cotovelos. Ficam à espreita de algum sinal do freguês para iniciar um papo e, quando acontece, soltam o verbo. São treinados e permanecem calados até que o usuário resolva puxar conversa. Eu sou muito curioso sobre...

ler mais

Foresight: como será o amanhã?

Prever o futuro já foi propriedade de profetas, gurus, bruxos, oráculos, xamãs e magos e argumento de ficção científica. Imperadores e reis antigamente dispunham de astrólogos residentes nos palácios dispostos a interpretar sinais do devir e ajudar aos monarcas nas...

ler mais

A campanha da Previdência: o caro e o barato

Propaganda é cara. Todo mundo sabe e quando digo todo mundo me refiro a quem é da área, ou seja, quem conhece a matéria. Propaganda é cara, sempre foi e nunca deixará de ser, pois no seu objetivo final que é massificação, ou público alvo definido, viabiliza dezenas de...

ler mais

junte-se ao mercado